sábado, 14 de janeiro de 2017

PENALIDADE MÁXIMA ! ... (Final)

continuando...

Como vinha dizendo sobre a tal penalidade de imobilização permanente apenas para bandidos de alta periculosidade e sem nenhuma chance de qualquer tipo de recuperação, já enviei a sugestão para um Deputado Federal e aguardo a resposta.

Alguns podem dizer que isso não iria adiantar, porque o marginal poderia continuar se comunicando e enviando ordens.  Eu não acredito que pudesse fazer isso, até porque perderia muito o respeito dos comparsas já que se encontraria impossibilitado de se movimentar e seguiria  uma rotina entre um leito e uma cadeira de rodas que seria empurrada pelo enfermeiro que sugeri.  Mesmo se houvesse algum plano para libertá-lo, quem iria depois cuidar desse meliante e ainda continuar a escondê-lo das autoridades?  

Mas o fator mais interessante, seria, sem sombra de dúvidas o desestímulo aos futuros candidatos a chefes de facção, homicidas, chefes de tráfico, enfim, todos aqueles que só são humanos na casca e na aparência por assim dizer.   Nenhum deles teme a morte ou o aprisionamento indefinido, mas a partir do momento que souberem que podem passar o resto de suas miseráveis vidas presos dentro do próprio corpo, com certeza irão se preocupar.  Afinal de contas, nem sexo mais terão.

Quantas vítimas desses não ficam nessa situação?  Quantos policiais que, no cumprimento do dever não se tornam paraplégicos de forma tão brutal?

Minha proposta não é brutal, é cirúrgica com todo o aparato médico incluindo anestesia.  Uma pequena incisão num ponto certo da coluna e o rompimento já determina até mesmo o fim da anestesia.

Eu repito, sou totalmente contra a pena de morte, e em parte, contra a prisão perpétua, e o motivo pelos quais já foram descritos anteriormente.  Sou a favor da preservação da vida, e apenas isso.

E repito também, essa punição serviria apenas e tão somente para bandidos irrecuperáveis, e sei muito bem como esses são.  Já trabalhei com egressos do sistema penitenciário, e tenho algum conhecimento do riscado.

Somente para aqueles com penas a cumprir maiores do que muitas existências humanas, que, como é óbvio, jamais serão cumpridas, já que a própria lei que os condena, também os liberta após um prazo máximo de 30 anos.   Quanto desperdício, meu bom Zé!

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

PENALIDADE MÁXIMA (parte 1)

Uma realidade tem nos confrontado há décadas.  O que fazer, ou como tratar aqueles que se colocam à margem da lei.  Como fazer com que determinado tipo de punição possa exercer sua efetiva finalidade?   Possa também respeitar os direitos humanos?  Muitos países acreditam que resolvem esses problemas com a pena de morte.  Mas isso tem funcionado?

Acredito que não.  Basta ver que em países como o Irã em que até a corrupção é penalizada dessa forma e, no entanto, mesmo assim, existe corrupção, já que isso é inerente ao ser humano. Todos nós somos corruptos em maior ou menor grau, mas nem todos se defrontam com circunstâncias que possam realmente promover esse fato.  Um exemplo disse é um pai honestíssimo que seria sim, capaz de se corromper para salvar um filho.  Mas essa já é outra questão.

O que tenho visto nos últimos dias e, nos primeiros desse ano, são as barbaridades cada vez maiores cometidas por marginais que assolam a nossa sociedade, certos de que mesmo sendo punidos, não tomam ciência do mal que causam.  Os monstros em que se tornaram, muitas vezes até alimentados tanto pela sociedade como pelo próprio sistema prisional, impõe que se tomem medidas drásticas para efetivamente termos uma sociedade mais pacífica.

Os cidadãos ditos de bem, já não suportam tanta crueldade infinita, e apelam para que se revoguem cláusulas pétreas constitucionais e se instaure a pena de morte no Brasil..Eu sempre fui e sempre serei contra.  Já a prisão perpétua seria uma melhor saída, no entanto, esses seres já provaram que se habituaram a, como poderia dizer?, viver dentro desse sistema.

De dentro, comandam, executam, enfim, se impõe de forma grotesca em suas atitudes e ordens que sempre transcendem as muralhas que lhes impõe limites tênues à liberdade.

Então, pensando no que se propõe um verdadeiro sistema penal que é a princípio, reter e reeducar um marginal  para que esse possa ter uma chance de retornar ao convívio social de forma eficiente, e também que a punição exercida sirva como exemplo de desestímulo a que outros se entreguem à vida criminosa e por último, ainda respeitar o direito a vida, resolvei então abraçar uma ideia talvez até polêmica, mas que pode sim, ser estudada e melhorada se for o caso.

