quinta-feira, 14 de maio de 2015

QUE LÓGICA É ESSA????

Já discuti muito sobre um assunto que não cabe na minha lógica e, provavelmente, na de muitos outros cidadãos que vivem no Brasil.

Nesses dias, o bandido Fernandinho Beira Mar ,foi levado "de helicóptero" (quantas vezes você já passeou em um? ) para ser julgado pelo crime de ter matado companheiros de prisão alguns anos atrás.  O cara tem motorista particular e piloto particular pagos com nosso dinheiro para ser levado a outro julgamento,até aí já é um desaforo, mas o que vem depois é que causa repulsa porque tudo isso não leva a absolutamente nada.

Ocorre que nesse último julgamento, ele foi condenado a mais 120 anos de prisão pela morte de outros 4 bandidos.  Juntando a pena que ele já está cumprindo de 200 anos, então ele vai ter que ficar lá no presídio, 320 anos.  No entanto, nosso código penal, explicita que, ninguém pode ficar preso por mais de 30 anos.  É uma lei  que foi criada  na década de 40, em que a expectativa de vida girava em torno dos 40 anos e hoje é praticamente o dobro.

O meu questionamento é mesmo esse!  Como pode o Estado custear através de nossos suados impostos, toda essa parafernália completamente inútil?   Depois ainda posam de excelente respeitabilidade jurídica.  Existe o fato?  Existe sim!  Funciona?  Não, não funciona por motivos óbvios.  Então, por que não mudam?  Por que não atualizam?  Por que não alteram a lei para um mínimo de 60 anos já que seria, dentro das expectativas, o mais aceitável agora?

O mesmo tem acontecido com a discussão sobre a maioridade penal.  Um marginalzinho que vá completar 18 aninhos amanhã, estupra, mata, desmembra o corpo de sua filha hoje e, com base na sagrada lei, vai para uma instituição para menores em que, cumpre, no máximo, 3 anos recluso, findos os quais, ele é solto e sua ficha completamente limpa.

O debate segue acalorado, mas o motivo mais demonstrado seria o de que não teríamos presídios para tantos criminosos "mirins", se é que esses verdadeiros cavalões possam ser assim considerados.

Sou, e sempre serei contra, a pena de morte, mas também sou a favor da prisão perpétua!  Tudo bem que os impostos sejam usados para manter esses seres vivos, mas, ao menos estaríamos respeitando uma lei natural, sem desrespeitar uma outra criada para a melhor vivência social.

Podemos até nos resignarmos em vermos notícias abaladoras de mortes estúpidas cometidas com crueldade, afinal, isso é comum em todos os tipos de sociedades e em todos os países do mundo. O que não dá pra aceitar, é a impunidade sendo desferida como socos em nossas caras pelo simples fato de não se alterarem leis, dispositivos, parágrafos, enfim, toda essa merda imprestável em sua praticidade e finalidades.  

Por que existem punições???  Simples:  para servirem de exemplo e novos crimes semelhantes não serem cometidos.  E se não houver punições?  é mais simples ainda.  Haverá um incentivo a que se cometam sempre em maior número os mesmos crimes.

E por que não mudam essas leis?    Mais simples ainda.   Porque são um bando de vagabundos filhos da puta que podem contar sempre com exércitos de seguranças e se esconderem atrás de escudos representativos de suas excelências e autoridades.

Sinceramente, não sei como ainda conseguimos chegar até aqui com toda essa mansidão.

terça-feira, 28 de abril de 2015

SER...TER...OU....FAZER...!

"-Não importa o que fizeram do homem, mas aquilo que o homem fez, daquilo que fizeram dele. " Essa frase dita por Sartre sempre me fascinou ;  nem tanto por ser um exemplo a ser seguido rigidamente, afinal de contas, nem todos conseguem "se fazer" em alguma coisa.  Muitos buscam outras realizações  e acabam por se enfiar em especificidades fora daquilo a que realmente gostam ou se sentem bem em realizar.  A famosa prostituição em que o  dinheiro e o poder, são os únicos aspectos a serem levados em conta.

E se você quiser ser um policial?  Um bombeiro?  Um professor?  Ah, mas esses trabalhadores sofrem muito e não são reconhecidos nem remunerados como deveriam.  Que diria então de um pedreiro, faxineiro, etc?  Consideradas sim, profissões humilhantes e mal remuneradas já que, consideram como marginalizadas no mercado de trabalho.  Embora a maioria prefira deitar o politicamente correto enaltecendo o trabalho dessas pessoas, sabem, e tem verdadeira aversão aos que nela se sentem felizes e realizados.  Não se conformam em ver alguém se contentar com tão pouco.

