VITÓRIAS E DERROTAS

O que aconteceu ontem foi, na minha opinião, e de alguns outros especialistas no assunto, uma vitória fantástica da competência em cima da malandragem.  Acabou o tempo das firulas e os tais jogos-de-cintura, da malemolência e da exclusividade da sorte.  Os alemães provaram que até no futebol, os vencedores são os que melhor se preparam. Demonstraram isso como nação que se recupera de tragédias históricas e agora também as leva para os esportes. Não me espantaria se os germânicos despontassem em pouco tempo como os líderes mundiais em todos os setores.

O time brasileiro vinha jogando como sempre jogou. Com malandragem, um pouco de técnica e sempre contando com o brilho da sorte, e  mais algum mito futebolístico para lhe servir como guia.  A imprensa lhes comendo nas mãos.  Dia sim, o outro também tentando saber o que os jogadores faziam, comiam ou, quem sabe, até a textura de suas fezes.

O Brasil sempre foi muito mais do que uma pátria de chuteiras. Mas é sempre "esquecido" disso durante esses eventos.  Dá-se o mesmo nas olimpíadas em que vemos atletas esforçados terem até que sustentar seus próprios custos e treinos em outras modalidades enquanto que nossas seleções de futebol recebem tratamentos diferenciados, quase monárquicos.

Também torci e também sofri ontem com a humilhante derrota por 7 a 1.  E sei que caberiam ai mais uns 10 gols da Alemanha dada a fraqueza e despreparo do nosso time. Chegamos ao cúmulo de assistir um jogador alemão se desculpar pela goleada.  Eles se prepararam para jogar futebol. Eles treinaram como profissionais, eles usaram técnica, destreza, o tal futebol alegre que sempre nos foi rotulado agora foi demonstrado pelos germânicos como uma  lição a ser aprendida.  Se queremos vencer como Nação, é assim que temos que agir. É dessa forma que se conquistam as grandes vitórias em todos os quesitos, seja no esporte, na política, ou na vida como um todo. Com profissionalismo, seriedade, humildade, honestidade e acima de tudo, treinamento de precisão. Praticamente todos os gols do primeiro tempo foram com toques perfeitos de primeira.  Cada jogador dando apenas um toque preciso para o último balançar as redes. Isso foi fantástico.  Não sou apaixonado por futebol, mas realmente tive que aplaudir a Alemanha.

Os "chororôs" dos jogadores ao final da partida também não me comoveram. Eles são milionários e vão voltar para seus clubes fora do Brasil para continuar a ganhar suas fortunas. O que me comoveu, foram as crianças levadas ao estádio e também aquelas outras Brasil afora se debulhando num sentimento de fracasso e desilusão.  Essas crianças é que me comovem, pois são o futuro desse país.

Mas encontrar culpados agora não será o que nos fará melhorar nesse futuro. Não me interessa se foi o técnico Felipão, se foram os jogadores, se foi Dilma ou o PT, se foi  o "Rolling Stone" que estava assistindo, ou a minha filha mais velha que não usou a camiseta amarela da sorte. Não precisamos de bodes-expiatórios nem de talismãs!  Precisamos apenas tirar as chuteiras da Pátria e vestir a consciência de que somos seres humanos como quaisquer outros no mundo. Que temos limitações, que precisamos aprender, treinar, sermos sérios mais do que adeptos das malandragens que cavam pênaltis e faltas.

É hora de voltarmos nossas vistas para a real situação do nosso país que vai a cada dia perdendo mais colocações em todos os rankings do planeta ou alçando rankings negativos.  Esse papo de "sou brasileiro com muito orgulho"... só nos trará sempre a vergonha desnecessária.  Sou brasileiro e sou humano e é só.

Nossos potenciais estão e sempre estarão acima das chuteiras. Nossos potenciais são imensos...

...será que é tão difícil compreender isso????

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLO ECOLÓGICO - PROBLEMAS COM UMIDADE NA CONFECÇÃO

O CIDADÃO, O SÚDITO E SEUS ORIFÍCIOS

COELHOS NA PISCINA