terça-feira, 7 de julho de 2015

MEIAS VERDADES...MEIAS MENTIRAS E, NADA POR INTEIRO!

Sempre foi dito e sabido que, nas guerras, a primeira vítima é sempre a verdade. Eu concordo. Estamos presenciando no Brasil, uma verdadeira guerra na internet alimentada pelas diversas mídias, tanto as governistas quanto as oposicionistas, motivo pelo qual o governo odeia tanto essa exposição.

A internet, afinal de contas, veio para colocar todos eles completamente nus diante do cidadão. Não há como escapar desse novo período, seja nas redes sociais, seja nos noticiários, enfim, o cidadão comum passa a ser bombardeado diuturnamente, com mentiras, verdade, e meias verdades a depender do resultado que se espera desse bombardeio.

Antigamente, o sujeito comprava o jornal, lia e, no máximo xingava e comentava com os amigos. Alguns passavam só pelas páginas policiais, outros pelos horóscopos e outras trivialidades comezinhas.

Hoje em dia ficou tudo junto e misturado. Se alguém frequenta páginas policiais, vai encontrar políticos, humor? políticos, e até nas costumeiras trivialidades eles estão lá.  Quase não existe uma forma de escapar.  Para alguns isso é normal, sempre foi assim e sempre será.  O que importa mesmo é ir lá e votar seja em qualquer um ou um qualquer, não faz diferença, desde que se pratique o ato de cidadania.  Mas é isso???  Isso é ser cidadão?  Apenas cumprir com o dever que na verdade é apenas um direito e não uma obrigação?

Depois fica-se com fora isso fora aquilo e a batalha recomeça.

Não se pode acreditar em tudo o que as mídias produzem, mas também, não se pode acreditar em "nada" que governantes também produzem.  Tudo, no Brasil, se resume a apenas interesses próprios ou partidários.  Nenhum realmente tem interesse na seriedade nacional, estadual ou municipal.  Só querem mesmo se dar bem, ou preparar o terreno para mais à frente!  Se houverem exceções, mesmo essas ficam contaminadas pela pura e simples aceitação e até uma comunhão de cumplicidade.

Sempre foi dito que o voto é uma arma.  Que podemos usar essa arma para mudar tudo isso. E estamos mudando em que?  Pelo visto, os que ainda insistem em usar essa arma, apenas o fazem para cometer suicídio.  Além do que, o sistema eleitoral não é confiável.

Tenho visto inúmeras autoridades contestarem a segurança eletrônica de nosso sistema eleitoral, muito definem por A + B os motivos que atestam, mas existem os contrários que defendem, porém, não se atrevem a elaborar e comprovar qualquer equação, apenas defendem e só!

Meu último voto foi no tal  "caçador de marajás" e desde então, me recuso a fazer papel de soldado suicida. Faço questão de comparecer às urnas e anular meu voto.  Não vou ficar nessa de escolher o menos pior e depois, sair por aí berrando fora esse ou fora aquele.  Exijo sim, por pagar altíssimos impostos, como todo mundo, que respeitem ao menos a lei.

Se e quando, o voto no Brasil for instituído como facultativo, ou seja, o que vigora em toda real democracia e o mesmo for também substituído pelas mais confiáveis cédulas de papel, dai sim. Eu volto a exercer plenamente o meu direito constituído.

Essa continuará sendo a minha arma... o não uso da arma descarregada que me confiaram. Porque, afinal de contas, parafraseando uma propaganda antiga dos anos 70 sobre a violência no trânsito, eu só tenho a dizer que;  "não faça do seu voto uma arma....
...a vítima poderá ser você...!

segunda-feira, 6 de julho de 2015

UM POR TODOS E TODOS POR UM

Qualquer um pode começar a fazer algumas contas simples. Se somarmos o que perdemos em corrupção, com aquilo que perdemos em incompetência e adicionarmos tudo aos erros de cálculos, teremos então uma soma que deve superar ao PIB de quase toda a América Latina.

