TIJOLO ECOLÓGICO - PROBLEMAS COM UMIDADE NA CONFECÇÃO

Apesar de já ter um bom conhecimento sobre o assunto, sempre se está aprendendo. Nunca paramos de adquirir novos conhecimentos. Para mim, o infeliz que "se acha" conhecedor de tudo, é um completo irresponsável, além de um perfeito idiota.  Mas cada um com seus defeitos.
Escrevo hoje sobre algumas dúvidas que, apesar do tempo, ainda não consegui decifrar satisfatoriamente.
Sei de muitas respostas, mas nenhuma ainda me deu a certeza do que realmente acontece.
A tal espessura variável do módulo solo cimento encontrada em variedades absurdas até dentro da própria fábrica, quanto mais de fábricas diferentes.
Não conheço ainda um único fabricante que possa garantir 100 % que TODOS os seus módulos possuem a mesma altura definida. Isso porque ela tem variações conforme a umidade do solo que está sendo aplicado.
Como não há meios relativamente baratos de se corrigir a umidade em sua constância, apela-se então para aquele teste prático da massa apertada nas mãos.
Com máquinas manuais esse problema quase não acontece. Existe um "medidor" no cabo da alavanca que limita o curso da prensagem. Tanto a massa úmida quanto a mais seca, portanto, o curso de prensagem se mantem inalterado. A diferença passa a ser então na pressão que é exercida. Por exemplo; se a massa estiver mais seca, a prensagem é mais dura e difícil tendo que se regular a dosagem para cair menos material na câmara de compressão. Se estiver muito molhada, deve-se então regular para cair mais material a fim de compensar a água existente e pronto.
Mas em máquinas hidráulicas, pneumáticas, mecânicas, esse procedimento é mais difícil.  Principalmente em hidráulicas e pneumáticas. Já que o que controla a pressão é o pistão e sua regulagem, além da capacidade de força.
Portanto, se a umidade se alterar (e ela costuma alterar muito) durante os trabalhos, os módulos começarão a sofrer alterações nas suas respectivas medidas de altura.
Em períodos chuvosos quando o solo já chega demasiadamente úmido, é fácil observar a diferença para períodos de estiagem. Para quem vai construir portanto, não chega a ser um problema tão sério, já que se pode optar de que forma será a construção.
Se for de parede emboçada (rebocada) tudo bem. Pode-se simplesmente ir encaixando os módulos apenas tomando o cuidado de buscar manter o alinhamento e prumo para facilitar o embôço.  Vai enchendo as colunas conforme a evolução da obra e pronto. Os tijolos que trincarem não tem problema. Afinal, não é a parede em si, mas apenas o módulo que ficou sem apoio e acabou trincando em vista dos pequenos degraus gerados pelas diferenças em alturas.
Já a parede de tijolos a vista, requer mais cuidados. É preciso "calçar" os módulos a fim de que neutralizem possíveis desníveis. Mas isso pode ser feito com dois filetes paralelos de mistura de cola com areia de cava. Nem é necessário o cimento já que não precisa...nem deve ser, muito rígida. A mistura já testada por nós e de grande utilidade foi de 10 X 1, ou seja, 10 copos de areia de cava peneirada bem fina com 1 copo de cola branca a base de PVA. Fica ótimo e corrige desníveis da parede. Muitos aconselham a usar somente cola. Tudo bem.  Só que a cola por si só não tem "corpo" não corrige desníveis, seria como utilizar somente água. Não calça nada.

Mas voltando ao assunto das prensagens não serem da mesma altura em virtude da umidade.
Por que isso ocorre?  Sei que numa hidráulica ou pneumática o limite se dá pela força do pistão que muitas vezes não consegue empurrar até o fim, ou se consegue, também acaba por prensar demais causando o espelhamento do módulo.
As máquinas mecânicas já tem um curso definido. Quase como as manuais, no entanto, o problema continua.
Essa é a minha questão. Por que isso?
Uma máquina mecânica utiliza uma roda com um êmbolo que tem um percurso definido e limitado. Ele chega até um ponto e começa a voltar devido ao sistema rotatório. É como um pistão de um motor. Não há maneira de ele reduzir o curso já que este tem que ser completado para iniciar o retorno.
Então sobra para a massa.
Certo....a massa então, após a prensagem voltaria alguns milímetros como que estufando???
Não vejo como.
Um exemplo. Um módulo que deve ter 6.25 de altura, recebe o material em sua caixa de compressão muito úmido, vai prensar e concluir o curso, mas em virtude dessa umidade excessiva, o operador, na hora de pegar o módulo, esse vai explodir em suas mãos. Afinal, não sofreu a pressão adequada.
Já com a massa mais seca, o curso será o mesmo e na hora de pegar o módulo, esse irá sair mais forte. Até aí tudo bem. Mas por que a altura teria que ser maior? Afinal o curso do pistão foi o mesmo não é?
A menos, como eu disse acima, que o material retorne ou estufe logo após ser prensado. O que também não vejo como.
Então sugiro aos compradores de módulos que atentem sempre para o tipo de equipamentos que o fabricante se utiliza. Isso no caso de estar sonhando em construir como aparente e acreditem piamente naquela história de simplesmente "pingar" uma "colinha"  que resolve.

...não é bem assim não...

Comentários

  1. Querido amigo, você pode até não acreditar, mas foi assim: já havia desligado o computador, me deitado...derrepente me bateu uma vontade de te desejar um boa noite. Levantei-me,liguei o computa,e, aqui estou lhe dizendo: Boa noite, pra você e suas lindas filhas.

    ResponderExcluir
  2. é assim mesmo meu irmão...parente quase sempre é problema...kkkk...adorei a estorinha.

    ResponderExcluir
  3. Segue a sugestão de alguém que não entende do assunto(isso mesmo):

    Talvez seja possível construir um ábaco que relacione peso da massa com coeficiente_de_umidade tendo como resultado o peso do material para cada tijolo. Seguindo esse ábaco poder-se-ía ter uma boa constância dimensional.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado pela visita meu caro... mas é difícil essa relação. Sei que existem máquinas computadorizadas que fazem esse cálculo a partir de cada dosagem na câmara, mas são muito caras...põe cara nisso. Elas tem um sensor de umidade que dosa a quantidade a ser prensada e a pressão exercida pode dessa forma, ser controlada para não ser demasiada.
      No Brasil, isso ainda está muito longe e se torna inviável economicamente já que o produto ainda encontra "resistências" no mercado.

      Abraços!

      Robson

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  4. Bom dia galera, bom eu entendo um tanto bom desse assunto, eu fabrico tijolos ecológicos e moro em uma casa feita com eles, inteiramente com eles.
    Realmente Robson, está aí um problemão, eu utilizo a prensa 2700 CH/MA da ecomaquinas, ela vem com um pistão que exerce força de "somente" 6 toneladas, então tive que colocar um pistão maior, o qual exerce mais de 8toneladas de força, ajudou em grande parte, principalmente na prensagem do tijolo canaleta que é um vilão da fabricação. o tijolo não estufa, não cresce ou descompacta, o que acontece que muitas vezes a maquina chega ao seu curso final e apesar da robusta estrutura que sustenta o pistão de prensagem, a estrutura se flexiona para cima, é quase inacreditável ver toda aquela estrutura reforçada se arqueando.
    Dentro de nossa unidade fabril tentamos trabalhar com uma menor quantidade de material a ser prensado, o resultado foi um tijolo quebradiço - fracasso.
    Tentamos aumentar a umidade, e o tijolo se quebrava ao sair da prensa mesmo com uma quantidade maior de solo argiloso.
    Então meu caro a conclusão que chegamos é que se quiséssemos fabricar ótimos tijolos que fossem bons tanto no momento da fabricação deveríamos aumentar a força da prensa.
    O ciclo ficou uns 2 segundos mais lento, mas produzimos tijolos que aguentam mais de 2,7 mpa, ou seja em um tijolo de 15x30, mais de 12 toneladas.
    Bom quanto ao "degrau" gerado pela diferença de alturas, calçar o tijolo superior não é uma boa solução, pois por mais que o tijolo calçado esteja na altura correta agora teríamos mais degraus, já que um tijolo padrão teve sua altura aumentada, a solução ideal é o desgaste feito em metade de cada um dos dois tijolos que ficarão acima do tijolo "crescidinho", afim de neutralizar esta diferença, e não prolonga-la.
    Em consequência das variações de altura perdemos um grande percentual da nossa produção, pois optamos por perder produto que perder a satisfação dos nossos clientes. Mas agora o processo está com grandes melhorias.
    Há ainda um meio termo, se a maquina não estiver devidamente nivelada e calibrada apenas um dos lados do tijolo pode apresentar altura fora do padrão, como se o tijolo ficasse, por milímetros, chanfrado.
    Resumindo: o tijolo ecológico exige muito planejamento, ao contrário da quebradeira que vemos em diversas obras, onde "se não deu certo quebra e faz novamente que o emboço tampa".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite meu amigo. Eu também tenho uma prensa dessas. Acho também muito fraca, porém, consegui me adaptar ao processo. Só tive que fazer ajustes na "estrutura" da prensa que realmente é uma lástima. São metais fraquíssimos e principalmente a estrutura do pistão da gaveta dosadora que constantemente entortava toda a ferragem traseira.
      Tem também um radiador mequetrefe que vive estourando. Enfim. Uma maquininha que deixa muito a desejar realmente. Eu venho de fabricação com máquinas manuais da Sahara que são mais confiáveis apesar dos preços. Nunca tive problemas com essas alturas em máquinas assim. Somente agora com essas geringonças mecânicas ou hidráulicas. Também uso uma P6 da Mann que tem uma excelente produção e é inteiramente mecanizada, porém também dá muito custo em manutenção (quebra muito).
      Mas estamos fabricando agora com uma máquina (fora de linha) de um entusiasta que até o momento tem apresentado bons resultados.
      É hidráulica e com pressão de 8 a 10 toneladas nos pistões. Embora o risco da tal "sindrome do espelhamento" tenha que ser sempre calculado.
      Mas eu sempre deixo bem claro que o mais importante numa fabricação de solo-cimento, é, sem qualquer dúvida a composição da massa. O traço seguido de uma dupla passagem da destorroadora em ótimas condições, além do solo ser também de excelente qualidade.
      Por fim, uma umidificação constante até o término do período inicial de cura.
      Se a mistura...o traço, ou o processo de umidificação for fraco, então a produção vai pro beleléu. Pode até ficar um tijolo bonito...mas não passa nos testes.
      Com minhas maquininhas manuais, eu conseguia uma produção maior do que com alguns "monstrengos" que consomem tempo e dinheiro nas manutenções caríssimas. Além de não ter que interromper a produção por qualquer pistão que estoure ou rolamento danificado. Uma simples a barata soldinha já dava conta do recado e sem perder tempo.
      Mas estou apostando agora nessa máquina fora-de-linha que, até agora tem sido boa. Vamos ver até quando...!

      Grande abraço e boas vendas e produções meu caro.

      Robson

      Excluir
    2. li seu artigo robson.seu aprendisado foi muito bom para nos que estavamos fora dessa informaçao,pretendo montar uma fabrica com minhas propias maquinas manuais feita por mim mesmo.serar que dar para montar so com maquinas manuais,,(3 maquinas)

      Excluir
    3. ola Robson de Oliveira. seu relato e o dos outros amigos são ótimos! Muito bom saber que podemos contar com ajuda de todos, obrigado! estou buscando relatos que me ajude a adquirir um pouco de "experiencia pratica" antes de iniciar meu projeto de produção de tijolos. minha ideia seria uma micro fabrica para uso próprio , meu objetivo seria construir casas pequenas para aluguel, tipo "aposentadoria portuguesa". sou um tanto entusiasta e também estou montando uma prensa hidráulica "caseira". acredito que tenha resolvido os erros de projeto das prensas que relatou e gostaria de saber se podemos compartilhar idias sobre maquinas hidráulicas. desde já, muito grato. boa sorte!

      Excluir
  5. Ola Robson,

    Li seu artigo porque estou pesquisando sobre os tijolos ecológicos, já que vou construir minha casa e quero que ela seja o mais ecológica e auto-sustentável possível... Me agradou muito a sua preocupação na qualidade dos tijolos, já que uma das minhas preocupações é se terei algum problema a médio/longo prazo caso faça minha casa com esses tijolos, gostaria de ter o contato da sua olaria para quem sabe adquirir esses tijolos de você.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Boa noite Fábio. Pode me contactar pelo e-mail nosbornar@gmail.com assim podemos conversar melhor sobre tua necessidade já que aqui é um espaço aberto.

    Grato

    Robson

    ResponderExcluir
  7. Boa Tarde Robson, abri uma fábrica de tijolos ecológicos, e como todo empreendedor quer ver seu produto 100%. Eu estou em dúvida com o liga cal na mistura do saibro e cimento, depois que comecei a usar 5% dele, os tijolos não ficaram tão firmes nas quinas. E peguei um outro tijolo de um vendedor de Minas Gerais que me jurou não estar impermeabilizado o tijolo dele de amostra que me deu. Vc conhece alguma mistura pra deixar os tijolos mais lisos sem perder a qualidade?

    ResponderExcluir
  8. Olá Mari. Geralmente eu não uso cal na mistura. Isso aumenta o custo da produção pois a cal deve ser misturada ao solo sempre no dia anterior gerando mais mão-de-obra. Quanto ao tijolo ficar lisinho só se for exageradamente prensado e, portanto fechando toda a porosidade natural da prensagem. Isso é conhecido como Síndrome do Espelhamento...o tijolo até brilha parecendo que está impermeabilizado. Na verdade ele está. Quando o tijolo é tão prensado que forma esse fechamento da porosidade, ele impede que, na molhagem, se absorva a água e a água da massa dele não sai. O que pode ocorrer, é que com a temperatura alta a água que está dentro dele se expanda e faça rompimentos no espelhamento para poder sair.
    Evite máquinas que exageram na prensagem. Os tijolos nunca ficam "lisinhos", pois devem ter sim, uma certa porosidade natural ok?
    O acabamento de que você fala, é conseguido mais quando se trabalha com material bem fino, nesse caso é sim interessante fazer um traço mais forte pra não precisar usar cal.
    Espero ter te ajudado.

    Abçs e boa sorte na fábrica

    Robson

    ResponderExcluir
  9. Achei muito interessante os comentários.

    ResponderExcluir
  10. Estou estudando sistematicamente a ideia de começar a produzir tijolos ecológicos aqui em Minas Gerais. Algumas pessoas me aconselharam a iniciar com uma prensa manual e, segundo eles, consigo até 1200 unidades/dia. Outros me sugeriram iniciar com uma maquina ecobrava da ecomáquinas, que segundo o fabricante produz até 1600 unidades/dia. Assim, gostaria de uma opinião de vocês sobre esse assunto. Como poderia iniciar uma produção de maneira segura, já que os fabricante querem vender suas máquinas?
    Desde já agradeço.
    Fabrício

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fabricio, desculpe a demora mas a tua dúvida procede.

