QUANDO A MATÉRIA ADQUIRE CONSCIÊNCIA E ... SE PERDE!!!!

As vezes me encontro filosofando sobre o que somos na verdade.  Sobre o porque de uma matéria, o corpo,  adquirir a tal consciência , que não é material.  Mas de onde ela vem afinal?  Somos aquilo que adquirimos desde a infância em nossos aprendizados, em nossas experiências?  Ou já chegamos aqui com conhecimentos pré-adquiridos, sendo necessário apenas recordá-los com o passar do tempo.

Como pode algo evoluir de um ser unicelular para a complexidade biológica que permite adquirir toda essa consciência, e o poder de buscar até um pseudo autoconhecimento sem que nunca se possa realmente encontrá-lo?   Acho que todos os segredos residem nas dúvidas mais do que nas certezas. Elas, as dúvidas, nos levam sempre às buscas, enquanto que as certezas nos tragam para algo inerte.

Cada ser tem uma visão diferente sobre os infinitos aspectos que nos rodeiam, sobre as circunstâncias, valores, sonhos e desejos.   Pensamos diferente, agimos diferente, embora sempre admitindo que temos que seguir juntos praticando alguma tolerância para que aja a sobrevivência dos grupos.  Não há como se condenar os carnívoros e abençoar os herbívoros.  Se as ideologias que os condenam e professam que deveriam eles, os carnívoros, terem compaixão e mudarem seus hábitos para que os herbívoros pudessem ter a paz,  então,  esses iriam desequilibrar todo o organismo universal.

Tudo parece ter um controle absoluto que foge as atuais compreensões assim como citou o grande romancista Shakespeare sobre o céu e a terra.

Vivemos em coletivo, porém, somos únicos e sempre haverá essa individualidade para que possamos competir, debater, e até lutar por ela.

Mas o que sempre me intriga é a tal consciência.

A ciência surge como a única salvadora e conciliadora de todas as dúvidas, embora evite discutir aquilo para o qual ainda não possua instrumentos que possam confirmar ou esclarecer.

Podem, por exemplo, mandar um aparelho cruzar o espaço e orbitar Júpiter, mas não podem esclarecer conclusivamente o  porque de um cidadão se jogar com um caminhão sobre pedestres que comemoram numa avenida matando dezenas de rapazes, moças e crianças até ser abatido.

A ciência pode, quando muito,  usar de argumentos que passem pela religião, pela psicanálise, e assim, tentar tranquilizar e aquietar as dúvidas das massas.

Era um louco, um militante, um religioso extremista, um sádico, provavelmente com uma infância péssima etc, etc, etc.  Para tudo existe um rótulo pronto e preparado.

Somos todos nós, embalagens apenas aguardando os rótulos ou números, prestes a se tornarem apenas estatísticas, boas ou ruins.

Assim a vida, ou as vidas seguem, o mundo gira, e continuamos caminhando sem saber exatamente...

...para onde!!!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLO ECOLÓGICO - PROBLEMAS COM UMIDADE NA CONFECÇÃO

O CIDADÃO, O SÚDITO E SEUS ORIFÍCIOS

COELHOS NA PISCINA