COELHOS NA PISCINA

Me lembro de uma experiência prática que demonstrei para minhas filhas quando pequenas e me questionaram sobre o porque de grande número de pessoas se afogarem por aí.
Nas praias, nas piscinas, nos lagos, enfim, por todos os lados onde existirem grandes volumes de água, sempre haverá gente morrendo afogada.

Não precisaria ser assim, excetuando-se situações em que realmente não há como escapar facilmente como num naufrágio ou condições extremamente agressivas do ambiente aquático, qualquer pessoa pode nadar. Qualquer um que tenha os membros, ou até os que porventura não os tenha, consegue se manter na superfície. O que mata é o medo. O que afoga é o pânico.

Mas voltando à experiência, tínhamos um casal de coelhos, daqueles bem orelhudos que nunca viram um volume de água superior à pequena quantidade disposta em suas vasilhas.

Conversávamos junto à piscina delas montada para que se divertissem, quando então fui até o viveiro dos bichinhos, e os peguei um em cada mão.

Disse à elas, que todos os animais, sem exceção, sabem nadar unicamente "por instinto" e que nós não fugimos à regra!

Lancei então aqueles dois coelhos no meio da piscina para desespero das duas, que logo em seguida se calaram quando viram o que pareciam até duas lontras deslisando garbosamente buscando sair daquele local. Confesso que até mesmo eu me admirei com a destreza do nado daqueles animais.

Elas entenderam, disse que tinha até um vídeo de uma propaganda que mostrava um elefante nadando, acho que era de uma marca de refrigerante, não me lembro.

A água, é nosso elemento mais fundamental. Existem bebês recém-nascidos que já nascem nadando, do jeito deles, mas conseguem.

Tudo o que precisamos quando estamos correndo algum risco, é manter a calma e lembrar que só o fato de ficarmos parados, buscando manter os pulmões sempre cheios iremos boiar. Ficar de costas para baixo e fazer leves movimentos de braços como se estivéssemos remando lentamente. Isso já nos transporta para onde queremos ir.

Todos nós, sem nenhuma exceção, já nascemos com esse aprendizado natural, portanto, o afogamento, salvo em casos extremos, é na verdade, algo totalmente anti-natural!

Mas é bom lembrar que o bom senso, sempre ajuda à evitar essas circunstâncias extremas.

...quanto aos coelhos, tive que me livrar deles quando chegaram à mais ou menos uns 20.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLO ECOLÓGICO - PROBLEMAS COM UMIDADE NA CONFECÇÃO

O CIDADÃO, O SÚDITO E SEUS ORIFÍCIOS