      Antes de pensar em máquinas, verifique a disponibilidade do teu solo e veja se é adequado ou precisa ser corrigido.
      Depois, verifique também se o mercado aí pode absorver tua produção.
      Quanto a forma segura de iniciar, infelizmente isso não existe meu caro. Tudo comporta riscos. O que se tem a fazer é procurar minimizá-los.
      Esses fabricantes colocam um ensaio com bases geralmente em evolução projetada, ou seja; Fazem alguns tijolos e multiplicam pelo tempo médio de 8/hs. Esquecem dos problemas que aparecem. Teoricamente funciona, mas em máquinas mais complexas sempre existem os "ladroões de tempo". Um conserto aqui, uma limpada ali, uma substituição acolá e pronto, lá se vai a teoria pro espaço.
      Na prática eu aconselho a pegar as máquinas manuais mesmo. Dão menos despesas de manutenção e, se bem reguladas até que produzem bem.
      Eu comecei com as máquinas manuais da Sahara que nunca me deram dor-de-cabeça. Existem muitas no mercado, talvez até bons fabricantes ea Sahara realmente tem os preços meio salgados, mas optei por seguir o velho Francisco Aguilar que me ensinou muito do que eu sei hoje em dia.
      Qualquer coisa estou aqui. Fique à vontade para tirar outras dúvidas.
      abçs
      Robson

      Excluir
  11. Parabéns pela sua iniciativa e boa vontade de ajudar aos outros esclarecendo suas dúvidas, muitos dos quais até poderiam ser "hipoteticamente" seus concorrentes. Sua generosidade é admirável. Que Deus o abençoe grandiosamente e o faça prosperar em seu empreendimento.

    ResponderExcluir
  12. Obrigado meu amigo, ou amiga! Como já mencionei em um de meus textos nesse blog, eu não considero outros fabricantes concorrentes, mas sim, possíveis parceiros. Concorrentes são os que fabricam um péssimo produto ou os que confeccionam outros materiais.
    Se as pessoas se unissem mais e dividissem suas informações livremente sem medo nem preconceitos ajudando-se mutuamente, com certeza esse país seria bem melhor.
    Obrigado e que Deus te abençoe também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Robson!
      Parabéns pela sua iniciativa, entrei no google perguntando sobre trincas nos tijolos ecológicos e acabei caindo no seu blog. Por volta de um ano atrás comecei a pesquisar formas de construções mais sustentáveis e que ao mesmo tempo ficasse nenos escravo da mão de obra do predeiro que julgo ser muito caro e pouco profissional. E quando decidi comprar uma máquina de tijolos ecologicos realizei um boa pesquisa e a que na época a que melhor mostrou um custo beneficio foi a da verde máquinas. Mas quando vc vai adquirir o equipamento tudo é maravilhoso e os vendedores não passam toatalmente a realidade da fabricação, já melhoramos muito nosso processo de fabricação mas, estamos muito aquem do que precisamos no post do seu blog vc destaca um fator muito importante que é a umidade para sua compactação e padronização do tamanho mais é muito dificil essa regularidade no dia a dia, no caso da minha prensa hidráulica ela tem um batente de stop e chegamos a conclusão que todas as prensagens que derem stop teoricamente o tijolo estaria no mesmo tamanho! Estou certo disso? estou tendo problemas de trincas na parede e achei que isso estava relacionado a fabricação, pelo que vc escreve pode ser geralmente por desniveis na parede! outro problema é que da fabricação ao empilhamento em palete e espera da cura sempre aparece a margem de 3% quebrado e geralmente perto do furo. Você sabe me dizer o que pode ser? Qual é o local da sua empresa? Eu estou localizado em tatuí SP. Valeu pelas dicas, Almir

      Excluir
    2. Olá Almir, obrigado por escrever.

      Apesar de não ser dono do conhecimento de todos os segredos dessa fabricação, posso te orientar sobre o que descobri a respeito dessas trincas. Primeiro; os tijolos, quando são prensados muito secos, costumam secar muito rapidamente em sua superfície externa. Aquela que forma uma casquinha laminada da sobreprensagem.
      Você sabe que, quanto mais seca a massa, mais forte tem que ser o esfôrço na prensagem até bater o "stop"! Então... o que acontece é que essa superfície ficando seca, o cimento não trabalha adequadamente na pega, perdendo assim a cura posteriormente. Se demorar muito para molhar no dia seguinte, formam trincas semelhantes à "mapas" por toda a superfície do tijolo não é isso???
      Procure então usar uma massa mais úmida para não exigir tanto esfôrço na compressão. Aquelas máquinas manuais operam até com esforço de um único dedo descendo. Dependendo da umidade, dá sim para pegar os tijolos e empilhar tranquilamente. Mas uma prensa com mais tonelagens de compressão, costuma causar esse tipo de problema. A superfície seca muito rápido e trinca quando molhada pela ação da água no composto seco.
      Experimente então chegar ao limite mais úmido que possa ser retirado sem estourar na mão e acomode com cuidado para, no dia seguinte quando molhar, não haver esse choque de umidade e temperatura.
      Estamos em Campinas SP e se quiser fazer uma visita, sem problemas. Posso te mandar os contatos e enderêço por e-mal: Ok?
      Qualquer outra dúvida, fique à vontade para expor aqui.
      abçs

      Robson

      Excluir
  13. Robson, bom dia!
    Obrigado pela atenção e vou tentar trabalhar dessa forma que vc sugeriu, quando vc fala em molhar no dia seguinte é o que geralmente eu faço mas, tento sempre molhar após 20 horas de fabricação e eu faço apenas um mergulho em um tanque por +- 20minutos depois cubro com plástico por 2 semanas no tempo. Gostaria de fazer uma visita na sua empresa com certeza pode mandar o endereço no meu email: vieira.almir2009@gmail.com Grato pela atenção fico no agurado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Almir, já te mandei o e-mail, mas esclareço - e acho importante deixar aqui - que deve-se encharcar os tijolos logo no dia seguinte bem cedo.
      Usar o cimento ARI CP-V também ajuda, pois tem uma pega mais rápida.
      Os tijolos feitos com cimentos CP II, podem ficar cobertos apenas 7 dias que já dá para serem utilizados sem problema. Com CP V pode-se reduzir o tempo para ate 5 dias,
      Isso, é lógico, para entregas mais apertadas, não que seja um padrão.
      abçs

      Robson

      Excluir
  14. Antes de tudo que todos tenham boas festas e próspero ano novo e muita saúde, venho fazendo uma pesquisa intensa sobre o assunto tijolo eco. Eu dirigia uma casa de recuperação para dependentes químicos e tive que recuar pois tenho que ter recurso para manter a mim e minha família, tenho projetos de fabrica de vassouras e produtos de limpesa para que os internos possam ter trabalhos como terapia e casa de recuperação possa ser auto sustentável.
    Eu tenho um espaço onde gostaria de construir algumas quitinetes e alugar e assim seu teria o meu sustento e poderia me dedicar a casa de recuperação.
    Eu vi que o investimento é considerável e gostaria de orientação pois comprar uma hidráulica é bom visando a produção, porém tem bastante contratempo até na escolha da maquina que realmente possa atender as espectativas, sendo assim gostaria de visitar algumas fabricas e ver de perto estes processos e chegar a conclusão qual o caminho menos doloroso se é que posso falar assim, o meu email:ministeriopeslavados@gmail.com
    Sou pastor da ass. De Deus no Rio de Janeiro em nova Iguaçu
    Luis Cláudio da Silva
    Agradeço desde já todo apoio vindo do conhecimento de vcsl

    ResponderExcluir
  15. gostaria de iniciar a visita pelo estado do rj eu publiquei sobre a casa de recuperação, inclusive vou ver como visito o presidio bangu 1 pois lá eles fabricam ou seja alguns interntos .
    Pastor luis claudio

    ResponderExcluir
  16. Caro Pastor Luis Cláudio, feliz ano novo.! Nós também trabalhamos com internos de uma casa de recuperação. Os internos trabalham em rodízio como laborterapia. Desde já eu lhe alerto para não adquirir equipamentos caros como as máquinas hidráulicas ou pneumáticas ou mecânicas. Invista nas manuais e, se possível, nas fábricas que recondicionam essas máquinas pois são mais baratas.
    É preciso ter ao menos duas, uma prensa e uma destorroadora. Misturadores e betoneiras não servem para solo-=cimento.
    Depois, verifique o tipo de solo que irá usar e se é apropriado ou precisa de alguma correção. Finalmente providencie local coberto para a prensagem e umidificação dos módulos. As máquinas manuais são mais práticas e não dão manutenção, embora precisem de mais mão-de-obra, Os custos se limitam a manter sempre lubrificada, e limpa e eventualmente alguma solda ou embuchamento. Não costuma passar disso.
    A partir do aprendizado sobre o tijolo, poderá então decidir se passa para as máquinas mais caras.
    Mas eu repito, ...não invista um capital excessivo adquirindo monstrengos que o Sr ainda não sabe como vai se comportar. Seja ´prudente. A depender das quantidades e tamanho dos imóveis, é mais fácil e barato ir fazendo e construindo aos poucos.
    obrigado pela visita

    abçs

    Robson

    ResponderExcluir
  17. Amigo, gostaria de saber mais sobre a P6 da man, pois achei que seria melhor para produção do tijolos ecológicos. Já que tenho uma ch 2600 que é uma máquina fraca que só vive em manutenção já tive que reforma - lá .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe meu nome é maurilio sobral, moro em Brasília Df.

      Excluir
  18. já passei pelos os mesmos problemas que vcs e muito dificil mesmo

    ResponderExcluir
  19. Li muita coisa sobre tijolos ecológicos, inclusive contra indicações. Seu post e os relatos aqui encontrados complementam e muito as informações para os que como eu ainda tem dúvidas sobre os benefícios deste material.
    Lendo aqui alguns relatos fiquei com a seguintes dúvidas:
    As prensas manuais produzem tijolos de melhor qualidade então, apesar da menor produtividade?
    Que bitolas de ferros posso usar para um projeto de casa térrea sem laje, economizando sem perder qualidade?
    Obrigado pelo grande auxílio. Parabéns, e continue escrevendo!

    ResponderExcluir
  20. Boa noite Eduardo. As máquinas manuais, quando bem operadas, produzem mais que as automatizadas, porém, tem vida útil mais curta, mas são bem mais baratas.
    Quanto à bitola das ferragens vai depender do modelo e tamanho do tijolo. Aqui usamos para o 12,5 x 25 o acho 1/4 para colunas e 3/16 para canaletas.
    Abçs e obrigado pela visita!

    ResponderExcluir
  21. Alguém poderia me informar de máquinas manuais a venda?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jaime, existem algumas fábricas como a Sahara que recondicionam e vendem máquinas usadas boas.

      Excluir
  22. Robson, boa noite! Estoi iniciando a fabricação de tijolos ecológicos em uma máquina manual 12x25 e gostaria de saber se essa máquina tem como regular a altura do tijolo, que no meu caso tá saindo com 17,5 cm, tem algum problema? Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Odenilson. Acho exagerada essa altura. Um tijolo nessas medidas tem um padrão de 6.25 (seis centímetros e 25 milímetros ) de altura normalmente. Verifique se está baixando corretamente até tocar a haste limitadora quando prensa o tijolo. Depois, se está colocando muita massa para prensar, o que dificulta mas pode ser controlado por aquele parafuso dosador que fica embaixo da estrutura. Depois, verifique os calços dos mancais que são colocados atrás da estampa de cima. Normalmente as máquinas vão sofrendo desgastes com o tempo e a altura vai aumentando, mas basta acrescentar alguns calços para resolver o problema ok?

      Excluir
    2. Ok, Robson, vou verificar. Sem querer se inconveniente e lhe perguntar mais, como é que você faz a análise do solo pra saber qual o percentual de argila e areia do material?

      Excluir
  23. Oi Odenilson, entre em contato com a empresa que te vendeu a máquina, ou, como no meu caso eu usava as manuais da Sahara, e envie uma amostra. O teste mais simples é com um vidro transparente com terra, água e sal. Bastando agitar a mistura e no final você observa a marca. A primeira é o volume total de água do vidro a segunda e mais estreitinha é o volume da argila e a última embaixo de tudo é de areia. Embora esse teste não seja 100% confiável, pode ajudar a mostrar se o solo vai ou não precisar de alguma correção ok?
    abçs

    ResponderExcluir
  24. Sr. Robson de Oliveira, Parabéns pela grande iniciativa da criação desse blog, certamente pelo que li, acredito que muitos produtores estarão de prontidão dando informações generosas para a produção dessa magnífica evolução do tijolo. Para tudo que existe temos que sempre aperfeiçoar e vejo que até no mais simples de produzir na verdade não é tão simples assim, mas precisamos de informação, ou seja estudar, planejar, ver a viabilidade de criar e mãos a obra. Bom eu sou um amante do tijolo ecológico, estou montando uma pequena fábrica para meu uso, pois sou do RJ e aqui o valor do Milheiro está em torno de R$900,00 mais o frete ,devido a quantidade que vou precisar resolvi fabricar, mas ainda estou planejando sobre algumas coisas, pois me deparei com a seguinte situação: Cura dos tijolos: Regando com mangueira durante 7 dias ou imersão em tanque? pergunto: imersão em tanque deve ser uma única vês, ou durante 7 dias também? secar sempre a sombra? Cobrir com lona resolve, caso eu não tenha como ter sobra no local?
    Existe alguma forma de imersão mais fácil do que usar talha e cavalete em um tanque no chão? Ficarei no aguardo dos comentários e respostas. Deixo aqui o meu Forte Abraço a todos e os Parabéns ao Criador desse Blog !!!

    ResponderExcluir
  25. Olá Alexandre, a umidade é - segundo o que penso - em torno de 70% do segredo de um bom tijolo. O ideal seria mesmo um banho de imersão por uns 28 dias, mas devido à dificuldade desse procedimento, muitos vão fazendo como podem. Hoje em dia está difícil adquirir lonas que prestam, pois estão mais fracas e se dissolvem em alguns dias. Mas o importante mesmo é manter os módulos o maior tempo possível úmidos e protegidos. Cada qual deve encontrar um parâmetro a seguir. O cimento só reage com a umidade, logo...!
    Procure, de acordo com suas possibilidades físicas, se adaptar à melhor maneira de manter o produto encharcado. Seja por imersão ou cobertura. Aos poucos você irá concluir por si próprio, qual a melhor forma.
    Em todo caso, pode me escrever ok?
    Grande abraço!
    Robson

    ResponderExcluir
  26. Parabéns Robson de Oliveira pelo blog que servi de troca de informação para nos produtores.
    Tenho todos os problemas já citado pelos colegas em minha produção para uso próprio de tijolos ecológicos com uma Eco Brava novinha que eu adquiri com a empresa fornecedora.
    Tive muitos contratempos e constrangimentos com a empresa fornecedora que me enviou uma maquina que eu acredito que veio com vários defeitos.
    Deixo uma pergunta, o braço articulador na hora de fechar é duro mesmo ou é um defeito só da minha? Porque tive que parafusar a maquina no piso para que a mesma não saia do lugar ao fechar a tampa.
    Eu vejo no vídeo da própria fabricante que é tão suave o fechamento e já vi vídeo de outro usuário com a mesma facilidade na hora de fechar a tampa. Ate uma contusão eu adquiri com tanto esforço que eu faço.
    Se alguém já manuseou uma eco brava e puder responder fico grato.