Na corrupção, que apenas premia alguns poucos safados, podemos contar algo em torno de uns 12 bilhões por ano, na incompetência, por volta de uns 20 e nas correções para acertar aquilo que não foi feito corretamente, algo em torno de uns 30.  Raspando a régua e tirando algum possível excesso, temos por volta de uns 50 bilhões jogados fora todos os anos.  Acho que deve ser algo próximo a isso.

Não vou entrar no mérito básico de mais escolas, mais hospitais, enfim, toda aquela merda comparativa do que deixamos de fazer, porque isso seria o básico. Vou entrar no mérito de País mesmo!!!

Com essa verba, daria para se construir um parque energético em pleno sertão nordestino. Enquanto a "valeta" também conhecida por transposição de um rio fica só na esperança de um dia chegar ...e chegar em condições de funcionar, eu proporia algo mais inovador e, com certeza muito mais útil ao Brasil como um todo e beneficiando também o povo regional.

Painéis solares...milhares de metros em uma floresta de captação de energia solar em meio à caatinga.  Como os painéis são também áreas onde se podem captar as chuvas, proporia essa captação unindo à calhas onde terminassem em imensas cisternas para,  quem sabe,  ajudar as famílias em momentos mais difíceis.

Agregando também algumas imensas plantações de oleoginosas como a mamona que é até praga,  pra solos fracos ou degradados, mas que poderiam também auxiliar em algumas termelétricas com produção identicamente limpa através da queima de biodiesel.

Isso sem contar os locais onde pode-se também incluir a energia eólica.

Imaginem a capacidade de produção dessa região para o país.  Obviamente isso se reverteria em benefício do povo sofrido que lá habita, gerando empregos, infraestrutura, e toda uma gama de benefícios diretos e indiretos.

Com mais energia, nosso parque industrial voltaria a investir e a crescer.  As industrias produzindo e crescendo, alimentariam o comércio, que , por sua vez, teria mais clientes. Tudo isso geraria mais trabalho qualificado, mais educação de qualidade, enfim... pra que complicar o que, na verdade,  é tão simples!!!!!

Será que com 50 bilhões ao ano não dá pra se fazer ao menos parte disso?  Se uma refinaria orçada em 2 bilhões já chega agora aos 20 bilhões e não fica pronta nunca,  por que não investir em algo que realmente valha a pena?

Será que teremos sempre que ser aquele país que cria dificuldades pra vender facilidades?
Enquanto não decidimos, nossos melhores irmãos, assim que podem, vão abandonando esse país tentando encontrar lá fora o respeito e a dignidade que não encontram aqui!
Enquanto ficamos nos iludindo com promessas de governantes corruptos, incompetentes e desastrados, vamos somente passando nossa breve existência a encher-lhes os egos e os bolsos até termos que ainda derramar nosso próprio sangue pelo deles...!

A vida brota em todos os cantos do Brasil. Não existem áreas estéreis, não temos desertos, temos apenas áreas e solos adormecidos, porém, altamente fecundos.

Acabar com a fome é louvável sim, mas não apenas criando sistemas de esmolas sociais.  Acabar com as diferenças sociais não é somente criar planos infalíveis de bolsas isso, bolsas aquilo, e outras presepadas eleitoreiras. Incentivar o consumo para forçar a industria a produzir tão somente só serviu para colocar a economia do país na lona.  São incentivos de curto prazo.  A festa onde se bebe e come tudo nas primeiras horas e pronto....acabou a festa.

Que tal começarmos a adotar o lema dos três mosqueteiros a nível realmente social e deixarmos de lado o "todos por mim"????




quarta-feira, 1 de julho de 2015

O QUE QUEREMOS, O QUE PRECISAMOS E O QUE TEMOS

Certa vez, um amigo meu me disse que "uma sociedade não pode punir um criminoso que ela mesmo criou" ...Na época, achei a frase bem interessante e concordei com ele.  Mas éramos jovens e como todo jovem, sempre muito críticos às injustiças sociais.  Todos nós somos, de certa forma, contra as diferenças sociais.  Mas depois, vamos aceitando que,  ela sempre existirá porque é impossível de acabar com ela.  Cada indivíduo tem suas peculiaridades, suas prerrogativas, suas necessidades, enfim, ninguém é igual.  Dessa forma, cada um conquista por si próprio o que almeja ou não a depender de diversos fatores externos mais do que internos.

