DAS PENAS DAS AVES ÀS PENAS DA LEI

Há muitos anos eu ainda discutia sobre a questão indígena. Há muitos anos, eu adotava ainda uma linha de pensamento defensivo para com aqueles que considerava os verdadeiros donos da terra. Mas de que terra afinal?
O homem branco, por assim dizer, invadiu e se apropriou de extensas faixas de terras. Fundou ali uma Nação.   Nasceu, cresceu e morreu durante incontáveis gerações.  Os índios fizeram o mesmo, só que muito antes de estarmos aqui. Eles também lutaram, tomaram outras tribos, expulsaram seus integrantes e fundaram suas nações. É a história do mundo. Nada que mais nisso!

Minha defesa para com esses seres, passava pela crença de que eles ainda não haviam adotado nossa civilização. Que eles ainda podiam e viviam em condições análogas às suas tradições.

Mas não. Muito pelo contrário.  Os índios de hoje, estão totalmente integrados ao sistema. Fazem parte dele como qualquer um de nós. Dirigem carros, portam objetos tecnológicos, trabalham, estudam, enfim, vivem como nós...!

Salvo raras exceções que ainda se encontram em estado puro dentro de densas florestas ainda não exploradas nos confins do Brasil, esses indígenas atuais, nada mais tem de indígenas a não ser sua imagem física. Aliás, bem parecida com a dos povos sul-americanos.

Hoje, eu parei de discutir sua defesa pelo simples fato de que; não tem mais o que defender a não ser a sua cultura. Mas isso pode ser preservado em museus, arquivos, imagens etc. Não há a necessidade de explorarmos mais ainda essa raça maravilhosa, até porque, não existem mais seres pertencentes à ela.

O índio puro se contaminou.  Estamos mantendo uma crença injusta com eles de que eles podem sim, lutar ainda por suas identidades.  Mas qual delas? A do guerreiro que sustenta com caça e pesca suas comunidades?  A da índia que cria e alimenta seus rebentos e tece ou produz utensílios?  Não....eles não vivem mais assim. Estão agora definitivamente incorporados aos povos que os dominaram como aconteceu durante milhares de anos na história universal.  Não vemos tribos bárbaras sendo protegidas na Europa para  manterem seus costumes.  É certo que desapareceram, mas mesmo que ainda houvessem integrantes, não haveria o porque de mantê-las no cativeiro da estagnação.

O mesmo segue com os indígenas que se integraram. Não são mais índios. São brancos civilizados agora.

Adotaram nossos costumes, assimilaram nossas leis e participam ativamente da vida social. Pra que então serem confundidos?  Tratados como super ou sub-raça?  Pra que iludi-los com promessas que mais cedo ou mais tarde serão quebradas?  O progresso de um Nação exige o seu preço. Nada podemos fazer quanto  a isso.  Gritar, berrar, espernear, só fazem o remédio ser mais amargo e doloroso.

Afinal de contas...pra que preservar essa cultura que já não mais existe de verdade?

Os próprios índios mais jovens cometem suicídio por já ter conta dessa realidade que lhes tira qualquer identidade.  Maldade é o que estão fazendo com esses povos nesse sentido. Se um dia os escravizamos, se um dia tomamos suas terras,  se os matamos.  Fizemos o que todos os povos fizeram. Assim como podem fazer conosco um dia, qualquer grupo superior, sei lá, de origem extra-terrestre....e daí?

O que não pode  é continuar enganando, criando falsas esperanças, abrindo mão de benefícios para chafurdar na inconsistência antropológica.  Não há mais espaço para isso. Só para aqueles que querem conquistar espaço como defensores e angariar frutos políticos ou financeiros com essa questão.

Mais uma vez, os indígenas estão sendo usados contra eles próprios. Mais uma vez, encontramos uma forma melhor de exterminar o que já não existe de fato.

Que se mantenham intocados apenas aqueles que ainda não foram infectados. Esses sim. Devem ser preservados de quaisquer contatos. Devem ser localizados e mantidos isolados a qualquer custo. Eles existem ainda na densa floresta.  E somente estes ainda podem ser considerados por nós, os civilizados, como os verdadeiros selvagens.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLO ECOLÓGICO - PROBLEMAS COM UMIDADE NA CONFECÇÃO

COELHOS NA PISCINA

O CIDADÃO, O SÚDITO E SEUS ORIFÍCIOS