    ResponderExcluir
  27. Olá ILdo, você deve estar se referindo às duas hastes laterais que servem para ejetar o módulo no retorno do pistão! Segundo o que observei e também está escrito nas instruções laterais, é preciso deixar a máquina uns 5 cm em desnível para trás para que essas hastes encaixem. Acho um absurdo isso, já que me parece ser um problema corrigido por uma gambiarra.
    Os braços encaixam, mas, com o tempo, há um desgaste e eles costumam se soltar bem na hora das elevações e foi preciso colar pedaços de lixas para manter a aderência e eles não se soltarem
    Tudo isso sempre acaba por me dar razão ao preferir as máquinas manuais que, embora sejam simplórias demais, acabam sempre tendo menos problemas e com produção pouca, mas constante sendo que, dessa forma, superam as produções das automatizadas.
    Estamos encerrando nossas atividades nesse segmento. Caso queira negociar uma Ecobrava 600 usada e já com estrutura traseira reforçada, fique à vontade para se comunicar comigo pelo e-mail ok?
    Grande abraço!

    Robson

    ResponderExcluir
  28. Ólá, boa tarde Robson,
    Gostei muito do blog e resolvi tirar umas dúvidas com você.
    Pretendo construir no sul, onde o clima é mais úmido e frio. Corro o risco de ter minha casa com infiltrações com os tijolos de solocimento?
    E se eu utilizar manta asfáltica na laje de contrapiso? Existe outra alternativa mais eonômica e ecológica?Outra dúvida, gostaria de deixar os tijolinhos à vista no lado externo da casa, mas na parte interna, seria possível, finalizar com massa e tinta em apenas algumas paredes? O que você poderia me orientar? Gratíssima.

    ResponderExcluir
  29. Boa noite Anônima, obrigado pela visita; A umidade é excelente para o tijolo, pois é feito com cimento. Porém, como toda construção, deve ter uma boa impermeabilização da parte estrutural para evitar infiltrações vindas do sub-solo. TAmbém é importante manter os dutos onde não irão ser feitas as colunas desobstruídos para que a umidade que porventura penetrar nas paredes, sair para a atmosfera mesmo com pequenos furos na laje. O ar quente sobe e leva a umidade junto e o ar frio desce ocupando o lugar e refrescando o imóvel. As paredes devem ser impermeabilizadas (consulte um vendedor em lojas de tintas) Os tijolos aceitam bem tintas e até reboco em gesso na parte interna, desde que a parte externa esteja bem impermeabilizada. A umidade não agride os tijolos, pelo contrário. Lembre-se, tijolos cerâmicos são curados com fogo e o ecológico com água, logo, a água é o elemento de cura dele. Mas a impermeabilização é aconselhável para proteger a parte interna da casa.
    Abraços
    Robson

    ResponderExcluir
  30. Oi Robson, muito grata pela sua atenção em me responder. Meu nome é Grace e, como já havia dito, pretendo construir com os tijolos de solo-cimento. Outra dúvida que me ocorreu e talvez pareça um pouco tola, mas li num blog:é sobre como prender tvs e quadros nas paredes. A colocação é normal, com parafusos e suportes ou precisa de uma técnica especial? Mais uma vez super grata.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Grace, sem problemas; se for apenas um quadro comum, ou alguma coisa leve, pode ser nos centros das metades onde ficam os furos, mas se for para suportes, é melhor nas partes mas espessas como próximos ao final ou no centro. É importante também não usar furadeiras de impacto para não trincar o tijolo. Tanto para furar quanto para usar serra-copo. Por ser o tijolo muito rígido ele é sensível á impactos mas perfeitamente modelável e perfurável por desgaste. É bom também usar buchas.
      Sempre que precisar sanar alguma dúvida, pode escrever que estarei sempre aqui ok?
      Abçs
      Robson

      Ps; nenhuma dúvida é tola!!!

      Excluir
  31. olá! o seu blog me forneceu mais informações que uma semana de buscas nas mais diversas fontes na net. Pretendo fabricar para vender aqui na Bahia, já fiz até orçamento na ecomáquinas, mas mudei de idéia depois do que li aqui (já vi outros comentários sobre a fragilidade das ditas). Como conhecer esta máquina fora de série que vc citou? porque disse que misturador não serve para solo-cimento? outra curiosidade: com tanta experiência, porque diz que está 'encerrando as atividades neste segmento'? não é lucrativo? .....Grato.

    ResponderExcluir
  32. Olá Fabrício, obrigado pela visita. Bem, se você vai fabricar para vender, então, primeiro deve fazer uma pesquisa para ver se o pessoal daí aceita esse produto, às vezes, as pessoas não absorvem muito bem as novidades, principalmente por causa de preço; o módulo solo-cimento, é mais caro se compararmos m2 x m2, mas se torna mais barato pelo sistema construtivo em si. Máquinas muito elaboradas possuem peças que necessitam de atenção específica. Tudo bem se você já tiver uma produção boa e com vendas em ascensão, embora, frequentemente elas costumam dar os mais diversos problemas e isso gera interrupção produtiva até ser solucionado. Máquinas mais símples requerem mais mão de obra, mas não dão manutenção, embora necessitem ser substituídas mais vezes. É tudo uma questão de necessidades x possibilidades. Há muitos fatores a se verificar. Te aconselho a fabricar inicialmente, blocos que já existem no mercado e paralelamente os módulos de Solo-cimento para ir introduzindo aos poucos sem ficar dependendo somente dele. Deve-se, também, verificar se o solo da sua região é bom ou se precisa de correções. Enfim, é preciso ir com muita calma.
    Os misturadores são aqueles circulares que rodam e misturam lentamente. Geralmente você os encontra em fábricas de blocos de concreto já que eles misturam areia, pedra, água e cimento. As trituradoras giram em alta rotação e "explodem " os torrões e injetam o cimento e umidade na massa fazendo praticamente o trabalho de homogeinização e peneiramento. Já as betoneiras são para se misturar concreto do tipo "mingau", se vc colocar solo e cimento irão formar bolas que deverão ser quebradas e dá um trabalho doido.
    Deixei de trabalhar com o solo-cimento por vários motivos. Primeiro é a concorrência desleal de quem fabrica porcarias e "espreme" qualquer coisa com qualquer traço pra deixar mais barato. Essas pessoas, normalmente ficam uns meses e depois fecham, mas vem mais dois no lugar e assim por diante. As vendas que já são difíceis, com essas concorrências de baixa qualidade ficam mais difíceis ainda, mas sempre se pode superà-las pela qualidade.
    Já passei por diversos problemas e crises, mas nenhuma como essa agora. Muitos clientes meus, são construtores que fecharam as portas por causa do setor. Como não posso ficar dependendo apenas de vendas sazonais, decidi parar a produção. Foram 15 anos de muita luta, mas vemos empresas com quase um século fechando. Portanto, espero que tenha sorte no teu negócio, mas aja sempre com muito cuidado e tenha sempre cautela.
    O que precisar de ajuda, pode me consultar. Eu não sei tudo, e não costumo inventar o que não sei, se isso ocorrer, eu tento descobrir e te passo na sequência.
    Sou entusiasta desse segmento, e mesmo não produzindo mais, quero ajudar todos que eu puder para que tenham sucesso. Quem sabe você?
    Abraços
    Robson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Robson tudo que mais precisava encontrei aqui. Concordo plenamente que a melhor maneira de começar esse negocio deva ser com cautela. Comprei uma prensa manual da Verde Maquinas e não tenho o que reclamar da empresa, pelo contrario tibe um probleminha de desgaste na prensa e eles me deram total assistência. Já fabriquei 12.000 tijolos saíram todos padronizado.
      Quem quer começar um negócio deste deve realmente buscar o solo adequado , ter zelo da umidade e prensagem correta e não descuidar do processo de cura. E pensar sempre que prensar é a parte mais fácil do processo portanto o preparo e a cura deve ser levado a serio. Para quem quer construir a sua própria casa o m2 da alvenaria se pagar ate 800 o milheiro 12,5x25 já impermeabilizado não passa de 70,00. E o principal de tudo é aprender fazendo, não tem prazer maiorudo tem um preço e nessa construçáo o detalhe vale muito .

      Excluir
  33. Caro amigo Robson de Oliveira, adquiri mais conhecimentos em alguns minutos lendo seu blog do que uma semana de pesquisa.
    Minha situação é a seguinte: pretendo contruir minha casa e uma casa para minha mãe em um terreno que comprei. Com muita sorte encontrei um amigo que tem a maquina da Vimaq manual v2 25x12,5 e fui propor uma compra. a pessoa em questão me emprestou as maquinas (prensa, destorrador e bitoneira) e disse que o prazer dele vai ser ver eu produzindo tijolos para minha casa, visto que as maquinas dele estavam enferrujando em um fundo de quintal.
    Quase todas as minhas duvidas foram tiradas após ler seu blog. Mais a que eu mais quero saber é a media de produção de uma maquina manual. Cabe ressaltar que estou pensando em adquiri outra maquina para acelerar a produção. Deveria esta ser da mesma marca ou posso adquirir de outra? Fico muito grato pela ajuda.

    ResponderExcluir
  34. Caro amigo. outra duvida...pretendo fazer uns tijolos com areia lavada para o alicerce. Qual seria o traço ideal?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe Vanderson, mas areia lavada não serve. É preciso ter um pouco de argila para você poder MOLDAR os tijolos, senão, você prensa e não consegue pegar com as mãos. Areia é para blocos que são vibrados.
      Quanto ao traço do solo-cimento, vai depender também da finalidade das tuas obras, se serão aparentes ou rebocadas, pois para cada uma existe um traço maior ou menor.

      Excluir
  35. Olá Vanderson, obrigado pela visita e é sempre bom quando consigo ajudar alguém.
    Quanto às máquinas, vai depender de tua obra. Normalmente, máquinas diferentes produzem estampas diferentes, e mesmo as iguais, cada qual deve ter um nível de desgaste diferente uma da outra, mesmo sendo do mesmo fabricante. Ocorre que, durante as operações, o material abrasivo (solo-cimento) vai corroendo as paredes internas da câmara de compressão e o espaço vai se dilatando com o tempo. Também há mudanças na altura, mas que pode ser corrigido acrescentando pequenas chapas de aço na espessura milimétrica que se quer reduzir. Essas chapas são colocadas entre a estampa e a tampa superior como um calço. Também servem para corrigir desnivelamentos.
    Por isso, é preciso saber se tuas obras serão de tijolos aparentes ou rebocados, porque se forem aparentes, te aconselho a ter uma máquina nova só. Duas, ficam muito caras. Isso, porque para se ter uma obra aparente, é bom mesmo um tijolo bem bonito já que vai ficar exposto.
    Uma produção normal em condições normais de uma máquina manual com três pessoas operando, podem produzir cerca de 2000 tijolos/dia. Quando digo NORMAL, eu me refiro a um bom solo, e boa prática dos operadores.
    Se for uma obra com reboque, não precisa nem assentar com qualquer massa ou cola, basta encaixar um no outro, desde que não haja desníveis consideráveis entre eles.

    Espero ter ajudado, e caso precise, tenho disponíveis 4 máquinas ; uma 12x25 tijolo, + uma 12,5 x 25 canaleta e uma 12,5 x 12,5 para meio tijolo e uma destorroadeira. Jaguer 5000. Estou vendendo cada uma por 1,500,00.
    Estão operacionais, mas com desgastes que não servem para comercializar ou construir de forma aparente ok?

    Abçs
    Robson

    ResponderExcluir
  36. Caro amigos.... Qual é o gastos de saibro/solo e cimento para cada milheiro de tijolo?
    quando começar e quantas vezes molhar os tijolos após prensar?
    Grato

    ResponderExcluir
  37. Boa noite! Vai depender de qual tipo vai precisar, como já disse antes, se é para aparente ou se vai ser rebocado.
    Se for aparente, deve ser de 7 x 1, se for rebocar pode ser até 10 x 1.
    Após a prensagem, aguardar até o dia seguinte quando devem ser encharcados e mantidos assim durante pelo menos uma semana. Enquanto esperam, devem ficar cobertos e protegidos do sol e do vento.

    ResponderExcluir
  38. Caro Robson, boa noite, parabéns pela iniciativa e desprendimento, tenho interesse em uma máquina manual que produza tijolos ecológicos: inteiros, canaleta e meio tijolo tem alguma máquina dessa, se tiver tem algum e-mail, no qual possamos negociar.

    att,

    Francislei.

    ResponderExcluir
  39. boa noite comprei a pouco tempo uma dessas maquinas usei saibro e cimento, apos 18 horas fui molhar com mangueira começou e se desmanchar, tentei fazer com areia e cimento e desmanchava, tem um solo especifico?

    ResponderExcluir
  40. Olá amigo, tenho grande interesse em abrir minha fábrica de tijolos e piso de solo cimento, tenho muitas idéias de como fazer dinheiro com esse produto .. Fazendo áreas gourmet colônias churrasqueiras e etc.. Mais tenho muita dúvida de quais matérias primas posso utilizar tenho como ex: barro vermelho, saibro .. Mais queria saber se tem outros tipos de matéria prima que posso utilizar para produção desses tijolos e pisos de solo cimento..
    Não posso esquecer de agradecer pela iniciativa ..
    Fico muito feliz por encontrar uma pessoal disposta a ajudar de verdade ... Encontrei vários vídeos e comentários na internet mais nada me tirou tanta dúvida que assim quanto seu blog parabéns..

    Quero agradecer tbm pelas dúvidas dos meus amigos que tbm não tiveram medo de perguntar ..

    ResponderExcluir
  41. Olá amigo, tenho grande interesse em abrir minha fábrica de tijolos e piso de solo cimento, tenho muitas idéias de como fazer dinheiro com esse produto .. Fazendo áreas gourmet colônias churrasqueiras e etc.. Mais tenho muita dúvida de quais matérias primas posso utilizar tenho como ex: barro vermelho, saibro .. Mais queria saber se tem outros tipos de matéria prima que posso utilizar para produção desses tijolos e pisos de solo cimento..
    Não posso esquecer de agradecer pela iniciativa ..
    Fico muito feliz por encontrar uma pessoal disposta a ajudar de verdade ... Encontrei vários vídeos e comentários na internet mais nada me tirou tanta dúvida que assim quanto seu blog parabéns..

    Quero agradecer tbm pelas dúvidas dos meus amigos que tbm não tiveram medo de perguntar ..

    ResponderExcluir
  42. Bom dia Adam, apesar de não estar mais fabricando, continuo um entusiasta desse produto e do sistema que ele se propõe. Te agradeço pelo apoio e estou disposto a sempre que possível, responder nesse espaço tal qual um fórum.
    No seu caso, e de acordo com o que conheci a respeito, posso te dizer que tive conhecimento de um senhor que era da Polícia Federal e também fabricava e construía churrasqueiras, mas não usava os módulos furados e sim os integrais como os modelos tipo mutirão já que os furos atrapalhavam na confecção das coifas. Quanto à matéria prima, já vem bem descrita em todos os textos, deve conter uma quantidade de argila (barro) e uma maior de areia para que a areia trabalhe e dê força com o cimento e a argila sirva tão somente para poder manusear o módulo assim que prensado.
    Existe também a possibilidade de se trabalhar com outros materiais como o refugo triturado de resto da construção civil, porém, além de ter que acrescentar argila, o material é mais abrasivo causando um desgaste mais acelerado nos equipamentos. Como vê, tudo é uma questão de adequação tanto ao mercado quanto às condições que se apresentam para diminuir os custos em cada local.
    Quaisquer dúvidas pode continuar a mandar por aqui que sou sempre alertado a cada mensagem.