Quando um indivíduo nasce com características favoráveis e os fatores externos contribuem para que ele desenvolva esse aspecto, com certeza, ele irá se moldar à essa circunstância.  Uma pessoa que, quando pequena, presencia a morte dos pais ou sofre abusos, ou então, é vítima de violência extrema, tendo já algum desvio no que seria considerado o padrão normal de qualquer ser humano, irá sim, continuar o ciclo da qual foi vítima.  É a história triste de praticamente quase todos os criminosos violentos.  Mas isso não pode servir como desculpa para que esse criminoso seja perdoado pelos seus atos.  Fosse mesmo desse jeito, então, o círculo vicioso jamais se fecharia.  Ao contrário, se transformaria numa espiral crescente e a consequência disso, seria uma sociedade extremamente selvagem onde vigoraria a lei do mais forte.

Esse é o nosso problema atual.  A inimputabilidade dos menores criminosos, só gera mais um incentivo para que essa espiral se torne insuportável.

Dilma disse que .."nos países onde a aplicação de punições à menores de 18 anos não deu certo", esqueceu de dizer quais ou qual país isso não deu certo.  Quando disse que somente 1% dos crimes são cometidos por menores, errou por uma margem de quase  40%,.  Já o Ministro da Justiça mentiu ao dizer que não pode ser mudada uma lei por ser cláusula pétrea,  e contestou os números da própria presidente afirmando que, se aprovada, colocaria cerca de 40 mil jovens ao ano nos presídios.

Os defensores da espiral da violência continuam perdidos nos argumentos.  Ou se enganam, ou mentem, ou fogem do debate.

Se dizem que precisamos de mais escolas, então eu pergunto.  Por que não fizeram mais escolas?
Se dizem que nossos presídios são desumanos, eu pergunto, por que  ainda não os tornaram mais humanos?   Como posso ver, não é uma questão de interesse real, mas sim, de ideologia besta.

Os brasileiros estão já pedindo a pena de morte, a volta dos militares, enfim, estão demonstrando com palavras e desejos extremos,  o grito de desespero de uma sociedade já cansada dessa inércia.


Existem sim, verdadeiros monstros espalhados por aí.  Esses monstros, procriam ao ponto de facilitarem a evolução de mais e mais monstros que, por sua vez,  continuam o ciclo interminável.

Se quase 90% da população é, não só favorável, mas também expressa o desejo de reduzirem a maioridade penal, e se vivemos mesmo numa democracia, não sei porque tanta demora em aplicá-la.

Para crimes hediondos, devem sim, serem punidos os que estiverem acima dos 16 anos.  Não é uma questão de sair por aí punindo todos os jovens que se encontram como fazem parecer os contrários, mas apenas os que cometem os crimes bárbaros que vemos todos os dias, ou pior...aqueles que presenciamos ou pior ainda...aqueles que somos as vítimas diretas!

Você faz parte da sociedade até decidir sair dela e partir para a tal marginalidade.  Então, dessa forma, não foi a sociedade que lhe criou, mas sim, você próprio que decidiu deixá-la.  Uma pessoa acima de 16 anos já tem ciência do que é certo ou errado sim... afinal de contas,  pode dirigir, pode votar, enfim, não há mais desculpas para essa ideologia porca, estúpida e retrógrada.