No Brasil, assim como em todos os lugares do mundo, existem seres que não tem condições de se regenerar.  É um instinto, um dom, assim como qualquer outro, só que não cabe de forma alguma numa convivência social.

Para esses, eu sugiro que, ao invés de interná-los em presídios de segurança máxima custosos, danosos, e que põe em risco na forma como se encontram muitas outras vidas, que se processem sistemas de incapacitações cirúrgicas.

O marginal homicida, de alta periculosidade, que soma em suas penas períodos que ultrapassam até algumas existências, poderiam ficar hospedados em prisões até com menos aparatos de segurança se fossem tornados tetraplégicos.  Bastaria apenas alguns poucos funcionários para lhes manter em cuidados básicos necessários à vida.

Suas partes corporais seriam todas mantidas integrais sendo que, as únicas perdas estariam  nos movimentos e obviamente a liberdade.

A função principal seria o desestímulo.  Um marginal hoje em dia, não teme mais a morte, para ele tanto faz.  Não teme passar o resto da vida num presídio porque já se adaptou ao sistema e sempre tem a esperança de poder escapar.   Essa, então, parece ser a melhor e mais justa saída.

Parece injusto?  e o que dizer dos quase 60 mil mortos todos os anos que temos que aceitar dentro de nossas fronteiras?   Dos males que isso causa nas famílias das vítimas ?  Isso sem contar com aqueles que também se tornam incapacitados por ferimentos graves na coluna cervical.


... continua...




quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

RESPOSTAS ÍNTIMAS

Somos seres viventes dentro de uma dimensão, só que existem infindáveis dimensões. Vamos excetuar aqui o misticismo religioso que vem de diversas interpretações. Somos seres que captam, alguns mais, outros menos, as ondas ou energias dessas outras dimensões. Quando estamos calmos, relaxados, com pensamentos coerentes, estamos em sintonia com energias dessa nossa dimensão. Mas quando nos alteramos, quando nos sentimos dentro dos aspectos colocados como os 7 pecados capitais, então sim, estamos captando energias de outras dimensões e seus seres menos evoluídos. As religiões os chamam de espíritos ou almas diabólicas. Já penso serem os seres extra dimensionais ainda em processo evolutivo.
Raramente temos a oportunidade de captar os seres mais evoluídos, porque eles pouco se interessam por nós, não por uma questão de abandono, mas por saberem que nós iremos evoluir quer queiramos ou não. É só uma questão de tempo que eles sabem não ter significado no eterno. A lenda do demônio só nos serve como causadora de culpa, até porque, é mais fácil perdoar os outros do que perdoar a si mesmo. Jesus veio de dimensões mais evoluídas como forma de nos ajudar a transcender esses aspectos com mais naturalidade e sem tanto sofrimento. Todo esse processo infindável é necessário para que possamos nos conhecer a nós mesmos como indivíduos em ascensão. Eu mesmo tenho ataques de fúria, pensamentos negativos descritos como pecaminosos, enfim... estou tentando evoluir. Jesus também teve esses aspectos aqui na terra quando cedeu a fúria ou ao desânimo mesmo muito evoluído, dentro do invólucro biológico experimentou muito do que nós estamos experimentando. Mas ele tinha a vantagem do conhecimento maior, o que lhe deu muita força. Nós, infelizmente ainda não alcançamos esse conhecimento. Portanto, ainda estamos presos à conceitos, dogmas, e toda a culpa, ressentimento, e revolta que isso trás. Não estudei isso... não sou teólogo.... estou só dizendo o que sinto.

Tudo enfim, acaba sendo ciência. Desde que desmistificaram o fogo como algo sobrenatural, a própria ciência já chega às portas da física quântica e suas chamadas "Partículas Fantasmas". Quantas portas de conhecimentos ainda não serão abertas até que possamos entender que somos deuses em ascensão?

Estamos em processo de aceleração agora. Nossas consciências parecem se expandir a velocidades cada vez maiores rumo a um futuro sempre bifurcado. Uma opção nos leva à grandeza e a maiores entendimentos, já outro a nossa própria destruição biológica. Mas como nada se perde e sim, tudo se transforma, perdemos apenas nossos aspectos biológicos, sendo que, a consciência continua seu caminho independente de quantas existências em carne precisemos cumprir.