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  43. Bom dia Adam, apesar de não estar mais fabricando, continuo um entusiasta desse produto e do sistema que ele se propõe. Te agradeço pelo apoio e estou disposto a sempre que possível, responder nesse espaço tal qual um fórum.
    No seu caso, e de acordo com o que conheci a respeito, posso te dizer que tive conhecimento de um senhor que era da Polícia Federal e também fabricava e construía churrasqueiras, mas não usava os módulos furados e sim os integrais como os modelos tipo mutirão já que os furos atrapalhavam na confecção das coifas. Quanto à matéria prima, já vem bem descrita em todos os textos, deve conter uma quantidade de argila (barro) e uma maior de areia para que a areia trabalhe e dê força com o cimento e a argila sirva tão somente para poder manusear o módulo assim que prensado.
    Existe também a possibilidade de se trabalhar com outros materiais como o refugo triturado de resto da construção civil, porém, além de ter que acrescentar argila, o material é mais abrasivo causando um desgaste mais acelerado nos equipamentos. Como vê, tudo é uma questão de adequação tanto ao mercado quanto às condições que se apresentam para diminuir os custos em cada local.
    Quaisquer dúvidas pode continuar a mandar por aqui que sou sempre alertado a cada mensagem.

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  44. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  45. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  46. Boa noite amigo estou abrindo uma fabrica de tijolo ecologico no rio grande do sul aqui é muito umido vc pode me dar umas dicas de como não errar nos traço? de solo e cimento ? Não quero que os tijolos trinca ou racha ou deforma aqui só um boqueta num raio de 200 km Obrigado rubens

    ResponderExcluir
  47. Bom dia Rubens. Se a umidade é grande, melhor para o tijolo, já que, o cimento trabalha com a umidade. Quanto ao traço, existem muitas variáveis como a destinação se é para construção aparente ou que vai ser rebocada, enfim, o mais importante nesse caso é a mistura bem feita e homogeinizada. É preciso passar na trituradora pelo menos duas vezes. Já sobre as trincas ou rachaduras também vai depender muito do tipo de equipamento que você usa. Não entendi o significado da tal "boqueta", seria um rio?
    abçs

    ResponderExcluir
  48. Boa noite Robson boqueta e pessoas quefaz coisa mau feita no meu caso e um fabricante de tijolo eclogico ele faz para costruir suas casas os tijolos dele tem trincas e rachaduras e esfarela ou pegar ? quero fazer para vender ou tijolo fica avita na parede ou rebocado ?minha terra e aquela que molhada cola na butina quando seca parece um tijolo presiso de umas dicas das medidas ? quanto de terra quanto de arrea e cimento e de vedacite ou outras dicas obrigado . Fica na paz de deus que ele e querm esta a frente das minhas coisas e da rdf

    ResponderExcluir
  49. Boa noite Robson minha maquina e hidraulica? tenho triturador o que mais preciso obrigado

    ResponderExcluir
  50. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  51. Certo! Entendi. Pelo visto, no caso desse fabricante, pode ser o traço muito fraco, com excesso de argila, ou até sem a devida umidade depois de prensado.
    Se sua máquina é hidráulica, então os tijolos podem ser imersos direto na água (com cuidado) logo no dia seguinte à prensagem. Se for para fazer tijolos aparentes, um traço forte também é necessário. Eu usava o traço de 7 x 1 , ou seja, uma medida de cimento para 7 medidas de solo.
    O solo deve ser bem arenoso. Se a arenosidade for muito grossa, o produto vai ficar com um aspecto mais rústico e crespo, já se a areia for mais fina, vai ficar com aspecto mais liso. Mas se a areia do solo for muito fina mesmo, tipo um talco, vai complicar na prensagem e também na fraqueza do produto mesmo com um traço forte. É preciso entender que quanto mais grossa a areia, mas forte fica o tijolo mesmo ficando feio, e vice-versa.
    Você pode misturar areia no teu solo primeiro até ele ficar arenoso numa proporção mínima de 50% de argila e 50% areia. Chacoalhe bem em um vidro transparente e deixe decantar ( pousar tudo no fundo) e faça a medida. O ideal seria 70 % de areia. Na hora de medir esse teste, você vai reparar no dia seguinte quando a água parou e os materiais assentaram no fundo que lá embaixo fica a areia e depois vem um nível de argila e por fim a lâmina de água. Você mede então somente os níveis de areia e argila e terá essa porcentagem...caso precise corrigir, basta acrescentar ou retirar areia do teu solo que, pelo que percebi é bem argiloso.
    Quando chegar no solo ideal, então prepare 7 medidas dele e misture na enxada com 1 medida igual de cimento. Jogue duas vezes no triturador levemente umedecida e proceda a prensagem. Se estiver estourando quando você for pegar da máquina, é porque a mistura está muito molhada sendo necessário ou secar ou aumentar a quantidade a ser prensada. Nesse caso, ou você dá uma pequena prensadinha e volta a encher a câmara ou espera secar um pouco, porém o cimento já vai estar trabalhando e , caso demore muito, irá perder o ponto de "pega" prejudicando a "cura" posterior. Faça testes com quantidades pequenas até atingir o ponto para depois partir para quantidades maiores.
    Outra coisa, se a massa estiver muito seca na hora de prensar, ou vai estourar teu pistão ou entortar alguma coisa na máquina ou causar excesso de prensagem no tijolo conhecido como "espelhamento" (fechamento dos poros) o tijolo fica com brilho. Isso é prejudicial, nesse caso ou você regula para cair menos material na câmara de prensagem, ou recolhe o material e umedece mais um pouco.
    E lembre-se de tomar sempre muito cuidado com prensas assim, pois é preciso muita atenção para evitar acidentes nas mãos ou nos olhos. Use proteção.
    Qualquer coisa, estou por aqui.

    abçs

    ResponderExcluir
  52. Caro Robson, meu nome é Francislei, comprei uma maquina da vimaq e comecei a fazer os testes com os tijolos. Estou tendo que adicionar areia em minha terra, uma vez que a terra que estou utilizando tem apenas 40% de areia. Percebi que o composto para ser prensado tem ficado muito seco, pois, do contrário não prensa e quando prensa desmancha na mão. Estou utilizando uma areia lavada de terra de barranco e bem fina, percebi que no outro dia, quando vou curar os tijolos, alguns esfarelam e quando secos também estão esfarelando, mesmo eu utilizando uma boa quantidade de cimento que inclusive ultrapassa a quantidade pedida (10%). Vi que vc deu a dica que quanto mais grossa a areia mais resistente fica o tijolo, será que para não perder a a areia que comprei posso misturar areia grossa com areia fina? Aguardo suas dicas.

    ResponderExcluir
  53. Olá Francislei, o problema quando se usa uma areia muito fina, é que, depois da prensagem, costuma grudar bastante, além de ter as porosidades muito pequenas. Imagine uma areia mais grossa onde os vãos entre os grãos compõe áreas maiores e os grãos menores com áreas menores, são os bolsões de ar. Quando é feita a prensagem, esses bolsões são comprimidos ficando muito poucos para uma pequena porosidade dos tijolos. Se a areia for muito fina, esse poros quase ficam eliminados. Também é bom verificar se a tua mistura está bem feita, para que fique bem homogeinizada é bom passar na trituradora duas vezes.
    Também quando você prensa o tijolo em demasia, a superfície mais externa pode secar mais rápido e, consequentemente ali o cimento deixa de trabalhar.
    O melhor é manter os tijolos sempre úmidos. Faça pilhas menores para que não fiquem expostos ao vento enquanto os outros são confeccionados. A umidade é o fator principal quando se trabalha com qualquer coisa que utilize cimento.
    Quanto a prensagem, não precisa utilizar muita força, basta descer a alavanca e sentir uma leve firmeza. Também não manuseie o tijolo antes de estar com pelo menos 7 dias molhado. Apenas prense, retire da máquina e coloque na pilha e mantenha coberta para não secar as superfícies antes da hora. Lembre-se que o sol seca, mas o vento seca muito mais rápido e impede a pega do tijolo e consequentemente o processo de cura fica comprometido.
    Espero ter ajudado, qualquer coisa, estou por aqui.
    abçs

    ResponderExcluir
  54. Olá Francislei, o problema quando se usa uma areia muito fina, é que, depois da prensagem, costuma grudar bastante, além de ter as porosidades muito pequenas. Imagine uma areia mais grossa onde os vãos entre os grãos compõe áreas maiores e os grãos menores com áreas menores, são os bolsões de ar. Quando é feita a prensagem, esses bolsões são comprimidos ficando muito poucos para uma pequena porosidade dos tijolos. Se a areia for muito fina, esse poros quase ficam eliminados. Também é bom verificar se a tua mistura está bem feita, para que fique bem homogeinizada é bom passar na trituradora duas vezes.
    Também quando você prensa o tijolo em demasia, a superfície mais externa pode secar mais rápido e, consequentemente ali o cimento deixa de trabalhar.
    O melhor é manter os tijolos sempre úmidos. Faça pilhas menores para que não fiquem expostos ao vento enquanto os outros são confeccionados. A umidade é o fator principal quando se trabalha com qualquer coisa que utilize cimento.
    Quanto a prensagem, não precisa utilizar muita força, basta descer a alavanca e sentir uma leve firmeza. Também não manuseie o tijolo antes de estar com pelo menos 7 dias molhado. Apenas prense, retire da máquina e coloque na pilha e mantenha coberta para não secar as superfícies antes da hora. Lembre-se que o sol seca, mas o vento seca muito mais rápido e impede a pega do tijolo e consequentemente o processo de cura fica comprometido.
    Espero ter ajudado, qualquer coisa, estou por aqui.
    abçs

    ResponderExcluir
  55. Boa noite Robson a terra que tenho e aquela que cola na botina e uma terra boa para fazer tijolo ecologico ? qual a porpoção dela e da area e cimento ?qual e tenpo que devo mergulhar os tijolos depois da prensagem obrigado abçs

    ResponderExcluir
  56. Boa noite Robeson meu nome e rubens mandei amensagen antes obrigado

    ResponderExcluir
  57. Robeson aqui no sul e muito umido tenho que colocar vedacite na solo cimento e o Rubens

    ResponderExcluir
  58. Boa noite Robson a terra que tenho e aquela que cola na botina e uma terra boa para fazer tijolo ecologico ? qual a porpoção dela e da area e cimento ?qual e tenpo que devo mergulhar os tijolos depois da prensagem obrigado abçs

    ResponderExcluir
  59. Boa noite Rubens, o que "cola na botina" é a argila, sinal que seu solo é muito argiloso ou que tem areia muito fina na composição. Uma simples correção acrescentando areia média já ajuda, mas tem que ir acrescentando aos poucos até atingir um nível que da pra prensar. A proporção é, como já escrevi várias vezes aqui, a depender do uso do tijolo; se é para construção aparente ou rebocada. Há variações no traço. Quanto à umidade, quanto maior melhor depois de prensado. Numa máquina manual, é preciso só molhar os tijolos com cuidado e sem esguicho no dia seguinte, já com prensas mecanizadas ( mecânicas, hidráulicas ou pneumáticas), pode submergir o tijolo no dia seguinte desde que faça com cuidado.

    ResponderExcluir
  60. Robson, saudações! Percebe-se que você não se preocupa em passar informações e ajudar os iniciantes no ramo, parabéns!
    Permita-me lhe perguntar se posso tirar algumas dúvidas primárias (de iniciante "mesmo"), e, em ocasião apropriada para ambos, visitar sua empresa.

    ResponderExcluir
  61. Olá Helio, seja bem vindo. Sem problemas, o que puder ajudar eu ajudo, só que eu já encerrei as atividades da fábrica. Já respondi teu e-mail justamente solicitando que fizesse teus questionamentos aqui para que outros também possam tirar suas possíveis dúvidas.

    ResponderExcluir
  62. Robson. Tenho dúvidas com relação a pressão ideal da prensagem da “farofa” (materiais do solo cimento), os tijolos logicamente devem manter um padrão de atura, então ficar mexendo na altura da forma de acordo com a farofa não fica com qualidade continua. No meu caso especifico, a caixa matriz fecha com altura de 80mm entre a forma inferior e a superior (material sem prensagem) e o tijolo sai prensado com altura de 670mm, ou seja, 12% a menos do volume inicial. Será que é uma média boa de prensagem, porque estou tendo dificuldades em tirar o tijolo prensado da forma, ele está estourando. Então, devo mexer na pressão da prensagem ou melhorar o traço, qual é de 70% areia fina + 30% argila (forma uma fração “F”). A cada 10F + 1F (cimento) + 0,25F (cal de construção, já hidratado).
    Estou em fase de testes. Quero produzir somente para meu uso em construção de casas, sendo um tijolo que possa ser utilizado de forma aparente.
    Obrigado!

    ResponderExcluir
  63. Boa tarde Hélio, pois é, é justamente sobre isso que escrevi o post acima. Descobri que a variação nas alturas dos tijolos, dependem mais da uniformidade da umidade, ou seja, sabemos que quanto mais seca a massa, mas dura é a prensagem e quanto mais úmida mais fácil, isso é porque quando muito úmida, a água ocupa o lugar do material e ainda entra mais ar. Quando se consegue prensar um tijolo assim, ele estoura nas mãos quando retirado da forma.
    Já quando esta mais seco, o material enche mais a câmara pois está mais solto e não há líquido, sendo que, praticamente é tudo material mesmo. Dessa forma, o esforço passa a ser muito maior, nas máquinas manuais praticamente não se consegue baixar a alavanca e exige do operador que se regule o dispositivo abaixo da caixa de compressão para que entre menos material. Nas automáticas, mecânicas, hidráulicas ou pneumáticas, é mais difícil ter esse dispositivo, pelo menos até onde eu acompanhei.
    Portanto, é preciso sempre manter a mistura o mais próxima possível nivelada em todas as etapas. Sempre mantendo a mesma umidade, cobrindo o que não está em uso para não evaporar.
    Se o tijolo estoura nas mãos quando muito prensado, pode ser também, por estar demasiadamente prensado e, dessa forma, ele adere às laterais e superfícies da forma.
    Aos poucos vai se descobrindo a umidade ideal para cada solo e cada máquina. O certo é sempre buscar preparar quantidades de massa pequenas e ir aumentando conforme vai se adquirindo experiência. Isso para que a massa não perca umidade enquanto aguarda ser prensada.
    O traço que eu usava sempre era o de 7 x 1. Ou seja, um saco de cimento de 50 kg dava em média 200 tijolos do 12,5 x 25.
    Essa média tinha variações máximas de 5 para mais ou para menos.
    Procure ver se tua areia também não é muito fina...pois a argila e a areia fina costumam grudar nas formas. Elas (as formas) precisam estar sempre secas para não grudar, ou aquecidas, a depender do tipo de máquinas como aquelas que já tem resistência para manter as formas secas e aquecidas.
    Quanto à cal, nunca usei pois é necessário fazer a mistura um dia antes o que aumenta a mão de obra. Use só teu material disponível.
    Se puder, procure acrescentar uma areia com granulometria um pouco maior junto à fina.