Mas para não desviar mais ainda do assunto, existem aqueles que chamam para si, a responsabilidade de dirigir uma Cidade, um Estado, ou uma Nação!   Embora, até agora, sempre ficou muito claro que sempre se preocupam em primeiro lugar, com os próprios interesses, em segundo lugar com os dos partidos a que pertencem e, em último, apenas último lugar, se preocupam realmente com os propósitos para os quais foram nomeados e pagos por todos nós.


O que fazem os executivos ou executivas das diversas esferas governamentais de fato para que, aqueles a quem estão subordinados,  tenham plena confiança de que fizeram mesmo uma boa escolha? A resposta é, obviamente,  nada!   Se engalfinham em se proporcionarem cada vez mais poderes, cada vez mais facilidades, cada vez mais adeptos cegados pela pretensa ilusão ideológica falsa.  É preciso dizer a verdade -  "ninguém gosta de pobres"  nem os pobres.  Aqueles que se dizem defensores dos pobres são os mais vigaristas, mentirosos, larápios e hipócritas de todas as raças nocivas de que se possa nomear.  Até pela simples razão de não quererem acabar com a pobreza ; mas sim, aumentá-la em proporções a que possam sempre contar com as mesmas para, enfim, se perpetuarem.

Tenho comigo que o próprio mercado possui  como exigência máxima de sobrevivência, o fim da pobreza.  Quanto menos pobres, mais consumidores, e assim evolui  o processo e a cadeia geradora de tudo o que possa determinar o progresso em si.  Não é criando cotas ou reformando universidades que se vai melhorar os caráteres dos indivíduos, mas sim através do ensino básico de qualidade como causa de necessidade e consequentemente criação de universidades também de qualidade, gerando profissionais melhor adaptados à essa mesma realidade.

Essa de que FHC fez isso, fez aquilo, que Lula foi o pai e a Dilma a mãe dos pobres, só indica que a família pobreza está crescendo e cada vez mais dependente como provam as próprias declarações dos, então, candidatos ao cargo máximo do Brasil.  Aécio dizendo que no governo PSDB foram beneficiadas 5 milhões de famílias e Dilma contestou exibindo orgulhosa que o governo do PT foram beneficiadas 20 milhões sem nenhum dos dois atentarem para a espetacular vergonha de saber que praticamente um quarto da população brasileira é dependente desse programa assistencialista e ainda querem mais.   Querem o que afinal de contas?  Que todos os brasileiros fiquem, definitivamente dependentes e lhes creditem seus votos?   Que os do PSDB se lembrem que tinham vergonha de propagandear e os do PT que se lembrem do que o próprio Lula disse a respeito disso.

..."não importa o que fizeram do homem, mas aquilo que o homem fez, daquilo que fizeram dele..."

Houve progressos sim, mas muito pouco diante das potencialidades investidas.  Houve avanços medíocres em diversas áreas sim , mas  muito aquém daquilo que realmente propagandearam.

Enquanto os brasileiros ficarem  se estapeando debaixo das mesas da fartura disputando os restos que os detentores dos portentosos banquetes jogam para eles, nada irá mudar de verdade.
Esses banquetes ficam expostos não mais em milhares, não mais em dezenas de milhares, mas sim, em dezenas de milhões....bilhões...!   Enquanto infelizes são alimentados por esses restos e, ainda presos aos seus grilhões nos pescoços agradecem a "bondade"  daquele que lhes jogam os ossos roídos, continuaremos aqui embaixo discutindo quem tem o "melhor dono"  como cães sarnentos arreganhando as presas entre si, é esse o país que teremos.

Quando todos realmente se derem conta disso, quem sabe, possamos levantar e jogar tudo para o ar.

No momento, a mesa da fartura parece estar escasseando...  fruto da incompetência geral dos seus administradores que já começam a reter até os restos e ossos com os quais costumavam "encantar" suas devidas  "propriedades"...

