OS AMORES DE ONTEM

Depois de um período bastante quente, finalmente uma chuvinha refrescante para aliviar a secura de tudo.
Assistindo a alguns clipes antigos presenteados por um grande amigo num boteco que frequento, virtual, porém, mais real em calor humano que muitos botequinhos da vida por aí, me vem aquele lado nostálgico e romântico. Lá vou eu desabafar um pouco. Constranger meu lado prático com parafernálias absurdas mas ainda incômodas.

Tantos namorinhos, tantas aventuras, tantas tentativas de encontrar a "metade que falta"!!!

Sei que já estivemos juntos em várias existências, sei que sempre fomos cúmplices, sei que ambos temos que seguir os próprios rumos independentes, altivos, ativos, e sem jamais fraquejar. Mas estou sentindo a sua falta!

Tem horas que os amores de ontem, não bastam.

Me lembrei de Fernando Pessoa, que disse;  "-Enquanto não superarmos a ânsia do amor sem limites, não poderemos crescer emocionalmente. Enquanto não atravessarmos a dor de nossa própria solidão, continuaremos a nos buscar em outras metades. Para viver a dois, antes, é necessário ser apenas um."


Eu te encontrei a vida toda até aqui, um pouco em cada uma, mas sou exigente e te quero inteira. O velho tigre já perto dos cinquenta tem alguns momentos de fraqueza que você já bem conhece. Sei que em algum tempo, em algum lugar, em alguma dimensão, também deve estar sentindo a minha falta. Me desculpe não poder fazer nada nesse sentido. Mas o vento costuma trazer alguma coisa de você. Costuma sussurrar seu nome, mesmo que de forma  difícil de entender.
A chuva como a que está caindo agora lá fora, tamborila a nossa canção.
As estepes continuam frias...muito frias.
Sinto que os dias de grandes batalhas terão fim. Mas a última ainda não foi travada. A última grande batalha, ainda está por vir. Está diluída em diversos pequenos enfrentamentos, em múltiplos sentimentos que me impedem de lembrar de você.  Não dá pra parar nesse redemoinho de emoções.

Tive minhas companheiras de jornada. Ainda as tenho. Mas não foram suficientes. Não preencheram o vazio. Não me fizeram sentir o que só um ser no universo foi capaz de fazer.
Ontem, naquele meu sonho, acho que você estava lá. Senti isso o dia inteiro. Talvez possamos ter ainda esses breves momentos diante de tantos anos privados de nós mesmos.

Nosso amigo em comum tem me protegido até aqui. Você sabe como sou cabeçudo e sempre acabo me encrencando quando estou sozinho.

Mas vou continuar no rumo. Vou continuar seguindo minha infalível bússola sabendo que em mais algum tempo, estaremos juntos de novo, e de novo, e de novo, sempre e para sempre juntos.

...e olha!!!!

...eu já aprendi a ser apenas "um"..






Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLO ECOLÓGICO - PROBLEMAS COM UMIDADE NA CONFECÇÃO

COELHOS NA PISCINA

O CIDADÃO, O SÚDITO E SEUS ORIFÍCIOS