    ResponderExcluir
  64. Robson, bom dia!

    Primeiramente gostaria de parabenizar pela iniciativa de criar esse blog e também aos demais por participarem com comentários pertinentes.
    Estou com uma dúvida a respeito deste método de fabricação de tijolos, sou Engenheiro Ambiental e sou fã de soluções ecológicas em métodos construtivos.
    Comecei fazer o baldrame do muro da minha casa, com medidas 16x34, e estou disposto a utilizar algum método ecológico para construção do mesmo, pesquisei muita coisa a respeito da utilização de garrafa pet na construção de muro, mais estava pesquisando e acabei encontrando o tijolo ecológico, tem aqui na minha cidade (São Luís - MA) tem uma maquina dessa para vender o classificado "olx", ai fiquei empolgado para comprar ela, mesmo sendo usada, mais surgiu algumas dúvidas, principalmente a respeito da umidade e durabilidade dos tijolos expostos as condições climáticas não tão favoráveis, seria confiável construir um muro de uma casa como esse tijolo ?

    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Hellberth; obrigado pela visita.
      Quanto à questão do muro, eu acho que pode ser também construído com blocos já que estes também são ecológicos por assim dizer, pois não são queimados e relativamente bem mais baratos. Também podem ser modulares, ou seja, atender a questão "auto-portante" da mesma forma que o de solo-cimento.
      Portanto, não haveria a necessidade de se adquirir um equipamento apenas para essa obra. Mas em todo caso, tem de se tomar muito cuidado com equipamentos usados, principalmente em se tratando de mecanizados, pneumáticos, hidráulicos etc. Além do mais, não podemos pensar apenas em prensar os tijolos e sim, também a preparação do material que tem que ser muito bem triturado e misturado como tenho dito muitas vezes aí acima. Entretanto, se houver mesmo a escolha até mesmo para testar, fique tranquilo que as condições climáticas não afetam o produto mais do que qualquer outro, sendo até melhores do que os cerâmicos, pois esses são curados a fogo, enquanto que o solo cimento é como o bloco, é curado com água. É necessário também, ou rebocar ou impermeabilizar o muro depois, já que a umidade não é prejudicial, é até boa, pois tudo o que é feito com cimento, demora mesmo quase 90 anos para atingir 100% de cura. A impermeabilização é por conta de eliminar os fungos e líquens que costumam brotar em paredes úmidas.
      Portanto, fique tranquilo quanto à durabilidade que é excelente, desde que se processe uma boa produção com um traço adequado e principalmente bem curado.
      Caso você queira adquirir uma máquina, irá ter bastante trabalho para misturar o material na enxada e depois ir peneirando, mas é possível sim, sem problemas. Desde que fique uma mistura bem homogênea.
      Espero ter ajudado, qualquer coisa, estou por aqui!
      Abçs

      Robson

      Excluir
  65. Olá Robson, boa noite. Meu nome é Marcos e moro no interior do Paraná. Gostaria de parabeniza-lo pela tua iniciativa, aprendi com o teu blog mais do que tenho estudado sobre o assunto no último ano. Minha região é um local de muita umidade e frio. Algumas pessoas tem me aconselhado a não realizar esse empreendimento por não ser viável em nossa região, no entanto, o nosso solo aqui é muito rico em Argila e não existem outros fabricantes desse tijolo na região. Depois de ler todas os depoimentos resolvi reformular a compra da minha máquina, de uma hidráulica para uma prensa manual. Recebi vários orçamentos: Jarfel, Ecomáquinas, Alroma, Verde e Mecamig. Gostei muito do equipamento da Mecamig e gostaria da tua opinião. Grato pela tua atenção.

    ResponderExcluir
  66. Olá Marcos, infelizmente eu não conheço os equipamentos de todas as empresas, trabalhei muito com as da SAhara (Jarfel) que, embora meio caras, sempre foram feitas com bons materiais e duravam bastante.
    Não sei se o Francisco Aguilar ainda possui máquinas usadas e reformadas para venda, mas se tiver, são boas para quem quer "tatear" o negócio. Quanto à sua região, costuma ter muita terra roxa e silte, que é prejudicial. A questão da argila também complica pois é necessário mais areia que argila na formulação de um bom solo. Lembre-se que a argila, serve tão somente para que o tijolo seja moldado e possa ser retirado da forma, já a areia tem a função de dar estrutura (dureza, resistência) a ele. Por isso a questão de solo ideal em 70 x 30 em média. 70 de areia e 30 de argila. Até 50 x 50 ainda dá, porém, fora disso haverá necessidade de correção. Importante também a qualidade do solo como eu disse antes.
    Também insisto na necessidade de ter uma destorroadeira para preparar a massa. Mas lembre-se que existem 3 tipos de misturadores e cada qual para uma finalidade. As betoneiras são para fazer concretagem, não servem para solo-cimento (produzem bolas) e não misturam nem quebram torrões. Os misturadores horizontais circulares, são para misturar pedras e areia como nas fábricas de blocos, são excelentes para blocos mas péssimos para solo-cimento, pelas mesmas razões da betoneira. Os trituradores tem hélices que estouram os torrões e injetam o cimento na mistura e passando duas vezes se obtém uma ótima massa.
    Na questão do solo, converse com o pessoal da Sahara ou Jarfel e veja a possibilidade de enviar para eles uma amostra para análise.
    Mas lembre-se de que essa amostra deve ser de onde você vai usar e não de qualquer lugar; explico. Já vi gente tirando amostras do quintal e enviando e recebendo o laudo positivo, mas quando foi fabricar, comprou de uma extração e o solo era diferente e não era bom. Cada lugar tem um tipo de solo até em pequenas distancias. Ok?
    Quaisquer outras dúvidas, estou por aqui.

    Abçs e obrigado pela visita!

    Robson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correção, onde eu escrevi "silte" eu quis dizer "mica"...!

      Excluir
  67. Olá Robson, muito grato pela tua atenção. Acho que o segredo de um bom tijolo é a escolha do solo ideal. Vou entrar em contato com o pessoal da Sahara e Jafel. Em todo caso, acho melhor começar com uma máquina manual mesmo. Abraços.

    ResponderExcluir
  68. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  69. Robson saudações! Explico que como meu projeto é fabricar tijolos para meu próprio uso, e não para revender, os custos maiores de uma produção diferenciada serão absorvidos na etapa seguinte da construção. Assim, estou trabalhando para encontrar um traço menos trabalhoso que o de usar solo, que necessita de "destorramento" e controles de solo para manter uma uniformidade e qualidade. Então, estou experimentando o traço de areia + cal + cimento. Os traços que os fabricantes de maquinas passam para estes materiais não são praticáveis em escala mesmo que pequena (estoura fácil). O SENHOR CONHECE ALGUM PRODUTO QUE AJUDA NA AGLOMERAÇÃO DO MATERIAL, para facilitar mimenta-lo logo após a prensagem.

    ResponderExcluir
  70. Olá Helio, infelizmente eu não conheço outro material que possa ajudá-lo nesse sentido. Eu não cheguei a ter esse problema. Mas pelo que estou vendo que não quer destorroar, suponho que tua argila já seja destorroada ou peneirada. Quanto ao cal, eu sei que é preciso deixá-lo misturado um dia antes para que trabalhe e quando acrescentar o cimento, irá correr tudo bem. Mas na última mensagem não foi falado sobre solo, apenas areia, cimento e cal. Isso não dá para prensar. Se não houver ""argila"" para "moldar" a peça, ele vai estourar com certeza. É o mesmo que os blocos vibro-prensados. Eles não são manuseados, apenas são vibro-moldados em cima de bases que, essas sim, são manuseadas até que o produto adquira firmeza para se manusear.
    Se teu material não contiver algum aglutinante como no caso a argila, não dá para prensar e, se conseguir, não dá para pegar que estoura nas mãos. É como aqueles moldes que as crianças fazem nas praias enchendo os baldes e moldando. Se pegar, despedaça tudo.
    Eu consegui produzir com material semelhante com testes que fiz sobre os refugos de produção ( cacos de tijolos ), fiz a moagem e transformei eles em areia fina, média e pedrisco, em seguida elaborei um traço e adquiri algumas formas plásticas e outras de blocos manuais do tipo vibrado. Os cacos moidos, não podiam ser prensados que estouravam, mas consegui ótimas peças de pavers "tijolos de pavimentação", e blocos como resultado. Infelizmente, não pude terminar minhas pesquisas. Mas aparentemente ficaram muito bons, além de extremamente mais leves.
    E continuam sendo ecológicos!

    ResponderExcluir
  71. Caro,

    Estou com problemas para retirar o tijolo da forma após a prensagem,
    ele se desmancha ao puxar, e quando coloco mais água e trinca.

    ResponderExcluir
  72. A terra que tenho e de 80% de arrea estou colocando 5 de terra e 1 de cimento

    ResponderExcluir
  73. Olá, talvez tua areia seja muito fina, experimente fazer experiências menores usando um baldinho ou galões ao invés de grandes volumes e altere o traço depois para 7 x 1 (sete de terra e 1 de cimento ).
    Veja também se a compactação está sendo adequada, se prensar muito pouco, o tijolo estoura mesmo. Sua máquina é manual ou mecânica?
    abçs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Robson,

      A minha maquina e hidraulica, com forma para 2 tijolos.
      Minha terra é argilosa com apenas 3% de areia, estou tentando corrigir mas não esta facil, já usei Sika 1 e 2 para dar liga e argamassa.

      Excluir
  74. Boa noite amigo. Com pouca areia, normalmente cola muito na forma. Seu solo é praticamente de argila e, normalmente, nesses casos, de areia muito fina. Vamos então considerar o seguinte; use esse solo como sendo somente de argila. Pegue 10 medidas ( de preferência pequenas para não produzir muito material.) Um balde do tipo galãosinho serve. Coloque 7 medidas de areia média e 3 medidas desse teu solo do jeito que está. Faça uma mistura bem homogênea e certifique de que fique bem misturada mesmo. A umidade deve ficar como uma farofa que apertando na mão forma uma bolota que possa ser quebrada ao meio sem desfarelar e sem sujar as mãos. Se sujar as mãos, está muito úmida, se quando for quebrada ao meio desfarelar tudo esta muito seca, enfim, vá corrigindo. Coloque aos poucos na máquina e vá prensando. Detalhe importante... quando a gaveta dosadora avança e passa por cima das caixas de compactação e retorna, normalmente fica menos material no final do curso da gaveta. Certifique que a câmara esteja devidamente completada e, se possível e com cuidado dê até uma acrescentada de material nesse retorno de curso da gaveta. Não se esqueça que em tempo úmido, a resistência ou o sistema de aquecimento da forma deve estar ligado para que ela fique quente e o material não grude. Vá tentando e verificando a entrada de material na câmara de compressão, se estiver muito úmida o tijolo explode qdo pega, se muito seca a força de pressão é forçada e pode exercer prendimentos na forma exigindo algum esforço para retirar. O ciclo deve descer e prensar o suficiente para moldar e poder retirar o tijolo e só.
    Não esqueça....3 baldinhos do teu solo mais 7 baldinhos de areia média = solo ideal, só então pegue esse solo ideal e misture 7 baldinhos dele com 1 de cimento. ok?
    Abçs

    ResponderExcluir
  75. Robson Boa noite, se for possível responder gostaria de saber o traço ideal do saibro + cimento. Pois já ouvi falar de tantos 10/1 ou 8/1 - estou começando a produzir esta semana. moduloconstrucao@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha Máquina é hidráulica da ecobrava. Meu saibro é 60% areia

      Excluir
  76. Vou fabricar sempre aparentes. uma única imersão de 20min é suficiente deixando em reclusão por 7 dias?

    ResponderExcluir
  77. Olá amigo, se vc vai fabricar aparentes, é melhor usar um traço bem forte como eu sempre disse aqui nesse espaço. Algumas pessoas me questionavam na fábrica sobre essa questão, perguntavam se podia traços de 10, 15 x 1 . Eu respondia que se eles processassem o material muito bem, não haveria problemas. Se vc fizer um traço forte, porém, não misturar muito bem, como passar pelo menos duas vezes na trituradora, não adianta nada. Traço forte mexidos na enxada, não servem para nada além de jogar dinheiro fora.
    Quanto à umidade, existem variáveis que descobri durante o tempo em que fabriquei. Primeiro eu vi que tijolos produzidos em máquinas manuais, tinham que ser molhados apenas no dia seguinte e mantidos assim, por pelo menos uma semana. Sempre cobertos e úmidos. Já nas máquinas mecânicas e hidráulicas eu fiz experiências que permitiam já colocar os tijolos submersos no dia seguinte. Já fiz testes com traço de 15 x 1 e, aparentemente ficaram bons, só que eu não comercializaria eles. Sempre preferi traços fortes de 7 x 1 que me deram a segurança de 5,5 MPAs nos testes, muito superior aos 2,0 exigidos pela ABNT e me davam uma larga margem de segurança.
    O importante é MANTER OS TIJOLOS SEMPRE ENCHARCADOS DURANTE UMA SEMANA.... ou uns 4 dias se for o cimento CP V de alta resistência inicial.
    Espero ter ajudado.
    boa sorte na fabricação.

    Robson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tava na correria... Não pude lhe responder antes Obrigado pelas dicas!!

      Excluir
    2. Tava na correria... Não pude lhe responder antes Obrigado pelas dicas!!

      Excluir
  78. Boa dia,eu estou pesquisando a alguns meses sobre esses tijolos,e querendo produzir uma quantidade que dê pra construir uma casa de forma que após,se alguém interessar eu posso produzir pra revenda também,em uma das minhas visitas acabei entrando o seu blog(que foi muito proveitoso por sinal)quero primeiro dizer que vc é merecedor te todo o meu respeito pela pessoa que é,ocupando seu tempo pra ajudar pessoas como eu e outros que são leigos no assunto,eu quero construir minha própria casa,esse é um desejo pessoal e quero que ela seja a mais ecológica possível,estou negociando uma máquina(prensa)manual da verdes máquinas gostaria da opinião de vcs sobre o equipamento.desde já agradeço pela atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita, Jonas, e pelo incentivo. Pois bem, eu, infelizmente não conheço esse fabricante de máquinas. A maior parte do tempo que produzi, foram com máquinas manuais da Sahara. Alguns anos também trabalhei com a P6 da MAN e, por fim, com uma Ecobrava da Ecomáquinas. Eu sei que todos os fabricantes querem vender máquinas e muitos surgiram desde que comecei há 15 anos. Eu preferia na época, as máquinas manuais da SAhara, apesar de mais caras que as outras, sempre podia renegociá-las numa recompra, mas não sei como está o sistema agora. Mas vai de cada um fazer uma pesquisa não olhando somente o preço, mas principalmente a possibilidade de recompra. No teu caso, eu aconselho a experimentar com uma maquina simples e manual para evitar muito investimento, até que decida com mais conhecimento se é ou não viável para ti. Ok?
      Qualquer coisa estarei por aqui.

