UMA BOA LEMBRANÇA VERDE-OLIVA

Em meus tempos de farda, lá pelo ano de 1981, durante as costumeiras secas de setembro, estávamos em treinamento acampados em São Paulo na região próxima a Barueri, quando, perto da
 hora do rancho (almoço), vimos uma grossa fumaça subir por trás das colinas. Estávamos no meio de um pequeno vale cercados por três morros com apenas uma única saída.  Sempre fui contestador e questionador e me lembro de ter levado mais uma bronca sobre achar aquele local muito estúpido para um acampamento de uma tropa.  Mas o assunto que me fez lembrar disso não passa por conceitos de estratégia militar, e sim, da prática militar útil realmente.

A fumaça cresceu por trás das colinas, se espalhou e mostrou o que vinha atrás.  Labaredas imensas brotaram repentinamente em linha vindo para a crista dos morros.  Uns sitiantes chegaram rapidamente dizendo que houve um "descontrole" e que os bombeiros já haviam sido chamados mas estavam apavorados porque ventava e o fogo crescia rapidamente e devorava agora já o começo do seco declive em direção ao vale onde estávamos acampados.

O período seco, com vegetação alta, era tudo o que as chamas precisavam.  Houve o toque de alarme, reunião da tropa e enquanto alguns recolhiam o acampamento, equipamentos e viaturas, outro grupo maior foi designado para coletar tufos de moitas rapidamente e formar uma linha paralela a da frente das chamas.  O grupo que retirou os equipamentos logo voltou para reforçar a limpeza de uma faixa atrás de onde estávamos para o caso de não termos sucesso no combate às enormes labaredas que cresciam e diminuiam a cada touceira que atingiam.

Nosso comandante então, depois da fileira pronta disse que quando apitasse longamente, teríamos que avançar contra o fogo e abafá-lo o mais rapidamente possível, e quando ele desse sinais intermitentes deveríamos recuar bem rápido.

Por estarmos num vale, a fumaça seria a maior ameaça, então, com lenços ou camisetas molhadas em volta do rosto aguardamos que as chamas chegassem mais perto e diminuíssem de altura para,  assim que isso acontecesse, fossemos todos juntos bater e abafar o fogo.

Aconteceu umas quatro ou cinco vezes e conseguimos dominar as labaredas.  Parte avançou enquanto outros iam destruindo todas as moitas maiores atrás de nós ajudando a diminuir possíveis combustões após debelarmos o fogo principal.

Em seguida, com tudo o que tínhamos à disposição para o rescaldo, buscamos água do riacho próximo e rescaldamos toda a área.

Foi meu momento de maior emoção no exército.  Havíamos mesmo feito algo de útil !  Trabalhamos  tão rápido que os bombeiros quando chegaram depois, apenas pararam suas viaturas e pousaram seu helicóptero que não mais seriam necessários enquanto cumprimentavam nosso comandante e nos agradeciam.

Não houve danos, não houve ferimentos, nada mais que uma ou outra queimadura leve em alguns poucos, mas todos, apesar da fuligem nas caras sorridentes e cansadas ainda aparentando certo misto de susto e realização, comemoravam muito felizes.

Nessas horas eu gosto de sair para o lado e buscar um espaço mais reservado para ficar observando apenas.  Subi um pedacinho do campo calcinado ainda fumegante para ter uma visão de tudo aquilo.

Meninos fardados comemorando a vitória tendo ao fundo um amontoado de viaturas.  Oficiais das forças armadas e auxiliares se congratulando, e preenchendo relatórios. Um helicóptero pousado.

Subi então o resto da colina rapidamente para ver o outro lado.  O fogo havia começado beirando uma estrada e subido rapidamente pela encosta.  Se não estivéssemos ali acampados, com certeza iria ultrapassar aquele pequeno vale e se espalhar pelos outros morros.  Acho que fomos úteis naquele dia.

Sim...  acho que fomos sim!!!

http://www.horadopovo.com.br/2012/02Fev/3033-17-02-2012/P3/pag3a.htm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLO ECOLÓGICO - PROBLEMAS COM UMIDADE NA CONFECÇÃO

O CIDADÃO, O SÚDITO E SEUS ORIFÍCIOS

COELHOS NA PISCINA