Nota-se então, a clara objetividade da vida. Não há caminho errado, não há céu nem inferno. Somente experiências físicas que moldam e aperfeiçoam nossas consciências habilitando-as para novas aventuras e conhecimentos rumo ao eterno e infinito.

Estamos às portas de mais um ano que medimos através dos astros. Um bom momento para que façamos uma introspecção e possamos ter algumas "respostas íntimas".

A maioria de nós as rejeita, ou não as exterioriza. Talvez por medo ou vergonha. Medo por achar que esta de alguma forma cometendo algum tipo de sacrilégio, e vergonha, por não querer parecer maluca.

O meu amigo "Zé" me sussurrou tudo isso no ouvido durante uma longa viagem que fiz debaixo de enorme temporal em estradas sinuosas e escuras no interior de Minas Gerais.

Ali, na solidão da madrugada e em meio às estradas desertas, com um temporal absurdo, seguidos de trechos de intensa neblina, acabei obtendo essas respostas com mais intimidade.

Não precisamos ter medo...não precisamos ter vergonhas, ou orgulhos. Não precisamos nos apegar a conceitos, diretrizes, dogmas, regras como únicas verdades absolutas. Tudo isso é mutável e efêmero se comparado às vastidões infindáveis dos também infindáveis multiversos.

Acredito que o sentido da grandeza de nossa insignificância, está em apenas sentir.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

2016 VAI FECHANDO AS CORTINAS

Estamos finalizando 2016 sem motivos para comemorar.  Pior, sem qualquer esperança de que em 2017 possa melhorar.   Os caminhos que se apresentam, ora nos indicam alguma melhora pra logo em seguida se perderem num emaranhado de bifurcações e até trifurcações complicadas,  ou então sinalizam que até aquele ponto chegamos, mas não há mais como seguir adiante.

Estamos praticamente em guerra.  Basta assistir ao pitoresco embate, ou queda de braço entre os três Poderes da República.  O Legislativo em conflito com o Judiciário que ameaça o Executivo, esse , por sua vez, se esquiva e utiliza o Legislativo contra o Judiciário. Uma guerra insana em que vez por outra a própria Constituição é estuprada sem piedade.  Todos defendendo apenas os próprios interesses, sem atentar para a realidade brasileira que, para eles, parece ser a de outro país, não aquele em que efetivamente se encontram.

O clamor das ruas cessa de um lado, ameaça de outro, interfere em mais outro, cada qual tentando assumir ou escolher uma causa que lhe pareça justa ou não, a depender de que tribo resolvam pertencer.  Sim... O Brasil está dividido. Está fracionado e perturbado.  Os militares já deixaram bem claro que não vão interferir, mas eu me pergunto: "será que continuarão assim, se por acaso mexerem com suas poupudas aposentadorias nas reformas que virão? ".

Juízes, desembargadores, e toda a casta jurídica briga com o Senado defendendo os seus interesses em NÃO cumprir o que determina a Constituição no que se refere ao teto salarial da classe.  Querem manter os privilégios inconstitucionais a qualquer custo.  Assim como as mudanças que não aceitam, também apelam ao fim do combate a corrupção ou da Operação Lava a Jato como único argumento, tentando, dessa forma, angariar alianças de tribos cada vez mais numerosas de revoltados com os políticos.

Já as tribos de esquerda, comemoram o fato de tudo o que foi destruído por eles, nessa confusão, argumentarem que é o resultado do tal golpe que sofreram e não o fruto de seus crimes, incompetências e ingerências.   Por outro lado, a dita, direita, não responde à altura, pois prefere o silêncio, ou a irrisória comunicabilidade dando margens a que fiquem como verdades incontestáveis os argumentos esquerdistas.

O centro dividido entre apoiar ou desfazer alianças sempre ameaçadas pelas inúmeras delações que bombardeiam constantemente parlamentares ilustres, líderes de partidos e até os próprios líderes dos poderes constituídos, se mostram incapazes de uma reação mais enérgica.

O mercado apenas aguarda.  As indústrias com seus parques vazios sem funcionários com produção reduzida ou, em muitos casos, completamente paradas, demonstram o sofrimento de micros, pequenos e médios empresários sem forças para tentar ao menos investir já que o quadro se mostra totalmente contrário e desfavorável a quaisquer investimentos.  Não os culpo... alguém seria louco de investir agora no país com tamanha insegurança jurídica e política retroalimentando uma crise sem precedentes?