      Abçs

      Excluir
  79. Olá Robson, acabei de ler todas as perguntas e respostas do blog. Estou impressionado com a sua paciência e dedicação em responder a todos. Parabéns pela sua iniciativa e dedicação, sinto muito que tenha parado a sua produção por conta desta crise no setor de construção, desejo-lhe muito sucesso no que quer que faça! Se puder me ajudar, gostaria de saber como você fazia para umidificar a massa, deixando ela no ponto sem formar grumos? Eu pensei em utilizar um nebulizador ou até mesmo um atomizador que forneceria micro-gotas de água, mas não sei se isto seria viável pelo tempo que iria demorar para chegar na umidade correta, eu já vi alguns vídeos o pessoal utilizando mangueiras de jardim, mas tem uma tendência de formar torrões que depois teriam que passar no destorrador novamente, você já teve problemas com isto? Ou desenvolveu algum processo para facilitar esta etapa durante o processo de produção? Outra dúvida, como você é de Campinas, eu ouvi dizer que em Hortolândia tem uma jazida com solo de excelente qualidade para os tijolos solo-cimento, você conhece ou poderia me passar algum contato? Eu estou na região de Jundiaí. Um forte abraço! Agnaldo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Agnaldo, obrigado pela visita, sim, eu tenho paciência porque gostaria muito de ver alguém superar os obstáculos que eu não consegui e levar esse conceito modular pra frente. Eu parei de produzir, mas continuo empolgado, e sei que mais cedo ou mais tarde, o mercado irá finalmente absorver esse, e outros conceitos.
      Quanto à massa, é uma questão de jeito que você vai pegando com o tempo. Não precisa de toda essa engenharia não, pode ser com mangueira, balde, enfim, aos poucos você consegue identificar o ponto. Eu discutia muito esse assunto com o Francisco Aguilar da Sahara, até pelo fato de, na época estar divulgando algo em torno de 4% de umidade. Bem, o solo já vem com alguma umidade e ela sempre é bastante variável. Nesse tempo úmido agora, praticamente já chega encharcada sendo necessário ter um estoque de solo-pó para misturar. É complicado mesmo. Mas para provar minha tese na discussão dos 4%, eu sequei a terra 100% e bem peneiradinha, acrescentei os tais 4% e NÃO ADIANTOU NADA, continuou seca. Isso quer dizer que você deve ir misturando o solo com o cimento em partes e ir acrescentando a água aos poucos. Se ficar muito seca, acrescente mais, se muito molhada, espalhe e espere secar, enfim, é como eu disse, aos poucos você pega o jeito ok? Quanto à trituração, eu geralmente preparava e pré-misturava na enxada para só depois, ir jogando no triturador, então recolhia o material e jogava novamente. Se estivesse seco, ou molhado, repetia a operação. É chato, mas não há como acertar de primeira.
      Quanto à jazida, infelizmente não tenho mais o contato com meu fornecedor, mas normalmente eles forneciam para os depósitos de construção como "areia-de-cava. Talvez algum por aí tenha o contato.
      Vou te ajudar no teu teste. Eu fazia assim;

      Usava um baldinho pequeno, desses de pão-de-queijo, ou vedacit, acho que são galões. Para não arriscar muita massa.
      Então juntava o equivalente à meu traço de 7 x 1, colocava 7 de terra e 1 de cimento. Mas eu punha intercalando entende?
      Também ia derramando a água aos poucos. Depois ia mexendo com a enxada até a massa "pré-misturar" então jogava na trituradora e verificava mais uma vez se estava muito seca ou não. Isso era feito na mão mesmo. Não esqueça que depois da segunda passada na trituradora, sempre fica um pouco mais úmido, devido à essa umidade se espalhar melhor pelos torrões úmidos que se dissolvem. Depois da segunda passada, eu embaldava novamente para não secar muito rápido e introduzia no silo. Começava o processo, se a alavanca da máquina descia muito fácil, eu regulava a dosagem para cair mais material na câmara de compressão, sinal de que a umidade esta´grande, em seguida tentava de novo, caso ela continuasse assim, e o tijolo explodisse na mão quando retirado, melhor espalhar a massa e deixar secar um pouco ou preparar outra com menos água para misturar à essa caso não de para esperar a secagem. Mas no caso da massa estar muito seca, era muito difícil baixar a alavanca da máquina me obrigando a reduzir a quantidade de material a ser prensado na câmara de compressão. No caso de não resolver, era recolher tudo e molhar mais um pouco...e assim vai até você pegar o jeito. Ok?
      Qualquer coisa é só questionar aqui.

      abçs

      Excluir
  80. Robson, saudações!
    Quando o tijolo ecológico sai da prensa e se demora para molha-lo pela primeira vez ele naturalmente resseca. Ai, se iniciar o processo de "rega" (água) com o tijolo já ressecado, será que ele inicia o processo de pega normalmente sem prejuízo ao processo de endurecimento normal ou o referido tijolo esta condenado?

    ResponderExcluir
  81. Olá Hélio, o processo de tudo que tem cimento é, primeiro a pega e depois a cura. Um tijolo nessas circunstâncias, perdeu a pega e consequentemente a cura será prejudicada. Porém, quando o traço é forte, nem sempre o produto fica inviabilizado totalmente, vai depender do uso. Se for para construção aparente, esquece, pois normalmente ele irá ficar todo trincado formando pequenos mapas. Mas se for para rebocar, ainda dá para usar...mas eu repito...desde que seja um traço forte. Eu usava o 7 x 1 que era bem forte.
    As vezes, os tijolos podem secar até mesmo na confecção... ex. você está prensando e empilhando e nesse meio tempo até ele ser coberto, vai secar na superfície e você não pode molhar porque ele desmancha, aí é um problema sério. Por isso, fabrique sempre na sombra e sem vento. Logo que termine a pilha ou precise parar, é imprescindível cobrir. Mas se só a superfície secar, ele vai ficar soltando material depois de curado, justamente porque aquela superfície não curou. Para tijolos aparentes é uma tragédia. Ok

    Abçs e obrigado pela visita.
    Robson

    ResponderExcluir
  82. Olá Hélio, o processo de tudo que tem cimento é, primeiro a pega e depois a cura. Um tijolo nessas circunstâncias, perdeu a pega e consequentemente a cura será prejudicada. Porém, quando o traço é forte, nem sempre o produto fica inviabilizado totalmente, vai depender do uso. Se for para construção aparente, esquece, pois normalmente ele irá ficar todo trincado formando pequenos mapas. Mas se for para rebocar, ainda dá para usar...mas eu repito...desde que seja um traço forte. Eu usava o 7 x 1 que era bem forte.
    As vezes, os tijolos podem secar até mesmo na confecção... ex. você está prensando e empilhando e nesse meio tempo até ele ser coberto, vai secar na superfície e você não pode molhar porque ele desmancha, aí é um problema sério. Por isso, fabrique sempre na sombra e sem vento. Logo que termine a pilha ou precise parar, é imprescindível cobrir. Mas se só a superfície secar, ele vai ficar soltando material depois de curado, justamente porque aquela superfície não curou. Para tijolos aparentes é uma tragédia. Ok

    Abçs e obrigado pela visita.
    Robson

    ResponderExcluir
  83. Robson, boa tarde, vc poderia me informar qual a temperatura ideal das formas que usam resistência na hora de prensar os tijolos.

    ResponderExcluir
  84. Olá Luis, infelizmente não havia atentado para isso, mas não é muito não, até porque existem máquinas com aquecimento à gás também. Esse aquecimento nada mais é do que para o tijolo não grudar. Em máquinas manuais nem existe.
    abçs

    ResponderExcluir
  85. Bom Dia!

    Caro Robson,

    Teria algum traço de pó de pedra e cimento que posso fazer e utilizar a maquina de tijolo ecologico para fabricar o mesmo ?

    ResponderExcluir
  86. Sr. Robson, saudações!
    Será que poderia falar algo sobre a cola de assentamento dos tijolos e algumas considerações sobre este assentamnento.

    ResponderExcluir
  87. Boa noite Helio, a princípio, toda massa de assentamento deve servir apenas para "nivelar" os tijolos. Posto isso, sabemos que, quanto mais perfeito for o tijolo, menos massa é necessária. Alguns usam somente cola, porém, é o mesmo que usar água, pois a cola não tem corpo, portanto, qualquer desnível vai causar um "desnível" prejudicando o nivelamento. O que mais vi, foi uma mistura simples de cola branca a base de PVA, com solo e água, ou cimento. O importante é formar uma massa simples para aplicá-la o mínimo possível apenas para facilitar o assentamento e nivelamento.
    Isso se for ficar aparente, já no caso de paredes rebocadas, basta apenas encaixar os tijolos sendo que, no máximo, algum calço aqui e ali com restos de massa comum mesmo.

    ResponderExcluir
  88. boa noite primeiro pedir desculpas pelo meu Português e estou juntou a um tradutor primeiro deixe-me felicitá-lo por este grande trabalho que eu faço para o environment'm da Bolívia e, como você sabe que é muito mais difícil para mim encontrar informações sobre as limitações da linguagem, mas graças a Deus Eu encontrei seu blog muito pacientemente tomar o tempo para responder Eu estou determinado a fazer este método, mas eu tenho algumas dúvidas me e informou que pude, mas mesmo assim eu não conseguia encontrar respostas ou a internet ou as pessoas que guardam zelosamente a sua segredos deste método me pedia para dar o seu endereço de e-mail para fazer algumas perguntas que eu não quero desperdiçar seu tempo e necessidade de me pegar essas pequenas questões meu email é miguel.nisttahuz@gmail.com estou muito grato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Miguel, me desculpe pela demora, mas só vi hoje tua mensagem, que não saiu na minha caixa de e-mails. Grato pela tua participação. Pode tirar suas dúvidas por aqui mesmo, que estarei atento para não deixar passar novamente ok? Suas dúvidas podem ajudar outros que porventura também as tenham.
      Grande abraço

      Excluir
  89. Boa noite meu amigo. Permita-me fazer uma pergunta, estou tentando fazer o traço com uma terra bem vermelha mas estou tendo problemas na hora de colocar a água. Se misturo na betoneira aparecem muitas bolinhas ( grumos) que vão aumentando de acordo com o tempo que ficam na betoneira. Mesmo traçando na enxada a gente percebe a formação desses grumos. É como se a argila absorvesse toda a água e a parte arenosa fica seca. A umidade não é transferida para a areia. O que estou fazendo de errado ? Desde já agradeço qualquer ajuda.

    ResponderExcluir
  90. Olá Claudio, o problema é a "betoneira". O certo é usar uma TRITURADORA, que ao mesmo tempo que mistura, vai triturando os torrões e, por isso, tem que passar duas vezes pra ficar uma boa massa. Betoneiras só servem para misturar massas moles do tipo mingau como os concretos. Eu ainda tenho uma usada aqui que estou vendendo caso se interesse, ou então, procure uma que resolve o seu problema...esquece a betoneira. Lembre-se... betoneiras são para concreto... misturadores são para granulados do tipo para fazer blocos...para solo-cimento, são os trituradores de alta rotação.
    abçs

    ResponderExcluir
  91. Boa tarde Robson. Grato pela dica. Vou aproveitar e tirar mais uma dúvida, fiz um lote de tijolos com essa terra vermelha. Depois de alguns dias, 4 ou 5 dias, alguns tijolos apresentaram trinca, uns 15% do total. Por que isso acontece e como pode ser corrigido. A respeito do seu triturador, como podemos negociar ? Meu email é claudiao_tote@hotmail.com. Abç

    ResponderExcluir
  92. Boa tarde, Claudio. Eu preciso saber que tipo de trinca ocorreu. Se for uma trinca superficial, apenas na película, é sinal de má cura, como o tijolo ter secado excessivamente e antes do tempo. Caso seja uma trinca mais profunda, pode ser motivada por esforço no empilhamento, pois quando novos e recém prensados, ainda estão muito sensíveis quanto ao acúmulo de peso, principalmente nos que ficam mais abaixo na pilha. Não use pallets de madeira, use uma superfície plana e contínua para evitar esse problema. Muitos fornecedores se complicavam usando pallets pq entre um sarrafo e outro, existe sempre um desnível e quando acomodamos os tijolos, o peso dos que vem acima, forçam os de baixo contra esses desníveis ocasionando as trincas. Se puder, nesses casos, coloque placas lisas de algum material sobre os pallets.
    abçs

    ResponderExcluir
  93. Olá pessoal.

    Estou buscando informações sobre o sistema vibro moldado para tijólos e pavers.Tenho intenção de abrir uma fabrica de tijolos más fiquei confuso após ler sobre este novo sistema de vibro moldado que se apresenta 50% mais barato que o tijolo solo cimento
    Por gentileza alguem pode me explicar a quantidade de material utilizada para produção neste sistema ?

    Obrigado pela atênção.
    handymaninstalacoes@gmail.com

    ResponderExcluir
  94. Olá, Anônimo, eu consegui reaproveitar os resíduos (cacos) dos meus tijolos de solo-cimento que não deixava acumular espalhados pela fábrica. Triturava eles e produzia 3 tipos de grânulos, os maiores de uns 5 a 6 mm...os médios de 1 a 2 mm, e por último um ´pó que ficava no final do peneiramento. Usava 1 parte de pó, 2 partes de grânulos maiores, e 3 de médios. Misturava e depois media desse material 4 partes dele para 1 de cimento. Com isso, produzi pavers e lajotas para pavimentações. Assim, reaproveitava meus resíduos que já continham cimento e solo + mão-de-obra e produzia outro produto muito bom. Além de serem bem mais leves. Fiz também blocos de concreto com esse material modificando apenas a configuração e o traço.

    ResponderExcluir
  95. Olá Robson, boa noite, estou de volta e dessa vez com uma dúvida diferente. Eu ví um tipo de terra, avermelhada meio puxando para o roxo com uma caracteristica interessante, após o tijolo ser prensado ao ser extraído da caixa de prensagem a impressão que dá é que a terra se expande e aparecem pequenas trincas. Fizemos vários testes, aumentamos a quantidade de traço dentro da caixa, isso numa prensa manual, tanto que a prensagem ficava bem pesada e mesmo assim o fato se repetia. Mesmo no final da prensagem quando a alavanca chegava ao seu ponto mais baixo, havia um tranco como se a terra estivesse empurrando a alavanca para cima. Com toda a sua experiência, vc já viu isso ? Pode mesmo um solo ter essa propriedade que não aceita a compactação ? Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Claudio, é justamente sobre essa questão que escrevi o post acima.
      Não tenho mais como experimentar os motivos já que não disponho mais dos equipamentos, mas me surgiu uma ideia a partir do que tenho observado nessas questões de trincas. Se estiver certo, gostaria que alguém experimentasse e dissesse aqui se é isso ou não.
      Sabemos que o pistão exerce uma pressão de várias toneladas no material que, por sua vez, é comprimido e se expande também para as laterais da câmara exercendo assim, uma espécie de "travamento lateral", e assim que o pistão é acionado para elevação, libera essa pressão e pode ou não causar uma pequena "sucção". Talvez se acionarmos de forma mais lenta o retorno do pistão, não haja uma sucção tão brusca e com isso, não ocorra as tais trincas. É uma possibilidade mecânica, apenas isso. Espero que consiga fazer esse teste e retorne para dizer se houve resultado ou não.
      Obrigado

      Excluir
  96. Olá Robson! Me chamo Fabrim.Li seu post e todos os comentários. Parabéns pela disponibilidade e carinho com que seus interlocutores.Moro no interior da Bahia,sempre de modelos construtivos ecológicos e sustentáveis, pesquiso tijolos ecológicos há quatro anos e somente agora consegui montar uma fabrica.Comprei depois de muita pesquisa,uma prenda hidráulica usada, a eco Premium 2700 da eco maquinas.Nos testes iniciais os tijolos estavam estourando. Lembrando que o solo atende os requisitos para a confecção desses artefatos. Percebemos que o diâmetro do tijolo esta dando 110 mm de diâmetro. Ligamos na eco maquina, me disse que os referidos tijolos teriam que ficar com 88 mm. Reduzimos o diâmetro dos tubos e trocamos as matrizes. Porem agora os tijolos estão trincando na parte mais fina, ao sair da forma.Ja passou por alguma experiência parecida, ou saberia me dizer porque isso está acontecendo. Grato! Que Deus abençoe você e seus filhos. Boa sorte nessa nova trajetória de sua vida!