Segundo o Ministro, seriam mais 40 mil jovens presos todos os anos.  Não seriam não senhor Ministro.  Pois, de cara, esse número iria diminuir drasticamente visto não terem mais como escapar da punição.  Esses 40 mil que o senhor se refere, são aqueles que, mesmo cometendo atrocidades inenarráveis, são hoje postos em liberdade para continuar alimentando o mercado dos horrores a que estamos expostos todos os dias.

sábado, 27 de junho de 2015

INSTANTE DE SÁBADO À NOITE

Sábado à noite... minhas duas filhas nas baladas da vida, mas não me encontro em espírito da sair. Prefiro assistir uns filmes, acompanhar blogs, sites, notícias, ah!...só decepções!  Talvez o calor da humanidade tenha esfriado bastante nesses últimos tempos.  Paro um pouco, me desligo do computador e vou para o quintal acima alinhado com parte dos telhados onde, na companhia do meu fiel boxer, o bingo, ficamos olhando as estrelas e ouvindo os murmúrios distantes. A briza fria faz com que ele se deite ao meu lado com aquele olhar pidão que todo cachorro faz quando quer um carinho.

Ficamos ali encostados apreciando o mundo girar à nossa volta.  Me imagino disparando nas distancias infinitas, perfurando o manto negro e me separando imensamente de tudo isso.

Passeio por gigantescas esferas de todas as cores, por nuvens que não sinto, por um silêncio e uma solidão únicas.  Me lembro de imediato sobre um vídeo que assisti e, deixando meu companheiro para que busque voltar a casinha dele, retorno ao computador para tentar encontrá-lo novamente.

Quase um ano... não tinha nem gravado como favorito, mas encontrei.  Encontrei até o comentário que fiz à época quando também me senti da mesma forma!

Lara Fabian, uma verdadeira Diva...ela, e eu desconheço o motivo, se emociona muito na apresentação dessa canção.  Aliás, ela quase nem se apresenta.  O público é que canta.  O público é que  mostra o verdadeiro calor que emana da humanidade.  Um calor que emociona sim...  que nos tira da frieza solitária,  e nos trás de volta ao calor que emana dos corações mais sensíveis.

Valeu a pena sim, e muito...rever esse vídeo...

Na época eu comentei o seguinte;



....de vez em quando no meio da imensidão do cosmos, no bailar infinito dos astros e estrelas...momentos como esse acontecem. Perdido em meio à infinidades monumentais, alguns seres humanos entram nessa sintonia de emoção pura da qual nem eles próprios tem ciência do poder que lhes emana. Simplesmente sai...simplesmente transcende os invólucros da carne e se expandem infinitamente com poder de preenchimento de todos os espaços existentes. Somos imortais nesses pequenos momentos. Somos deuses. .. simplesmente ... ...somos!!!!




sexta-feira, 26 de junho de 2015

CONSCIÊNCIA DO MEDO RESPEITOSO

Qual a necessidade de se ter o voto obrigatório em uma dita, democracia?  Simples.  É o sentimento de medo respeitoso do povo que deve escolher aqueles que lhe representam ou lutam por seus interesses. No entanto, devido ao que todos nós presenciamos todo santo dia, dá pra se perceber que, na verdade, só lutam mesmo pelos interesses deles próprios ou, no máximo, os de suas respectivas legendas.

O Brasil tem milhões de eleitores, e é costume generalizar tudo nesse país.  A grande maioria da população é pobre e humilde. Não tem acesso à informação, é basicamente religiosa e não tem grandes pretensões além de chegar ao fim da vida aposentado e com garantias feitas pelo Estado de que passou tranquilamente pela sua tutelagem.

Isso é excelente para aqueles que almejam cargos públicos de sucesso.  Uma população bovinamente adequada aos seus propósitos de sucesso pessoal.  Imaginam que, se o voto fosse facultativo como é em inúmeras democracias pelo mundo, a grande maioria, a maioria que interessa pelo volume de votos e desinteresse direto pelas questões mais importantes do país, simplesmente deixariam de exercer esse direito!  Concordo!  Mas acho mais justo dessa forma, ou pelo menos mais democrático.

Eu sei que, aqueles que não vão ao pleito, basta pagarem uma pequena multa irrisória e pronto. É bem simples, no entanto, para um cidadão humilde, isso passa uma falsa ideia de "coisa errada" sendo que esses mesmos cidadãos, podem até não ter uma vida tão retilínea, mas preferem se apoiar na lei do menor esforço.  Como as instituições no Brasil, facilitaram, e muito, o ato de se deslocar e ir à votação, aliás, uma das únicas coisas que funcionam quase perfeitamente nesse país, por razões óbvias, esses mesmos cidadãos cumprem assim o seu papel de comparecer ao pleito.