Aguardemos pois...





quinta-feira, 16 de abril de 2015

UMA BOA LEMBRANÇA VERDE-OLIVA

Em meus tempos de farda, lá pelo ano de 1981, durante as costumeiras secas de setembro, estávamos em treinamento acampados em São Paulo na região próxima a Barueri, quando, perto da
 hora do rancho (almoço), vimos uma grossa fumaça subir por trás das colinas. Estávamos no meio de um pequeno vale cercados por três morros com apenas uma única saída.  Sempre fui contestador e questionador e me lembro de ter levado mais uma bronca sobre achar aquele local muito estúpido para um acampamento de uma tropa.  Mas o assunto que me fez lembrar disso não passa por conceitos de estratégia militar, e sim, da prática militar útil realmente.

A fumaça cresceu por trás das colinas, se espalhou e mostrou o que vinha atrás.  Labaredas imensas brotaram repentinamente em linha vindo para a crista dos morros.  Uns sitiantes chegaram rapidamente dizendo que houve um "descontrole" e que os bombeiros já haviam sido chamados mas estavam apavorados porque ventava e o fogo crescia rapidamente e devorava agora já o começo do seco declive em direção ao vale onde estávamos acampados.

O período seco, com vegetação alta, era tudo o que as chamas precisavam.  Houve o toque de alarme, reunião da tropa e enquanto alguns recolhiam o acampamento, equipamentos e viaturas, outro grupo maior foi designado para coletar tufos de moitas rapidamente e formar uma linha paralela a da frente das chamas.  O grupo que retirou os equipamentos logo voltou para reforçar a limpeza de uma faixa atrás de onde estávamos para o caso de não termos sucesso no combate às enormes labaredas que cresciam e diminuiam a cada touceira que atingiam.

Nosso comandante então, depois da fileira pronta disse que quando apitasse longamente, teríamos que avançar contra o fogo e abafá-lo o mais rapidamente possível, e quando ele desse sinais intermitentes deveríamos recuar bem rápido.

Por estarmos num vale, a fumaça seria a maior ameaça, então, com lenços ou camisetas molhadas em volta do rosto aguardamos que as chamas chegassem mais perto e diminuíssem de altura para,  assim que isso acontecesse, fossemos todos juntos bater e abafar o fogo.

Aconteceu umas quatro ou cinco vezes e conseguimos dominar as labaredas.  Parte avançou enquanto outros iam destruindo todas as moitas maiores atrás de nós ajudando a diminuir possíveis combustões após debelarmos o fogo principal.

Em seguida, com tudo o que tínhamos à disposição para o rescaldo, buscamos água do riacho próximo e rescaldamos toda a área.

Foi meu momento de maior emoção no exército.  Havíamos mesmo feito algo de útil !  Trabalhamos  tão rápido que os bombeiros quando chegaram depois, apenas pararam suas viaturas e pousaram seu helicóptero que não mais seriam necessários enquanto cumprimentavam nosso comandante e nos agradeciam.

Não houve danos, não houve ferimentos, nada mais que uma ou outra queimadura leve em alguns poucos, mas todos, apesar da fuligem nas caras sorridentes e cansadas ainda aparentando certo misto de susto e realização, comemoravam muito felizes.

Nessas horas eu gosto de sair para o lado e buscar um espaço mais reservado para ficar observando apenas.  Subi um pedacinho do campo calcinado ainda fumegante para ter uma visão de tudo aquilo.

Meninos fardados comemorando a vitória tendo ao fundo um amontoado de viaturas.  Oficiais das forças armadas e auxiliares se congratulando, e preenchendo relatórios. Um helicóptero pousado.

Subi então o resto da colina rapidamente para ver o outro lado.  O fogo havia começado beirando uma estrada e subido rapidamente pela encosta.  Se não estivéssemos ali acampados, com certeza iria ultrapassar aquele pequeno vale e se espalhar pelos outros morros.  Acho que fomos úteis naquele dia.

Sim...  acho que fomos sim!!!

http://www.horadopovo.com.br/2012/02Fev/3033-17-02-2012/P3/pag3a.htm

quarta-feira, 15 de abril de 2015

NAVIOS SEM CAPITÃES

Dessa vez, eu não compareci ao protesto. Não vejo mais a necessidade de competir com aqueles que já sabem o que lhes está reservado, nem servir como unidade quantitativa de manobra por qualquer oposição. Além disso, a pauta não era a minha. Não tenho interesse no impeatchman presidencial, isso não resolveria nada!