    ResponderExcluir
  97. Olá Fabrim, olha, cada máquina apresenta um sistema de compressão diferenciado, vai depender muito da força do sistema e a resistência da máquina à essa compressão. No entanto, eu percebi, de acordo com minhas observações, que todas elas sem exceção, não despejam a quantidade de material de forma igualitária dentro da câmara de compressão. O fato é que, as gavetas dosadoras que saem debaixo do silo, percorrem o trecho de ida e volta para liberar seu conteúdo dentro da câmara de compactação, só que, quando passam pela primeira parte despejam mais material e quando chegam ao final, cai muito menos material para prensar. Com isso, a parte que caiu menos, costuma ficar mais frágil. Eu fiz um teste para concluir isso. Peneirei todo o material depois de prensado e utilizei somente aquelas bolinhas que sobraram. Coloquei no silo e iniciei a prensagem. Como resultado, eu obtive um módulo bem prensado no lado que a gaveta despeja primeiro e um pouco prensado na parte final do percurso da gaveta. A aparência desse era como o de um isopor, pois as bolinhas de material não se fundiram.
    O certo seria a máquina ter um dispositivo que cobrisse por igual e despejasse a mesma quantidade em toda a câmara, tal qual eu vi que tinha na P-6 mecânica da MAN. No caso das máquinas manuais, bastava um leve toque com a ponta dos dedos antes de prensar e uma nova puxada na gaveta, acontece que isso implica em mais uma fração de tempo ou ainda um risco de acidente em máquinas hidráulicas.
    Nesse teu caso em particular, não sei a respeito sobre a mudança no diâmetro. Talvez tenha afetado e as trincas sempre ocorrem nos pontos mais fracos. Verifique se elas estão aparecendo no lado que recebe menos material. Caso estejam, com muito cuidado, puxe a gaveta até preencher a câmara e retorne, com muita atenção e cuidado, prense com a ponta dos dedos esse local, e puxe a gaveta novamente para completar e só então acione o pistão para prensar normalmente e veja se melhora o resultado.
    Qualquer coisa me avise ok?
    Tenha muito cuidado para não acionar o pistão enquanto pressiona o material com as mãos.
    abçs e boa sorte no teu empreendimento!

    ResponderExcluir
  98. Bom dia Robson,

    Parabéns pelo blog!
    Estou tendo um problema ao fazer as canaletas, estão saindo com uma pequena trinca no lado interno em apenas um dos lados, nossa prensa é automática de 12 ton de compressão da ALROMA, e quando a canaleta sobe após a compreensão, já consta essa trinca. Nosso fabricante da prensa disse para fazermos o teste no pote de vidro para calcularmos o percentual de argila, e notamos pouco material argiloso, estamos misturando cal hidratado, com a terra e cimento, diminui a trinca, mas ainda não eliminou por total, já colocamos mais cal e deixamos até mais de 10 minutos misturando, mas não resolveu.

    Será que devemos misturar no dia anterior melhorar essa liga e eliminar as trincas.

    Agradeço desde já, abraços.
    Marcelo

    ResponderExcluir
  99. Olá Marcelo, infelizmente, eu não tenho pleno conhecimento de tudo. Realmente, fazer canaletas já é outra ciência. Eu mesmo apanhei muito até aprender a confeccioná-las e cheguei a dizer aos meus funcionários para manterem a calma sempre que estiverem trabalhando com elas, até porque, percebemos que conforme o nervosismo, parece que não sai nenhuma inteira mesmo rsrsrs. A cal não acredito que vá solucionar o problema, já que deve ser misturada 24hs antes com o solo. Veja o que respondi ao Fabrim aí acima. Faça o teste das bolinhas conforme descrevi e veja se a parte que trinca é justamente a que recebe mais ou menos material para a compressão. Está descrito na resposta que dei a ele.
    Talvez seja, talvez não, eu tive muita experiências com máquinas manuais de 6 ton de compressão, depois passei para uma mecânica de 8 ton e trabalhei até com 10 numa hidráulica. Tem que ver também o ponto em que suas canaletas formam trincas para saber se a cavidade não está muito fina e fraca. Pode ser problema de molde. Enfim, experimente usar só o solo sem cimento e faça o teste que citei acima. Ás vezes, caindo pouco material fica mesmo fraca ou caindo muito proceda algum tipo de sucção pós-prensagem... veja aí e me diga ok?
    abçs

    ResponderExcluir
  100. Robson, boa noite!

    A respeito das canaletas que estavam trincando, enfim solucionados nosso problema, e gostaria de compartilhar em seu blog, visto que todos que aqui escrevem visam a solução de problemas e troca de experiências, principalmente da sua parte.

    Não tratava-se de terra com baixo percentual de argila, pois trocamos nossa fonte de solo, com 33% argilosa e continuavam as rachaduras.

    Solucionamos o problema lixando nossa Matriz da canaleta com escovão de aço acoplado em uma furadeira. Notamos que haviam minúsculos pontinhos de oxidação na matriz, e após lixarmos não apresentou mais nenhuma rachadura.

    Abraços, e parabéns novamente pelo seu blog.

    Marcelo Henrique Dondeo

    ResponderExcluir
  101. Olá Marcelo, que bom que encontrou o problema, e melhor ainda ter deixado a dica aqui para que outros possam também saber disso. Mas a questão é tão simples que nem notamos. Sim, você tem razão, sempre que a estampa fica com riscos, ou quebrados é preciso alisá-la para que o material comprimido não fique aderindo.
    Grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  102. Boa tarde Robson.
    Gostaria de saber o tempo de fabricaçao para a cura,a maquina é manual, e se posso curar no tanque.
    Obrigado.

    ResponderExcluir
  103. Olá Antonio, a depender do traço, da mistura e do tipo de cimento, sim, mas em máquinas manuais o ideal seria esperar para molhar somente no dia seguinte bem cedo. Importante é cobrir logo após ter sido feito para não perder a umidade de compressão. Se for curar no tanque, faça após uns 3 dias, isso porque aquelas bolhas que saem quando imerso, acabam por danificar a superfície quando se soltam. No caso das prensas hidráulicas ainda dá por causa da alta taxa de compressão, mas mesmo assim, o mais tranquilo é mesmo no dia seguinte, ok? Abraços!

    ResponderExcluir
  104. Olá Robson, quero te parabenizar pelo blog. Há muito tempo tenho o interesse na fabricação do tijolo ecológico. Contudo sempre tive muitas duvidas e não encontrei as resposta em nenhum site ou blog. A minha única referencia, é um fabricante da minha região que sempre vendeu a ideia de que a prensa manual não presta, e que só garante o método construtivo por tijolos fabricados por prensas hidráulicas, pois o tijolo precisa de muita pressão no momento da prensa (acredito que isso tudo era para ele vender o seu peixe). Contudo, no seu blog entendi que a maquina manual é melhor. Resumindo a minha duvida.... O tijolo produzido pela maquina manual é melhor ou pior?
    Outra duvida, esse método construtivo é indicado para uma casa duplex ou tríplex?
    Tenho muito interesse em comprar uma maquina manual para iniciar a minha obra.
    desde já agradeço.

    Atenciosamente,
    Ramon Fernandes

    ResponderExcluir
  105. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  106. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  107. Olá Ramon, a maior questão é COMO PREPARAR E CURAR OS TIJOLOS. O resto é apenas história pra vender máquinas.
    Primeiro; Pressão excessiva não é necessário já que existe o cimento no composto. Fosse assim, não seria prensado, mas em concreto moldado.
    Máquinas hidráulicas, mecânicas e pneumáticas geram altos custos de manutenção embora digam que produzem prodígios, mas a questão é se se consegue comercializar todo o prodígio. Aconselho sempre a se começar com maquininhas manuais justamente para evitar dores de cabeça com estoques altos e caros. Sendo necessário depois, tudo bem, basta investir mais e adquirir esses equipamentos nunca deixando de lado as manuais para manter uma produção mínima.
    Um ensaio que fizeram dos meus tijolos pela ABCP em São Paulo, deu como resultado a média de 5,5 MPas em máquinas manuais, enquanto que um outro aqui veio me pedir socorro porque o dele feito em hidráulica, apesar de MAIS BONITO QUE O MEU (segundo ele) apresentou um MPa de 0,45, e a exigência da ABNT é de no mínimo 2.
    Resumindo, as máquinas manuais não dão manutenção ao contrário das outras. Tem boa produção e, caso queira mudar de ramo ou desistir, são mais fáceis de comercializar, desde que estejam em boas condições, é óbvio. Além disso, não exigem altos investimentos, eu comecei comprando uma recondicionada no início.
    O pessoal da SAhara, na época, comercializava essas recondicionadas mais baratos, porém com vida útil mais curta, mas servem para se treinar o trabalho até que se compre uma nova.
    A qualidade do produto vai depender mais do teu solo, sua mistura bem feita, e ...principalmente da cura do produto.
    Casas duplex ou triplex pode-se usar os colunamentos embutidos normalmente mas acima disso, é preciso utilizar colunas vazadas na parte inferior.
    Isso já é técnica do sistema modular não só do tijolo. Repare que nos grandes edifícios de apartamentos hoje em dia usam exatamente esse sistema de embutimento sem precisar daquelas enormes colunas de concreto que sobem até o último andar.

    Quaisquer outras dúvidas, estou por aqui.

    Abçs

    ResponderExcluir
  108. Boa tarde Robson.
    iniciei minha jornada com tijolo ecologico mais estou tendo um problema que nao consigo tirar o tijolo inteiro da maquina manual,
    ja gastei meio sacvo de cimento fazendo teste na massa , mais seca, mais umida nao acho soluçao, deste de ja te agradeço. abraço

    ResponderExcluir
  109. Boa Tarde Antonio, isso pode acontecer quando gruda na forma. Verifique se ela tem ranhuras. A estampa precisa estar bem lisa. Ok?
    Veja o comentário do Marcelo Henrique mais acima, talvez seja o mesmo problema que esteja acontecendo contigo, ok? abçs

    ResponderExcluir
  110. Boa noite, Robson!
    Muito interessante as explicações que você dá aqui!
    Comecei a tentar fabricar tijolo com uma ecobrava. Minha dúvida é seguinte: O único material que consegui uma boa aparência e peso foi o cascalho peneirado. Estou conseguindo tirar as peças de forma até fácil da máquina. A minha dúvida: você já viu ou ouviu relatos de alguém conseguir tirar as peças da máquina numa proporção de mistura de 8x1 ou similar e não conseguir a resistência mínima de 2MPA? e você já mandou seus tijolos para testes de resistência? Em caso afirmativo, há alguma medida a ser tomada para enviar os tijolos para o teste ou do jeito que saem fôrma, após a cura, é só mandar para o laboratório?
    Muito obrigado!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Sidney, primeiro é preciso saber qual o tipo do cascalho e sua performance junto ao cimento. Existem compostos que podem atrapalhar ou até inviabilizar a cura.
      Quanto à proporção, sem problema, já que o mais importante é a boa mistura e homogeinização e consequente cura adequada.
      Para fazer testes de rompimento, é só contatar laboratórios na sua região, peça ajuda aos que fabricam artefatos de cimento que poderão lhe indicar um.
      Eu nunca fiz teste com meus tijolos. Preferia que meus clientes fizessem, e um deles me deu uma cópia do relatório onde constava um MPa de 5.5 o que achamos excelente.
      Após a cura, é só mandar para o laboratório informando a data de fabricação para eles ok?
      Grato pela visita.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  111. CARO ROBSON, ESTOU A ALGUM TEMPO PESQUISANDO SOBRE SOLO CIMENTO, POIS PRETENDO ENTRAR NO RAMO. MINHA PRETENSÃO É MODESTA, MAS O OBJETIVO É PRODUZIR TIJOLOS DE QUALIDADE.
    JÁ ESTIVE EM SÃO PAULO, FALEI DIRETAMENTE COM O SIMPÁTICO SENHOR FRANCISCO DO GRUPO AGUILAR, FUI NA MONTADORA DA SAHARA. ESTOU PARA VOLTAR BUSCAR MINHA PRENSA MANUAL E PARTICIPAR DA FORMAÇÃO DA EMPRESA.
    REALMENTE UMAS DAS MINHAS PREOCUPAÇÕES, É ESSE PROBLEMA DE DOSAGEM, UMIDADE, E FORÇA DE PRENSAGEM NO CASO DAS HIDRÁULICAS. É UMA PERGUNTA QUE LEVAREI PARA O CURSO.
    MAS AO PESQUISAR SOBRE O ASSUNTO ENCONTREI O SEU BLOG.E POR SINAL, QUE TRABALHO.
    FICO ADMIRADO PELA SUA DISPOSIÇÃO DE AJUDAR QUEM ESTÁ EM DIFICULDADE, PARTILHANDO SUA EXPERIÊNCIA QUE DEVE TER CUSTADO MUITO TRABALHO. PARABÉNS MESMO.
    SEM EGOISMO VOCÊ SE COLOCOU NA REFLEXÃO SÉRIA, E OBJETIVA DE ESCLARECER DÚVIDAS QUE CERTAMENTE TODOS QUE OPTAREM PELO TIJOLO MODULAR, VÃO PASSAR POR ELAS.
    SEU ARTIGO E SUAS RESPOSTAS, SÃO AS MAIS ESCLARECEDORAS QUE VI ATÉ AGORA. MUITO OBRIGADO PELA PRECISÃO DE SEUS COMENTÁRIOS.
    ESTA INICIATIVA SUA ESTÁ EVITANDO QUE MUITOS DE NÓS INESPERIENTES PASSEMOS POR DORES DE CABEÇA, QUE MUITOS EGOISTICAMENTE NÃO NOS PERMITE TOMAR CONHECIMENTO.
    MAIS UMA VES PARABÉNS PELO SEU BLOG. E PELOS SEUS ESCLARECIMENTOS TÃO ÚTEIS A QUEM PENSA EM SOLO CIMENTO.
    VALDEIS ZANINI DE APARECIDA DE GOIÂNIA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Valdeis, grato pela visita e pelos elogios, mas só faço isso por gosto mesmo e se, conseguir ajudar a evitar que outros passem pelos problemas que passei, já me é um bom alento.
      Mande lembranças minhas ao grande Francisco Aguilar, pois sempre tive e tenho muita admiração pelo trabalho dele e sempre fui muito bem atendido .
      Obrigado novamente e se precisar, estarei por aqui na maior boa vontade.
      abçs