Mas Robson...ninguém é obrigado a escolher em quem votar...!  Concordo!  Mas já repararam que o sistema eleitoral brasileiro foi justamente "enfeitado" para adquirir uma "aura" de respeito?  O cidadão infeliz que se desloca e chega à urna, está sob um certo impacto emocional de ter que apertar botões num aparelho que, para ele, representa uma novidade extraterrestre.

Essa emoção faz com que, para evitar quaisquer dissabores ou até mesmo ficar travado na "respeitosa máquina" e chamar a atenção ele busque evitar expressar o que sente realmente e assim, segue o que acha que a maioria se dispõe a fazer.

Isso pode ser também observado nos caixas eletrônicos dos bancos. Sempre tem alguém humilde que se atrapalha e se desespera diante daqueles botões. Leva-se um certo tempo para que os mais humildes se identifiquem, se acostumem e se adaptem à novos sistemas.  Na verdade, tudo o que eles querem, é sair dessa situação o mais rápido possível.

Dessa forma é que escolhem ou melhor, aceitam os candidatos que lhes foram empurrados garganta abaixo.  Não tem como protestar. Não sabem...não podem.  São humildes afinal.  Na verdade, não escolheram alguém, mas sim, chutaram o nome que lhes aparecia mais na cabeça devido às insistentes propagandas e os criminosos resultados de pesquisas de intenção.  Muita gente detesta escolher alguém que vá perder.  Prefere dizer depois, cheio de um orgulho besta que;  "o seu candidato ganhou" !  Cansei de ver isso!

Além de tudo isso, qualquer profissional da área de computação sabe da verdade que ""nenhum sistema eletrônico é seguro""  e todos sabem também que, um sistema de apuração "secreta"  também não é confiável, além de não ter como fazer qualquer recontagem criteriosa .  Mas...mesmo que provem isso agora, e daí?  Vamos ter que recusar todas as votações feitas até agora?  E as urnas que exportamos?

Tudo isso é facilmente observável se notarmos que países mais desenvolvidos tecnologicamente, não aceitam esse sistema.  Simplesmente porque não é confiável e pronto.

Nosso país onde praticamente nada funciona direito, tudo é demorado, complicado, cheio de enrôscos e tramitações quase eternizantes, no entanto, para que os que detém o poder sejam escolhidos e eternizados,   o  sistema é o mais ligeiro do planeta.  Vota-se hoje e até a madrugada já se sabe quem vai governar.

Voto bom é o voto consciente?  Então deixem o povo escolher exercer ou não um direito sem medo. Voltem com as cédulas de papel.  Respeitem o sentido pleno da palavra democracia!



terça-feira, 23 de junho de 2015

LÁ VEM O BRASIL... DESCENDO A LADEIRA

Já me disseram que, aqueles que não gostam de política, são governados por aqueles que gostam. O problema é que, o brasileiro não tem nem muita paciência, nem tampouco gosto pela política.  Prefere mesmo pensar somente no próprio umbigo ou, no máximo, daqueles que lhe são mais próximos. Esquecem o conceito de nação, onde só se lembram quando aparecem competições esportivas, ou alguma tragédia localizada. Daí sim, se lembram de serem patriotas.

Na hora de exercer a cidadania, vão lá e votam em qualquer coisa. Apesar de que, qualquer coisa dentro desse sistema atual é qualquer coisa mesmo. Não cobram, não exigem nada daquilo que lhes foi prometido ou proposto.  As críticas são quase sempre superficiais. Tudo tem sido extremamente superficial nesse país.