O que estou presenciando é, um país prestes a agonizar. Medidas paliativas, superficiais, porém, de grande impacto negativo estão sendo tomadas. Parece que;  ou não entenderam, ou fingem que não entendem o que a população realmente quer.  Não observaram o contexto, não sentiram a necessidade óbvia de mais responsabilidade pública e menos disputas particulares.  Em seus sonhos megalomaníacos empurram o Brasil para um perigoso conflito em que muitos já estão até pensando em armas. Muita besteira e fanfarronice nesse caso!

O que eu quero, e também a maioria pelo que pude observar, é que, simplesmente governem de verdade. Que assumam as responsabilidades de cada um e arquem tanto com bônus, como também os ônus de decisões estúpidas.  Que paguem por erros cometidos e que a justiça seja aplicada sim, com justiça.

A festa do consumo parece estar acabando. O país se desindustrializa.  A energia e a água escasseiam mostrando tanto a incompetência de um, como de outro lado.  Os brasileiros mostraram que perderam a capacidade de sonhar.  Não sonham, não concretizam.  Quando o consumo exacerbado toma o lugar do planejamento sonhado levando milhões ao negativamento junto ao SPC, já demonstra a falta de foco...de rumo.  Muita gente, mais de 50 milhões de brasileiros estão endividados e com perspectivas sombrias à frente já que não há mais planos miraculosos no horizonte.  Tudo o que vemos é uma sanha diabólica para arrancar mais recursos da população através de mais impostos, taxas, contribuições, enfim, querem arrancar atá as calças de quem já está de cuecas.

Sempre na demagógica desculpa de proteger os trabalhadores, investem contra os empregadores até que estes não tenham mais condições de empregar, ou não tenham interesse nisso!

Continuam alimentando como podem a impunidade, porém, sempre mantendo a postura politicamente correta de serem contra a corrupção, o que não adianta absolutamente  nada!

O país começa a sangrar economicamente.  Não encontram ataduras nem mecanismos quaisquer de estancar essa hemorragia.  Tudo o que estão fazendo, parece ser somente jogar água sobre as feridas sem estancar o sangue, mas apenas lavando-o para que não pareça tão grave.

Os empresários, os governos das diversas esferas, de todos os partidos, de todas as ideologias não enxergam qualquer solução razoável.  Ao menos alguma que seja de consenso e que realmente trate dos problemas a curto, médio e longo prazos.  Aliás, parece que nunca houve mesmo qualquer interesse de longo prazo já que, tudo o que eles tem feito é sempre de medidas emergenciais, corretivas, paliativas, que pouco sanam ou, se resolvem momentaneamente, logo se tornam obsoletas.

Instituições que antes eram consideradas sérias, idôneas, fortes,  estruturadas, parecem começar a desmoronar como um castelo de cartas a cada investigação por menor que seja. Já outras, ainda sem qualquer toque investigativo, tremem apenas com um simples aceno de que podem vir a ser estudadas.

Mas as militâncias seguem bovinamente os mandamentos de seus amestradores. Afinal de contas, tem que se mostrar dignos das bondosas cotas de alfafa para que continuem mantendo seus quatro membros firmes ao chão.  Continuam seus mugidos, relínchos  e distribuição de coices e cabeçadas em qualquer um que simplesmente exerça o direito democrático de discordar.

Estamos entrando na era das disputas em manifestações.  Quem leva mais gente....quem faz mais barulho....quem demonstra mais indignação.  Enquanto isso, os bandidos continuam em seus palácios rindo, gargalhando, se divertindo jogando cabides em arrumadeiras, ou penabundeando algum assessor.  É o que sobra para se fazer quando se livra das responsabilidades da articulação política terceirizando a mesma, ou se livra também da função da economia jogando aos braços de algum desafeto lavando assim, as patas na pia, tal como Pilatos!

Será que, nesse meio tempo, o tal exército do Stédile  não está aproveitando para afiar seus facões e foices?

será que vamos ter ainda que presenciar isso????

....chegaremos a esse ponto????




terça-feira, 7 de abril de 2015

COXAS E TROUXAS

Coxinhas são aqueles seres que contestam as mentiras, que trabalham e não aceitam serem roubados.  Segundo o colunista Reinaldo Azevedo, são os trabalhadores do Brasil que estão cansados de serem explorados segundo critérios absurdos e desculpas idem.

Já os "trouxinhas", eu acredito, sejam aqueles que ainda seguem piamente a cartilha criminosa e defendem os crimes como se eles próprios os tivessem cometido já que, tudo foi em nome de alguma graça.

