PONTO-MORTO SIM...E DAÍ????

Vou começar o ano descrevendo minha experiência e constatação de um fato que tem gerado certas discussões entre uns e outros. O tal "ponto morto", ou popularmente conhecido como "banguela" no trânsito.

Não executei procedimentos complexos, nem análises científicas apropriadas, apenas treinei técnicas simples e as apliquei ao volante.

Mesmo o veículo tendo injeção eletrônica (o meu é) é válido. Se disserem que na marcha lenta o consumo é igual, então quando você está parado no semáforo, está gastando o mesmo que se estivesse em movimento...não faz sentido!

Em primeiro lugar, devo dizer que essa palhaçada hipócrita da tal "segurança em primeiro lugar" deveria ser dita e defendida apenas por aqueles que realmente ESTÃO preocupados com esse fator, visto que se alguém aceita o fato de que nossos veículos são exportados para países onde só poderão rodar DEPOIS de devidamente aparelhados com assessórios do tipo freio ABS, e múltiplos Air-Bags, reforços laterais, etc, enquanto que os populares que usamos aqui, não dispõe disso por causa do custo, então vão todos  à merda com suas hipocrisias!!!!

Em segundo lugar, é preciso "conhecer o veículo" que dirigimos. Cada vez que o cidadão muda de carro, deve reaprender a dirigí-lo, pois cada modelo, cada marca, tem suas dimensões e comportamentos diferenciados.

Tenho um veículo que não vou fazer a propaganda da marca, mas que faz a média de 12 km litros urbanos, e 15 km litro em estrada.  Passei a aplicar a "banguela" e percebi o seguinte resultado:

1 - Nas vias urbanas o consumo passou a ser de 12 para 16 km litros, nas estradas de 15 para 19 km litro, o óleo do motor durou muito mais, e apenas as pastilhas de freios precisaram de trocas prematuras, o que  é relativamente mais fácil e mais barato.

2 - Optando por tal operação, me vi obrigado à conduzir mais devagar pelo fato de procurar manter o RPM em torno de 3 a no máximo 4 mil giros.

3 - Durante o uso gratuito das condições geográficas descendentes, o motor se mantem mas frio, não superaquece.

4 - Houve menor desgastes dos pneus de tração por motivos óbvios.

Sei que existem situações em que não se deve aplicar esse procedimento, como por exemplo em regiões serranas de declives muito acentuados e de curvas idem. Isso é óbvio.

Mas quando vejo um semáforo "vermelhando" já solto o bicho, quando vejo congestionamento à frente, a mesma coisa, e todos os mínimos declives que possam ser aproveitados, além das detestáveis lombadas à frente que irão me obrigar a reduzir mesmo.

Essa média de consumo em queda de aproximadamente 30% não é desprezível de forma alguma. Imaginem a frota do país deixando de consumir essa quantidade e faça as contas.

Menos etanol importado dos EUA, (incrível, mas isso é um fato), menos dióxido expelido, e menos dinheiro saindo do bolso para desincentivar a poluição dos mares.

Alguns cuidados devem ser observados, como sempre manter a marcha lenta regulada para não deixar o motor morrer durante uma descida e travar o volante. Mas é só ter essa atenção como tudo aquilo que fazemos requer.

Por fim, se querem ou estão mesmo preocupados com a tal  SEGURANÇA EM PRIMEIRO LUGAR, que só liberem os carros populares com freios decentes tipo ABS, e Air-Bags na frente e nas laterais, sem mexer nos preços...

...aí dói né seu hipócrita inescrupuloso!!!!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLO ECOLÓGICO - PROBLEMAS COM UMIDADE NA CONFECÇÃO

COELHOS NA PISCINA

O CIDADÃO, O SÚDITO E SEUS ORIFÍCIOS