      Robson

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  112. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  113. boa noite Robson, parabéns pela iniciativa de ajudar o próximo!
    tenho uma duvida com relação a cura dos tijolos.
    Após a prensagem deve ser esperar uma dia para molhar o tijolo e deixa que cure por uns 7 correto?
    no dia seguinte a prensagem posso mergulhar os tijolos apenas uma vez e aguardar a cura por 7 dias em lugar coberto? terá uma boa cura?
    alguns dados para melhor compreensão; prensa manual, traço de 6x1 solo de 65% areia e 35% argila (solo vermelho)

    ResponderExcluir
  114. Boa noite Edmar; normalmente, os tijolos prensados em máquinas manuais, não ficam tão exageradamente prensados, e, portanto, possuem uma maior absorção de água. Diferentemente do que ocorre com outros equipamentos mais potentes, mecânicos, hidráulicos ou pneumáticos, que muitas vezes praticamente espremem os tijolos no limite. Sempre é bom manter uma taxa de compressão que permita que os tijolos absorvam a água para sua cura mais adequada. Tijolos muito prensados costumam ficar com as porosidades muito fechadas dificultando a absorção de líquido e, portanto, na parte interna pode não ter a umidade suficiente para uma cura adequada. Isso eu percebi no trato mesmo. Quando você submerge um tijolo feito na manual logo no dia seguinte, ele vai absorver muita água logo de inicio semelhante a um sonrizal e nesse processo pode ocorrer desmoronamentos nas superfícies dele. O importante é molhar no dia seguinte logo pela manhã e deixá-los bem encharcados e cobrir repetindo a operação nos primeiros 3 dias e SEMPRE MANTER COBERTOS para evitar a ação do sol e do vento. Eles ficarão até quentes devido ao processo de cura. Se quiser deixar em submersão na água, aguarde pelo menos uns 3 dias que assim, não haverá o tal efeito sonrizal e ele terá uma constituição mais petrificada.
    Já os tijolos feitos em máquinas automáticas, esse efeito pouco ocorre devido à prensagem maior eliminar boa parte da porosidade, e ai sim, pode ser colocado submerso que seria até melhor já que a simples "molhação" não é suficiente para que ele absorva a quantidade de água necessaria.
    O solo que me diz, parece bom, e o traço nem precisa ser tanto. Sempre trabalhei com o traço de 7 x 1 e, segundo análise, depois de uma boa cura, apresentou um resultado de 5.5 MPa o que vai muito além dos 2 exigidos pela ABNT.
    Mas fique atento principalmente A MISTURA. O grande segredo do solo-cimento é mais a homogeinização. Tudo o que é feito com cimento precisa ser muito bem misturado triturado e homogeinizado.
    Eu tenho uma trituradora usada ainda se tiver interesse em usá-la.
    Espero ter ajudado, qualquer coisa estou por aqui e tb agora no Whats Up 19 99123 5128. Ok?
    Abçs

    Robson

    ResponderExcluir
  115. Boa noite Robson, eu e meu pai compramos algumas maquinas para começar nossa pequena fabrica de tijolos ecológicos, como: a betoneira, o triturador, a prensa manual, falta mais algo que não sabemos? mais o nosso problema está sendo na prensa é que quando prensamos partes pequenas solo ficam agarrados no molde, assim fazendo o próximo tijolo sair com deficiência eu não sei o problema disso. preciso de ajuda.. a prensa é da Vimaq

    ResponderExcluir
  116. Bom dia Wisley, esquece a betoneira, ela é para o preparo de concreto e não de solo-cimento. quando muito pode ser usada para uma "pré-mistura" mas não pode ter umidade, senão, irá formar bolinhas. Use a trituradora e passe o material duas vezes bem misturado.
    Quanto a grudar no molde, é porque ou ele fica úmido, ou não está bem liso. Máquinas manuais não tem uma resistência para aquecer as formas e, por isso, quando ficam úmidas, costumam colar, mas é necessário pequenos procedimentos rápidos com uma espátula e um pincel grudados no silo para quando isso ocorrer, limpar a forma rapidamente. Verifique se ela está bem desbastada porque existem fábricas que não dão esse acabamento direito e a forma fica com micro poros que fazem a massa grudar.
    abçs

    ResponderExcluir
  117. Parabéns pelo blogue Robson.... Tô pensando bem montar uma pequena fábrica de tijolo ecológico em minha cidade, ainda bem que não tinha comprado nada, pois lendo aqui no seu blog descobrir que não preciso gastar muito pra iniciar meu projeto. Minha dúvida é: o que comprar no início? Que máquinas devo adiquirir? Porque já sei que a betoneira não vou precisar.... Valeu amigo pela atenção.

    ResponderExcluir
  118. Olá amigo, não precisa gastar nada mesmo, só tempo para primeiro, conhecer o máximo possível sobre esse produto e sua aplicação, depois , se o mercado em tua cidade pode absorver uma produção, só então verificar a disponibilidade e o tipo de solo se é adequado ou precisa de correção. Após esses estudos, é que se começa a pensar em um local adequado, e por fim os equipamentos que podem, de início, até serem de segunda mão, e só então, depois de algum treino, começar pra valer.
    Não estou desanimando não, mas mesmo fazendo isso, encontrei muitas dificuldades até aprender.
    Obrigado pela visita e aproveite para ler ai acima as perguntas e respostas que tem muita informação que vai te ajudar bastante.
    Qualquer outra dúvida, basta me escrever ok?
    Abçs

    ResponderExcluir
  119. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  120. boa tarde estou passando por um problema e preciso muito de orientação, construí uma casa com este tijolo ecológico de solo e cimento faz uns 5 meses, e de algumas semanas para cá as paredes estão enchendo de trincas, já verificamos o alicerce esta intacto e a laje também, fizemos tudo como manda a construção com este tijolo deixamos ele aparente passamos rezina no lado externo e pintamos por dentro mas agora cada dia parece uma nova fissura nas paredes,
    mandamos o tijolo para fazer um ensaio para ver se passa nas normas de fabricação, estou desesperada não sei oque fazer, preciso muito de uma orientação por quem já passou por isso....
    samiragugui@hotmail.com

    ResponderExcluir
  121. Boa tarde, Odair, eu não era construtor, apenas fabricante, no entanto, presenciei muitos problemas de diversas origens, como os que você citou. Caso não seja mesmo um problema na fabricação, com certeza é na forma de construir. Uma das coisas que eu sempre alertei meus clientes era de que, não deveriam assentar sem nada ou só com uma "colinha". Os tijolos, por mais caprichados e perfeitos que sejam, sempre irão ter diferenciações, mesmo que milimétricas de altura. Por isso, é sempre importante colocar algum tipo de suporte (massa) para assentamento no caso de construção à vista. Quando um tijolo fica mal apoiado e vai recebendo peso acima, obviamente haverá um esforço de contenção maior na superfície que ficou sem calço, podendo então ocorrer o rompimento e passando o problema para o tijolo superior e assim por diante, num efeito dominó. Não é um problema estrutural, mas sim de assentamento. Nesse caso específico, para se corrigir o problema "estético" não vejo outra solução, que não o rebocamento das paredes, infelizmente.
    Todo material de assentamento, deve ser colocado com algum calço. Quando utilizam apenas cola, não funciona muito porque a cola não tem corpo suficiente para calçar. O certo mesmo é usar um filete bem pequeno de qualquer massa que possa calçar os tijolos ok?
    Qualquer coisa estarei por aqui
    Abçs
    Robson

    ResponderExcluir
  122. Ola Robson de Oliveira, muito interessante seus comentários e parabéns por eles. Tenho interesse de entrar no ramo de produtos sustentáveis englobando os tijolos e blocos de solo cimento. Já tenho certa experiência com artefatos de concreto, nunca produzi blocos, mas acho que o bloco de concreto, (apesar do seu tamanho e resistência, benefícios com economia de madeiras para caixaria, maior aceite dos construtores em relação ao tijolo modular ) é uma alternativa cara, e tem muitos problemas com umidade, desde a obra a moradia. Minha dúvida seria: por que não produzir o bloco de solo cimento da mesma forma e no mesmo formato do bloco de concreto?? Isso é possível dar certo?? Se o bloco de concreto fica resistente na forma que é produzido, por que a utilização de solo cimento não ficaria também?? Minha ideia se baseia em reduzir o custo do bloco (tamanho x praticidade x preço) pois a areia e o pó de pedra utilizados na produção do bloco de concreto, são bem mais caros que o próprio solo a ser utilizado, por mais que necessite um trabalho maior com trituração e tal, acredito poder diminuir o custo de produção e consequentemente o valor final do produto, pois o processo de produção seria o mesmo, dando uma alternativa mais barata ao consumidor nestes momentos de crise. No concreto também é aconselhado a cura mantendo o produto úmido o maior tempo possível, mas poucos o fazem... Poderia me ajudar com algum comentário se essa ideia pode dar certo, pois seria uma opção nova no mercado, um projeto piloto, mas é claro quero fazer alguns teste anter de sair comprando uma maquina de blocos... rsrsrs Obrigado desde já.

    ResponderExcluir
  123. Boa noite Gabriel. Sim, a depender do local, os insumos dos blocos podem ser mais caros que em outros lugares. No entanto, existem alternativas como por exemplo, os resíduos de construção moidos.

    Eu mesmo fiz testes com bons resultados, embora sem análises laboratoriais com pedaços dos tijolos de solo cimento. Aqueles cacos que toda fábrica tem e que não dá pra se reaproveitar. Fiz separações granulométricas e usei um bom traço para o reaproveitamento e consegui bons blocos e pavers resistentes e mais leves. Se tornaram bem interessantes para que já tem uma fábrica de tijolos poder reaproveitar o material reduzindo os custos de produção.
    Eu sei que existem impedimentos quanto aos resíduos da construção pelo fato da tal argila calcinada (telhas, e tijolos queimados) que aparecem na mistura, mas poderia se trabalhar em acordos com usinas de reciclagem montando parcerias ou adquirindo equipamentos e tendo serviços de triagem para só obter as partes de concreto reaproveitáveis... Sempre insisti nisso e busquei parcerias interessadas nesse reaproveitamento. Infelizmente, tive que parar antes de poder concluir minhas experiências.
    Mas eu acredito que uma solução mais viável para a confecção de blocos, pavers e outros artefatos semelhantes, possam sim, passar a ser fabricados mediante o uso desse material que é sempre desperdiçado em grandes quantidades causando impactos ambientais incalculáveis e consequente desperdícios de recursos que poderiam ser melhor reaproveitados.
    Podemos discutir o assunto caso tenha interesse.
    abçs

    ResponderExcluir
  124. Robson, em relação a cura do tijolo ecológico, a molha é recomendada com intervalo de quantas horas? Estou produzindo para consumo próprio e o local e coberto e sem fluxo de ar.
    José de Pádua

    ResponderExcluir
  125. Boa noite, José, na verdade, não existe um período. O importante é manter eles sempre úmidos, encharcados se possível. Se você encharcar bem, basta cobrir e só dar uma molhada diariamente e voltar a cobrir.

    ResponderExcluir
  126. Na verdade estou usando um timer para acionar uma valvula solenoide, ele irriga os tijolos por 3 minutos a cada 2 horas. Pensei estar molhando demais e acabar atrapalhando a cura. Conforme havia conversado anteriormente, usei um picador de capim com saída inferior, pois as com saída superior iriam entupir com o pedo da terra, e consegui um resultado muito bom, custou apenas 600,00 e destorroa bem e quebra os grumos criados pela umidade. Agora é esperar completar os 7 dias para testar a resistência.

    ResponderExcluir
  127. Robson, acho q realmente molhei de mais, os tijolos foram feitos na quarta e ainda estão macios a ponto de ser possível marcar com a unha. Estão firmes mas é possível marcar. Após secar que os tijolos endurecem?

    ResponderExcluir
  128. Bom dia José, lembre-se que estamos tratando de solo-cimento, e não concreto. É normal enquanto úmido existir essa baixa resistência superficial. O importante é depois de seco. Quando eu utilizava máquinas manuais, só podia submergir os módulos em água após uns 2 ou até 3 dias, isso porque a máquina manual não excede na compressão e permite alguma porosidade nos módulos, essa porosidade é necessária para que ele possa absorver a umidade, ao contrário das outras máquinas mais fortes que no dia seguinte mesmo podia-se mergulhá-lo já que a porosidade era pequena. Isso é que influencia na taxa de absorção que é tão importante quanto a de compressão.
    Durante a prensagem, se for demasiada, o ar é quase que totalmente expelido, se for pouca, deixa muita porosidade, dai que se colocar direto dentro de um tanque, irá fazer como um sonrisal soltando as bolhas de ar para que o líquido possa tomar o lugar desse ar, acontece que nesse processo, o módulo costuma também se dissolver, sendo necessário molhá-lo bem antes de submergi-lo completamente.
    Já os muito prensados, quase não tem ar dentro, e, portanto, não ocorre esse processo do tipo sonrisal.
    Todo produto feito com cimento, deve ser molhado ao máximo possível dentro da capacidade de sustentação do material. A água produz uma reação no cimento que inicia o processo de petrificação, uma espécie de agulhamento que vai se expandindo ligando o cimento às partículas de areia. Esse processo, pode durar até quase um século para ter 100% de cura, mas com 7 dias já está ai na casa dos 50% ou mais, com 28 em 70% e dai vai desacelerando.

    ResponderExcluir
  129. obrigado antecipado pela resposta:
    Estou construindo uma prensa hidráulica fora de linha. Gostaria de saber quantas toneladas seria o ideal para tijolos à vista, levando em conta beleza e qualidade, já otimizada as etapas anteriores.
    e quantas horas serão necessárias de ¨descanso¨para colocar os tijolos em submersão total.

    ResponderExcluir
  130. Bom dia Pedro, uma boa prensagem fica por volta entre 6 a 8 toneladas de compressão. A variação da porosidade é por conta da umidade da massa. Muito úmida, é necessário preencher a câmara com mais material, já muito seca, com menos. Já para colocar em imersão, convém manter os módulos bem encharcados por um dia e no seguinte submergir mas tendo o cuidado de observar se já estão bem encharcados para evitar o efeito sonrisal. Abçs

    ResponderExcluir
  131. Boa noite! Parabéns pelo blog, muito esclarecedor. Tenho uma prensa manual e estou fazendo testes. Estou usando um solo com 75% de areia. Os tijolos estão grudando na forma. Creio que seja muita umidade ou pouca areia, é isso mesmo?

    ResponderExcluir
  132. Boa noite!!!
    Muto obrigado por tirar minhas duvidas antes de pergunta.
    que Deus abençoes sua vida, sua casa e sua família em nome de Jesus!!1

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O CIDADÃO, O SÚDITO E SEUS ORIFÍCIOS

COELHOS NA PISCINA