UMA MENSAGEM DO VENTO

Quando iniciei esse meu "canto de despejo", minha intenção era, a princípio, partir para assuntos mais, digamos, ecológicos como mais um defensor da natureza ou militante de uma causa. Mas que causa? A ecológica, é claro!  Logo vi que não tenho muito jeito pra isso. Não gosto de ser confundido nem de me prestar a defesas das quais só tenho dúvidas. Prefiro ficar num elevado no campo e tirar minhas próprias conclusões através dos sons emitidos pela maior interessada no assunto. Tenho comigo que a natureza não pode ser destruída, ela só pode ser transformada. Mesmo que detonemos todo o arsenal atômico do planeta, mesmo que despejemos todos os detritos guardados, mesmo que queimemos o mundo inteiro, a natureza vai estar lá. Nós e que não!!!

Portanto, o que podemos sim fazer é apenas "modificar" essa natureza. Talvez de uma forma tão radical que nenhum ser vivo possa sobreviver de início, mas com certeza ele se recupera, se adapta e volta a evoluir.
Assim aconteceu com nosso mundo através das eras.

Isso é o que o vento me conta. Os deuses sopram suas narinas e recebem de volta seu último suspiro. Entre um e outro, temos os movimentos que nos escrevem o que somos e o que seremos.

Segundo o próprio princípio da física, nada se destrói, tudo se transforma.

Se um dia formos atacados e destruídos por forças alienígenas, com certeza, depois de algum tempo estaremos nas escolas aprendendo o quanto fizemos os antigos habitantes desse planeta sofrerem até serem totalmente exterminados....e a evolução continuará....a vida irá seguir.

Afinal de contas, o interminável cosmos, o indecifrável universo, o incalculável e monumental espaço poli-dimensional ou multidimensional  está muito além dos horizontes das religiões ou da própria ciência. Uma tira o sentido, a outra busca o próprio.

O mundo pode estar aquecendo? somos os culpados? será????  Uns dizem que sim, outros que não...bem...enquanto estiverem DIZENDO, tudo bem.  Mas a raça humana sempre encontra e encontrará caminhos para mergulhar em soluções. Talvez não sejam aquelas apocalípticas tão pregadas por fanáticos religiosos, nem aquelas insinuadas por cientistas buscando alguma expressão.

Eu acredito piamente que; enquanto crianças estiverem nascendo, é porque os deuses ainda tem planos para nós.

Não....não abandonei meu "Zé".  Ainda sou parte dele. Só que os caminhos vão mudando, as células vão se renovando, o universo vai seguindo seu curso e todo movimento se repete indefinidamente.

As dualidades só nos confundem. A unicidade talvez seja a razão, a forma mais expressiva de nos encontrarmos em nós mesmos e mandar à merda todos os conceitos, tabus, dogmas e raciocínios que sempre nos impedem de decifrar o "enigma esfingeano"  ou quem sabe a tal verdade que liberta.

A natureza?  Ela vai bem obrigado....



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLO ECOLÓGICO - PROBLEMAS COM UMIDADE NA CONFECÇÃO

O CIDADÃO, O SÚDITO E SEUS ORIFÍCIOS

COELHOS NA PISCINA