Acontece que, o nosso dia-a-dia, depende, e muito, das decisões e atos daqueles a quem confiamos o voto para nos administrar nas três esferas; municipal, estadual e federal.  Pagamos extremamente caro por essa administração. No entanto, praticamente ninguém tem conhecimento pleno de como funcionam nossas instituições e os diversos mecanismos governamentais.  Confundem as responsabilidades do executivo, legislativo e judiciário.  O mais incrível de tudo isso é que, os próprios governantes também são assim!  O judiciário, constantemente quer legislar, o legislativo quer judicializar e o executivo legislar e judicializar, transformando tudo numa enorme rola envolta em uma grossa lixa para enfiar nos excelsos rabos daqueles que lhes confiaram tamanho poder, sem qualquer restrição ou cobrança.

O voto obrigatório é a maior prova do que estou escrevendo.  A resposta é de que o nosso povo não é maduro ainda para exercer a democracia.  Concordo plenamente.  Mas discordo da obrigatoriedade com base nessa desculpa.

Sou a favor do voto facultativo, e também de eleições para o judiciário.  Temos que eleger os juízes dos tribunais, porque não faz sentido eles serem indicados pelos políticos que podem vir a terem que julgar. Isso é direito do povo escolher.

Estamos chegando a um ponto crítico no Brasil.  Um barril de pólvora com o estopim curto em que estão brincando com tochas acesas como malabares.

O cenário a nível federal que estou vendo é o seguinte;

Se Dilma ficar, será atacada por Lula que está buscando uma maneira de se desvincular dela para poder voltar a vestir a máscara de salvador e de que foi...digamos traído!  Só que, também leva em conta que a situação atual, não é de interesse dele em assumir, já que não teria condições de governar da forma como está e acabaria perdendo de vez a "aura mítica" com a qual gosta de se apresentar.

Já os opositores querem a saída de Dilma, mas não apresentam qualquer proposta alternativa, ou seja, só querem tirar por tirar ....mas ...e depois?

Se Dilma sair por impedimento, assume Michel Temer, que é o vice e eu então pergunto...; O que pode ele mudar?   Nem ele quer isso.

Dilma se segura como pode, mas sabe que se largar o cipó salvador apresentado e articulado pelo seu Ministro da Fazenda, o mundo dará uma resposta fatal à economia e ao governo brasileiro.

...que situação!!!

Se ela renuncia, podem ter outras eleições, mas e daí?  Quem realmente pode mudar alguma coisa que está aí?  Lula se arriscaria a voltar mesmo?  Fácil foi governar depois do país estar mais ou menos controlado por ações que ele sempre combateu mas que lhe deram suporte extraordinário para fazer muitas besteiras sem problema algum.  O cenário internacional era também favorável, juntando o carisma à essa sopa de ilusões, então tivemos algum crescimento.  Nada comparável a qualquer outro país sério que houvesse pego uma situação tão favorável ou semelhante a ela.

Se Aécio assume, não vai poder mudar muita coisa, já que Dilma tem governado exatamente da forma como criticou que ele faria, tentando assustar o povo e enganando todo mundo.

O Brasil só tem jeito, se começarmos a cobrar medidas drásticas, como redução de ministérios, enxugamento da máquina, ou das máquinas, extinção em massa de cargos de confiança...olhem o que adiantou colocarem tanta gente de confiança nesses cargos.
Começarmos a privatizar tudo...governos são para administrar impostos e é só.  No máximo, cuidar da saúde, segurança e educação públicas com as verbas recolhidas.

Um estado fraco com um povo forte e não o contrário como eles querem.  Um estado forte, tem um povo fraco, submisso, dependente, e sempre sofrido e menosprezado.

É essa a minha opinião.  Como não encontro seriedade alguma naqueles que representam os que lhes confiaram tal seriedade, posso fazer o que?  Não votei em ninguém. Fui um dos milhões que não votaram em Dilma que, somados aos milhões que votaram em Aécio não lhe deram a maioria dos votos.  No entanto, ela foi eleita e está lá...fazendo o que eu não sei, já que só representa a figura presidencial e passa o tempo.

Enquanto isso o Brasil desce a ladeira....!





segunda-feira, 22 de junho de 2015

O BARBABRAHMA

Acredito que só existem dois únicos exemplos de como estão as coisas hoje no PT.  O primeiro representa o início da era  PT...


E agora, depois da festa que durou 13 longos anos...