COTAS RACIAIS POR CUSTOS SOCIAIS

Já é motivo de discussões acaloradas por todos os lados. Seguem-se os confrontos de argumentações.
Eu, particularmente, costumo, digamos, até fugir desses debates. Não por desconhecimento nem por envolvimento militante. Acontece que considero até vergonhoso tal assunto.

Mas não dá pra fugir o tempo todo e todo o tempo!

A famosa questão das cotas que, parece,  haverá uma tal flexibilização. Bastou se dizer contra essas cotas para ser taxado na hora de racista.  Não vou entrar nesse mérito, até porque já explicitei bem o que sinto nessas discussões num texto aqui posto de nome " A MALDIÇÃO DOS OLHOS VERDES"!    Está no meu arquivo, caso a preguiça atrapalhe, está exatamente aqui;  

http://ecoblog-blogeco.blogspot.com.br/2010/11/maldicao-dos-olhos-verdes.html

Considero que o Brasil, não é um país racista. Temos sim, muito preconceito o que chega a ser até pior que o racismo declarado. O preconceito é covarde, age pelas costas, pelas sombras da aparente amabilidade. O racismo já busca a agressão pura e simples.

Mas não concordo de forma alguma que devamos algo aos ditos de raça negra. A história já condena os que praticaram tais barbaridades. Não fui eu, não fomos nós que nos envolvemos em capítulos tão medonhos e desprezíveis para o ser humano. Foram nossos antepassados há mais de um século atrás. Se débitos fossem acumulados pelas civilizações, então a Alemanha teria uma monstruosidade com os Israelenses, que, afinal, são mais recentes que o nosso período em questão!

Na questão das tais cotas para as universidades, dizem, é para que o negro pobre consiga se colocar na mesma. Mas e o pobre branco?  Se levarem em consideração que, somando-se os negros, pardos, mulatos e mestiços e brancos são mais vítimas de um ensino básico deficitário por incompetência do Poder Público, veremos que estão usando um mecanismo até cruel e extremamente divisor, além de injusto, para justificar essa incompetência. Querem ser populares e progressistas tentando concertar o efeito ao invés da causa.

Teremos então cotas para negros no funcionalismo público?  Por que então não abrimos os mesmos parenteses para as vagas eletivas?  Um exemplo. Um branco recebe trocentos votos, mas por questão de cunho cotista, é obrigado a ceder sua vaga ao candidato que recebeu somente um voto (o dele).

Essa briga pesada e bisonha do ponto de vista humanitário, serve apenas para avivar a chama da contenda racial.  Qualquer brasileiro que disponha a se beneficiar de tal programa, eu tenho certeza que sentirá até vergonha de ter conquistado seu espaço ao custo de tais "benefícios sociais".

Se querem uma chegada justa, arrumem a largada. Deem chances iguais em vez de produzir deficiências e maquiá-las com soluções idiotizadas e populistas. Invistam na escola pública ora essa!

Eu sempre busquei combater qualquer tipo de orgulho justamente para não alimentar também o seu oposto, a vergonha.  

Mas sinceramente...

...às vezes, tenho uma imensa vergonha de fazer parte de tal sociedade e suas "soluções decadentes"!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLO ECOLÓGICO - PROBLEMAS COM UMIDADE NA CONFECÇÃO

O CIDADÃO, O SÚDITO E SEUS ORIFÍCIOS

COELHOS NA PISCINA