Vejo as guerras no oriente entre  facções... os governistas contra os rebeldes e os terroristas do EI,  os rebeldes contra o EI e os governistas, e o EI contra os governistas e os rebeldes, também contando com a ajuda militar dos russos que apoiam os governistas mas também dos americanos que apoiam os rebeldes,  A visão das  cidades sírias demonstram em última estância, o visual concreto de como estamos também na parte administrativa do nosso país.

Quem abriria uma lojinha hoje em Alepo por exemplo?

Já ultrapassamos os 13 milhões de desempregados,  muitos adotaram o sub emprego,  uma massa gigantesca sobrevivendo de bicos.

Essa é a visão que nos apresentam.  Embora tenhamos ficado em sexto lugar entre os povos mais ignorantes na visão da realidade e da política,  basta observar que ganhamos  dos americanos que se mostraram ainda piores, embora ainda existam mecanismos lá, mais fortes para conter esses tristes espetáculos.

Não há como evitar...teremos que entrar sim em 2017.   No começo do ano quando todas as ilustríssimas excelências estiverem em pleno gozo de férias e as famílias se desdobrando para arcar com os pornográficos impostos que sempre aparecem para alimentar ainda mais as desesperanças de que possam realmente serem usados com sabedoria e competência.




sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

PLANO DE VOO

Foi só mais um acidente dentro dos inúmeros já ocorridos.  Só que a imprensa movida à sangue insiste em dramatizar ao máximo e explorar ilimitadamente o fato.  Tudo bem, até certo ponto é louvável porque nos informa da precariedade regional de algumas companhias pequenas, embora até as grandes também devam esconder alguns podres que, como sempre, acabam por serem descobertos da pior maneira e com os maiores custos.

Pane seca.  Essa é a provável e, por enquanto, a única explicação.  Tudo leva a crer que o piloto deliberadamente jogou roleta russa com todos à bordo, inclusive ele próprio.

O importante era cortar custos.   Até agora o que se apurou, foi de que o pessoal da companhia insistiu num plano de voo quase suicida !   Não havia margem de segurança, não havia espaço para margem de manobras, tudo foi feito "nas coxas"  como se costuma dizer.

Mas como todo acidente aéreo tem uma sequência de erros cometidos, esse também não foi diferente.
Por estarem acostumados a fazer exatamente isso durante algum tempo e nunca ter ocorrido qualquer problema, continuavam insistindo.  Pra que gastar mais, não é mesmo?

Depois as autoridades, sabe-se lá por qual motivo, permitiram sequenciar o ato mesmo com um plano de voo absurdo.

Todos nós já confiamos em cálculos e acabamos por ter que reconhecer o erro.  Eu mesmo já fiquei muitas vezes sem combustível.  Outros não, mas já devem ter ficado sem saldo, ou sem dinheiro para alguma eventualidade, enfim, é da natureza humana essas, digamos, distrações propositais, ou erros de cálculos.  Só que, ficar sem combustível num carro, não vira uma tragédia, já em pleno voo.

Agora dá pra entender os minutos de sufoco por que passou o piloto antes de morrer e levar com ele mais 70 pessoas.  Ele não podia pedir emergência porque isso seria notificado e todos saberiam que tinha combustível restrito o que geraria, com toda certeza, uma multa milionária e desmontaria a empresa.  Ele então tentou enrolar.  Não imaginava que poderia haver esse congestionamento na hora do pouco com mais aeronaves disputando a vaga.  Para ele, seria como das outras vezes, simplesmente pousar, abastecer o mínimo suficiente e continuar a vida.   Só que não!

Desta vez...não!

Naqueles instantes suando frio e tentando manter a calma e a lucides olhando os instrumentos piscando amarelo enquanto não podia confessar a real situação para a torre, deve ter dado uma ligeira visão do inferno que já começava a lhe abrir as portas.
Pelo visto, pensou mais nas consequências econômicas do que nas vidas de todos que transportava...ao menos por alguns minutos preciosos.  Quando resolveu ouvir o anjo, já não havia mais tempo...

Os motores engasgam, os instrumentos se apagam, as luzes cessam, e a luz vermelha do marcador de combustível  é a única acesa enquanto a frente da aeronave embica no vazio escuro...

Sua última palavra...

...Jesus...!

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

CAMPO MINADO

Já dizia o ditado..."em casa que falta pão, todos brigam e ninguém tem razão"...!    Continuamos caminhando para a escassez desse pão, simbolizado pelo entendimento, já que parece que todos se unem contra todos.  O Brasil parece ter se tornado um agrupamento de tribos diversas que se digladiam entre si.

O PT deixou um terreno podre e estéril durante sua passagem, dividiu o país no tal "nós contra eles", transformou em demônios e inimigos quem não compactuava com suas idéias, mas também deixou um solo fértil  para se desenvolverem as sementes dos desacordos e conflitos.