Agora: ou você é coxa, ou você é trouxa, não há uma terceira opção!  O Brasil se divide mais uma vez.  Antes, os trouxas eram aqueles que imaginavam que poderiam confiar nas mentiras do PT, eram aqueles que, ainda que de alguma forma, sonhavam que, poderia sim, existir um ser dotado de poderes que fizessem nosso país, sair do negativo para galgar um positivismo ufanista descabelado. O termo "-sem medo de ser feliz, era sempre mencionado e o tempo corria em festas de oba-obas frenéticos.  Agora que viram como foram trouxas, resolveram se levantar tirando as mãos do chão e tomar uma posição mais digna do ser humano para enfim, perceberem o quanto foram enganados.  Resolveram então demonstrar isso protestando ou questionando e...pronto!!!
Transformaram-se imediatamente nos tais coxinhas!   Ao menos, arrependidos ainda possam alcançar a salvação.  Quanto aos trouxas teimosos que ainda mantém sua fé inabalável nas utopias destrambelhadas, caducas, viciadas, daqueles que, a cada dia enriquecem mais às custas da fé "trouxeira", que se pode fazer?   Estão sendo a cada dia mais uma minoria esquisita.  Logo serão os tais 6% dos brasileiros que, ou tem interesses criminosos ou são completamente lesados.  Ou são cúmplices, ou hienas teimosas.  Enfim...temos ainda que aturá-los, pois é isso que pede uma democracia.

Tenho amigos diversos que já estão abandonando as fileiras dos enganados e enganadores sempre com as mais diversas desculpas.  Em todos os casos, é nítida a observação da frustração seguida de revolta contra aqueles a quem tanto defenderam.

Diferente de antes, não consigo mais ver o PT como um partido político, mas sim, como uma enorme e bem formada quadrilha de bandidos e saqueadores que não querem e não vão, deixar tão facilmente de continuar a contaminar as instituições democráticas para tentar impor suas doutrinas estupidas, porém, sempre defendidas com algum verniz social.  Além de agora mais do que nunca se colocarem ainda mais nos papéis de vítimas de um golpe cruel.

Nunca fui antipetista, mas tenho que concordar que o antipetismo esta crescendo dia a dia.  O que confundem e tentam dizer que é ódio.  Mas ódio não é assim.  Ódio é o que essa raça plantou, irrigou, e cultivou até a colheira que agora estão começando a fazer.

....tão reclamando de que?????

domingo, 29 de março de 2015

PAÍS JUSTO, É PAIS SEM IMPUNIDADE

É preciso ser claro...muito claro...claríssimo até ao ponto de se ter que desenhar achando que, dessa forma, alguém possa entender. Mas não;  fingem que não entendem para, em seguida ridicularizar.
Já expressei em diversos lugares na internet que não sou contra a corrupção, mas sim, contra a impunidade.  É ela, a impunidade, que alimenta a cadeia corruptiva.  Não adianta ser contra a corrupção e aceitar a impunidade.  O que estamos vendo hoje no Brasil é exatamente isso. A impunidade sendo aplicada de todas as formas possíveis.  É certo que muitos agentes do crime estão atualmente presos, mas aguardam julgamentos e, consequentemente seus advogados caríssimos brigam para encontrar e colocar seus clientes dentro de possíveis brechas que possam lhes aliviar as cargas punitivas.
Grandes exemplos demonstrados nos figurões da elite petista que está fora da cadeia enquanto os menos afortunados que lhes ajudaram amargam nas celas.  Ainda por cima, posam de injustiçados e guerreiros vitimizados por uma justiça seletiva e tacanha.

Nos próximos dias, talvez semanas, ou mesmo meses, algo terá que ser feito. Mais políticos estarão na mira da justiça.  Até a Presidente da República e o ex-presidente também.  Resta saber se o nosso judiciário está ou não tão infectado que possa terminar nas famosas e tão consumidas pizzas.

Quando a impunidade assume sua existência real, alimenta, por assim dizer, o pensamento de que o crime realmente compensa e aí adianta ser contra a corrupção somente?
Seria o mesmo que tirarem as multas para quem passa em semáforos fechados mas se dizer contra tal ato.  Vai diminuir ou aumentar os choques e atropelamentos nos cruzamentos???

