MEIAS VERDADES...MEIAS MENTIRAS E, NADA POR INTEIRO!

Sempre foi dito e sabido que, nas guerras, a primeira vítima é sempre a verdade. Eu concordo. Estamos presenciando no Brasil, uma verdadeira guerra na internet alimentada pelas diversas mídias, tanto as governistas quanto as oposicionistas, motivo pelo qual o governo odeia tanto essa exposição.

A internet, afinal de contas, veio para colocar todos eles completamente nus diante do cidadão. Não há como escapar desse novo período, seja nas redes sociais, seja nos noticiários, enfim, o cidadão comum passa a ser bombardeado diuturnamente, com mentiras, verdade, e meias verdades a depender do resultado que se espera desse bombardeio.

Antigamente, o sujeito comprava o jornal, lia e, no máximo xingava e comentava com os amigos. Alguns passavam só pelas páginas policiais, outros pelos horóscopos e outras trivialidades comezinhas.

Hoje em dia ficou tudo junto e misturado. Se alguém frequenta páginas policiais, vai encontrar políticos, humor? políticos, e até nas costumeiras trivialidades eles estão lá.  Quase não existe uma forma de escapar.  Para alguns isso é normal, sempre foi assim e sempre será.  O que importa mesmo é ir lá e votar seja em qualquer um ou um qualquer, não faz diferença, desde que se pratique o ato de cidadania.  Mas é isso???  Isso é ser cidadão?  Apenas cumprir com o dever que na verdade é apenas um direito e não uma obrigação?

Depois fica-se com fora isso fora aquilo e a batalha recomeça.

Não se pode acreditar em tudo o que as mídias produzem, mas também, não se pode acreditar em "nada" que governantes também produzem.  Tudo, no Brasil, se resume a apenas interesses próprios ou partidários.  Nenhum realmente tem interesse na seriedade nacional, estadual ou municipal.  Só querem mesmo se dar bem, ou preparar o terreno para mais à frente!  Se houverem exceções, mesmo essas ficam contaminadas pela pura e simples aceitação e até uma comunhão de cumplicidade.

Sempre foi dito que o voto é uma arma.  Que podemos usar essa arma para mudar tudo isso. E estamos mudando em que?  Pelo visto, os que ainda insistem em usar essa arma, apenas o fazem para cometer suicídio.  Além do que, o sistema eleitoral não é confiável.

Tenho visto inúmeras autoridades contestarem a segurança eletrônica de nosso sistema eleitoral, muito definem por A + B os motivos que atestam, mas existem os contrários que defendem, porém, não se atrevem a elaborar e comprovar qualquer equação, apenas defendem e só!

Meu último voto foi no tal  "caçador de marajás" e desde então, me recuso a fazer papel de soldado suicida. Faço questão de comparecer às urnas e anular meu voto.  Não vou ficar nessa de escolher o menos pior e depois, sair por aí berrando fora esse ou fora aquele.  Exijo sim, por pagar altíssimos impostos, como todo mundo, que respeitem ao menos a lei.

Se e quando, o voto no Brasil for instituído como facultativo, ou seja, o que vigora em toda real democracia e o mesmo for também substituído pelas mais confiáveis cédulas de papel, dai sim. Eu volto a exercer plenamente o meu direito constituído.

Essa continuará sendo a minha arma... o não uso da arma descarregada que me confiaram. Porque, afinal de contas, parafraseando uma propaganda antiga dos anos 70 sobre a violência no trânsito, eu só tenho a dizer que;  "não faça do seu voto uma arma....
...a vítima poderá ser você...!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLO ECOLÓGICO - PROBLEMAS COM UMIDADE NA CONFECÇÃO

O CIDADÃO, O SÚDITO E SEUS ORIFÍCIOS

COELHOS NA PISCINA