Vejo agora que o MPF está em conflito declarado com o Congresso por conta da aprovação da lei que inclui os juristas como potencialmente imputáveis.  Ainda há um longo caminho que segue pelo Senado e depois para a Presidência, chegando finalmente ao STF.

É o caminho democrático, no entanto, dizem que, se for aprovada essa lei, irão abandonar seus postos.
A operação Lava Jato corre o risco de simplesmente ser abandonada?   Parece birra daqueles moleques chorões e mimados.   Talvez o povo esteja mimando demais a tal Lava Jato.  Essa operação é necessária sim, sou completamente a favor dela e um entusiasta, só que, existem mesmo limites que começam a ser desrespeitados.   Existem exageros sendo cometidos e uma lei para conter esses exageros é perfeitamente aceitável.  Os integrantes que alimentam a máquina dessa operação, parece que se sentem com poderes absolutos devido ao apoio quase maciço da população.

Sim...queremos ver os corruptos e corruptores todos pagando por seus crimes independente de siglas partidárias.  Mas não ao preço de se verem desrespeitadas as leis.

Enquanto essas brigas pelo poder em todas as esferas continuam, enquanto apenas os interesses particulares, sejam eles de autopreservação ou busca por mais poder continuarem nos bastidores, enquanto pequenos grupos ou grandes massas servirem unicamente como argumento de manobra, nossa economia vai definhando, nossa produtividade vai caindo, e a criminalidade só aumentando.

Temos que aprender a conter os ânimos e procurar saber a que interesses, e a quem estamos servindo quando protestamos. ou reivindicamos melhorias.

Do contrário, só teremos pioras em todos os quadros, o recrudescimento dos conflitos e consequentemente um país dissolvido.






segunda-feira, 28 de novembro de 2016

É Brasil ou Pobril ?

E o velho lobo-do-mar, de posse do timão, não sabe o que fazer com ele.  Estamos mesmo caminhando para um colapso generalizado.  A maior prova desse fato, foi em pleno domingo na hora do almoço, assistir os três presidentes;  do Senado, da  Câmara dos Deputados e da Presidência da República, tentando se explicarem.   Todas as vezes em que alguma explicação se fez necessária, ela não foi feita.  Esperaram sempre o caldo engrossar para, só assim, correrem à tentar apagar os incêndios.  

Esse governo, me parece ser  o  único com poderes reais de tentar mudar as coisas e fazer as reformas necessárias na economia, na previdência, na política, mas fica pra lá e pra cá ao sabor das infindáveis vaciladas e perdendo um preciosíssimo tempo.

Deixam as pequenas bobagens se transformarem em verdadeiras tsunamis.  Houvessem tomado atitudes rápidas, não teriam que correr a apagar o fogaréu....e pior... com gasolina!!!!

A economia continua se deteriorando, a confiança se esvai a cada dia.  Protestos começam a pipocar e inclusive com algumas uniões até anteriormente impensáveis.   Triste ver o que o socialismo faz...como pode destruir completamente a mais sólida economia de um país.  Nosso irmãos venezuelanos estão a beira do desespero nutricional.   Fogem para conseguir comida.  Começam a seguir o exemplo daqueles que fogem das guerras no oriente, embarcando em frágeis canoas tentando alcançar países onde há comida.

Governos socialistas gostam tanto de pobres que insistem em transformar as populações onde governam em miseráveis.  Em dependentes de suas políticas populistas e enganosas.

Após tantos anos de vacas gordas, onde perdemos um tempo precioso frente ao mundo que enfrentava uma crise sem precedentes, cá estamos vendo que praticamente todos venceram, ou estão vencendo suas crises, enquanto que nós, orgulhosamente continuamos mergulhando cada vez mais na nossa.

A Venezuela não sofreu embargos  "dozamericanus", e mesmo flutuando sobre um oceano de petróleo, conseguiu a proeza de se colocar nessa posição.

Nós ainda temos um parque industrial forte, mas até quando?   Industrias precisam de operários, precisam de pessoas para transportar a produção, o comércio precisa de vendedores, precisam de administradores, enfim... a roda precisa voltar a girar antes  que enferruje de vez.

As reformas extremamente necessárias precisam ser feitas imediatamente porque são o lubrificante dessa imensa máquina prestes a emperrar pela ferrugem.

Que venham logo as reformas políticas, reformas na previdência, na administração como um todo, antes que tenhamos que derrubar tudo e começar de novo.