Já passou da hora de: nesse país, adotarem uma postura mais comprometida  com a justiça. Não dá mais para insistirmos em um sistema praticamente falido onde só preto e pobre são  punidos e, até as vezes injustamente, por não ter uma defesa adequada.  Depois então, jogados em verdadeiros depósitos humanos como são as unidades prisionais.  Até o Ministro da Justiça já definiu como "masmorras", no entanto, isso foi antes dos amigos dele irem para a prisão e agora que já estão em casa, não disse mais nada.

Espero que isso acabe entrando nas pautas das manifestações do dia 12 de abril...

...lá estarei ...



sábado, 28 de março de 2015

FALTA GUERRA NO MUNDO

E extremamente difícil dizer, sequer aceitar essa ideia, mas , é cristalina: O mundo precisa de guerras.
A última grande guerra que envolveu e matou boa parte da humanidade, pode ser vista como uma doença, uma praga que dizimou milhões de pessoas. Assim como as grandes pestes que varreram também milhões.  No entanto, sempre conseguimos tirar importantes lições, tanto tecnológicas quanto sociais desses desastres.  Durante uma guerra como a última em que a Europa mergulhou junto com outros países espalhados pelo globo, podia-se notar o sentimento patriótico exercido por cada cidadão.  Com algumas exceções dos países comunistas que enviavam seus soldados desarmados para a front apenas para fazerem voluma, os outros, se enfrentaram com coragem. É certo que ocorreram crimes indescritíveis e a violência se espalhou como uma gigantesca explosão, mas era sim.... infinitamente necessário esse conflito.  Hoje em dia não podemos ter algo parecido sob pena de conseguirmos nos exterminar, então, a segunda grande guerra, foi o a última oportunidade dos seres humanos poderem usar como válvula de escape.

Não temos tantas guerras hoje em dia, mas...estamos em paz???   Não estou me referindo aos países belicosos e sim, por exemplo ao nosso país, o Brasil.  50 ou 60 mil mortos por ano em um período de uns 6 anos daria algo em torno de uns 330 mil mortos.  Quantos soldados perdemos na guerra real? e quantos estamos perdendo na guerra irreal?  Quantos são vítimas de acidentes de trânsito?  uns 30 mil ao ano?  Não dariam enormes bombardeios onde mesmo crianças, mulheres e idosos também não se perdem?

Parece que, durante um conflito, as pessoas começam a avaliar melhor o valor da paz.  Começam verdadeiramente a desejá-la e, por isso, combatem com mais fé, com mais coragem, com mais esperanças.  Quando estão nessa "paz" de agora, perdem a fé, a coragem, enfim, se entregam ao marasmo e a revolta que explode apenas em brigas isoladas por motivos mesquinhos, fúteis, ou simplesmente irresponsáveis.

Até mesmo diversos avanços na nossa tecnologia foram e estão sendo  conseguidos por esforços de guerra.  Setores como a saúde também acabam sendo beneficiados.  As guerras acabam por trazer também experiências terríveis, porém necessárias ao nosso aprendizado.  Irmãos que não brigam e não discutem nunca, um dia se matam por qualquer motivo.

Fazer o que, é o nosso estágio ainda grotesco.  A nossa condição miserável que nos empurra a tudo isso. Não adianta culpar o capitalismo pois esse é outro tipo de guerra em que o dinheiro pode ser usado como arma de pressão.  Quando vemos os jovens se bombando em academias estão fazendo isso para que?  Apenas pra se apresentarem de uma forma considerada saudável?  Ou para causar intimidação?

Torcidas organizadas, grupos que andam pelas ruas, enfim, usam para se mostrarem mais alegres ou apenas estão buscando outros grupos contrários mais imbecis do que os próprios para se massacrarem?

A mídia expõe a violência com tanta ênfase em horários diversos tanto quanto lhe pode porque isso dá audiência.  Todo mundo quer ver pessoas sendo esmagadas, degoladas, estupradas, e outras infinidades de procedimentos de sofrimento para que?   Outros preferem veiculações policiais grotescas mostrando sempre a realidade da pobreza e miséria humana para deleite dos expectadores.

Parece que, sem guerras os países se dividem dentro de si próprios.  Uns querem militares comandando, outros, bandidos, já outros,  tutores...

Até que finalmente se percam as consciências de vez e se mergulhem no caos mental, espiritual, e virem os zumbis recentemente retratados em filmes de ficção.  Não mordem....

...apenas continuam a assimilar...